7 dicas para escrever um livro de fantasia

Dicas por S. Paiva, escritora e fundadora do Clube de Escrita Criativa de Curitiba.


Escrever um livro de fantasia pode parecer uma tarefa fácil para alguns, mas há alguns elementos que considero importantes para todo aquele que está se empenhando em escrever algo do gênero:

1. Personagens diferenciados

Não deixa de ser óbvio: Harry Potter era um bruxo. Bella era uma vampira. Todo personagem fantástico tem que se diferenciar, em algum momento, de qualquer personagem comum de outra narrativa. Alguns escritores optam por envolver magia nisso, outros o fazem por criaturas mitológicas ou que possuem algum tipo de “super-poder”: como ler mentes, mover objetos, etc.

2. Cenário

Alguns tipos de gêneros da Literatura não exigem uma descrição muito exagerada — não é o caso do gênero fantástico. Considerando que o seu leitor pode nunca ter tido acesso ao mundo/cenário que você irá descrever, por ser fantástico e, portanto, obra da imaginação do autor, a descrição de elementos mágicos ou diferenciados é, também, outro elemento importante! Abuse de sua imaginação e criatividade!

3. Passagem

Grande parte das narrativas do gênero fantasia envolve a passagem para o mundo fantástico e ao qual o protagonista em algum momento terá acesso. Acho que o grande segredo dos enredos fantásticos é apresentar essa passagem como acessível a qualquer um (inclusive, o próprio leitor). Portanto, não deixe de inserir esse elemento de “passagem” ou abertura de um portal para o mundo criado.

4. Descrição das criaturas fantásticas

Acho quase impossível estar a escrever um livro de fantasia e não passar pela criação de criaturas fantásticas. Elas são um ótimo recurso imaginativo e, por que não dizer, bem acessíveis, pois crescemos com histórias de contos de fadas em que se descrevia vários animais ou criaturas fantásticas. Não é difícil imaginar o seu gato de estimação tendo asas ou algo do tipo e incluir isso na história. Capriche na descrição desses elementos!

5. Adicione aventura

Muitos escritores costumam, inclusive, confundir o gênero de fantasia com aventura, pois ambos tipos de enredo andam muito interligados. Seria uma tarefa hercúlea escrever um enredo fantástico sem um contexto de aventura, ou seja, em que algum desafio precisa ser enfrentado e o personagem acaba correndo algum tipo de perigo ou pondo outro personagem em risco. Adicione aventura!

6. Escolha um bom vilão

Parece até contraditório dizer “um bom vilão”; mas o que se quer dizer com isso é que o vilão deve chamar tanta atenção quanto o protagonista, que, geralmente, é o herói. Já conseguiu contar a quantidade de pessoas que podem ter visto a algum filme ou lido algum livro e dito que torciam mais para o vilão do que para o mocinho? Um vilão ou vilã pode chamar tanta atenção quanto o herói ou heroína.

7. Qual valor está presente na sua história?

Às vezes, o livro é muito bem construído nos requisitos fantásticos, mas muitos pecam em algo que é característico das obras que acabam ganhando algum tipo de reconhecimento, tanto da crítica acadêmica quanto da sociedade em geral: a ausência de valor.

Toda narrativa fantástica de sucesso que se preze é norteada por algum tipo de valor humano, pois precisamos ter algo que já conhecemos do mundo real ali também: o amor, a paz universal, a solidariedade, a família, e por aí vai. Escolha aquele que você considerar importante para o decorrer da sua narrativa e, inclusive, para influenciar o próprio final da história.



Sobre a Autora S. Paiva:
S. Paiva é o “alter-ego” literário de Karolline Maria dos Santos Paiva, ou, para os íntimos, Karol. Karol é carioca de nascença, mas nordestina de criação. Escreve desde os 9 anos de idade, quando começou a ensaiar seus primeiros versos. Na adolescência e no início da juventude, com o “boom” das redes sociais, passou a publicar seus escritos em blog’s e sites diversos, dentre eles: SuperEla, ONDDA e Revista Subjetiva. Com 23 anos, formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mas sua verdadeira aspiração de vida está na escrita. Assim, com 25 anos, está prestes a lançar sua primeira obra, da saga A Herdeira de Auramon, na Amazon. Mais recentemente, fundou o Clube de Escrita Criativa de Curitiba, organização sem fins lucrativos voltada para o aprimoramento do escritor contemporâneo e realização de eventos e palestras sobre a carreira literária para ambientes além de escolas e universidades. Você pode acompanhar o trabalho da escritora e receber textos exclusivos, inscrevendo seu e-mail na Newsletter: http://tinyletter.com/karolsantos

Acompanhe o Clube de Escrita Criativa de Curitiba!

Facebook Clube de Escrita Criativa de Curitiba

Instagram @clubedeescritacriativacwb

Saiba como colaborar com o Clube de Escrita Criativa de Curitiba pelo e-mail:
clubeescritacriativacwb@gmail.com