Vanessa Nonato
Sep 20, 2017 · 3 min read

#VamosJuntas!

Além dos adesivos, cervejas, camisetas e outros brindes inusitados, os eventos de tecnologia oferecem a oportunidade de atualização, conhecimento e network para profissionais e iniciantes na área. Então, quando chegamos nesses eventos e vemos uma plateia predominantemente masculina…

Vários questionamento surgem: mulheres não gostam? Não querem? Não tem talento para trabalhar com tecnologia?

A resposta é sim para todas essas perguntas.

Quer dizer que você tem que chamar a sua(seu) amiga(o) para ir com você aos eventos de tecnologia.

Mas por onde começar?

Bem, você pode fazer como a Kamila, que conheci no Front in Vale , no sábado 16 de setembro.

Na foto abaixo, à esquerda, é a Mariana Rondino que palestrou sobre Heurísticas de Nielsen e à direita, a Kamila Almeida.

Image for post
Image for post
A esquerda Mariana Rondino que palestrou sobre Heurísticas de Nielsen e a direita a Kamilla Almeida.

Cheguei até a Kamila perguntando: “E aí, está gostando do evento?” A resposta veio com um sorriso, deu para perceber que ela estava confortável, apesar de estar sozinha no evento. O papo se desenvolveu até ela me contar que os eventos estão sendo muito importantes para sua trajetória e que se não fosse por um evento em específico, ela não estaria no Front in Vale.

A história da Kah eu já ouvi algumas vezes: “Cursou algo relacionado a tecnologia, teve dificuldades de se estabelecer na área e encontrou uma rede de apoio em grupos femininos”. Inclusive é uma história bem parecida com a minha…

Ela me contou que uma de suas principais incentivadoras foi a Mônica Mota Ocariz, que a treinou no Django Girls, motivando-à continuar investindo na carreira e a ir a mais eventos.

(Ir aos eventos é importante!)

Code like a cat :D

Não demorou muito até surgir o convite da professora Ângela Saemi para participar do Dev Girls onde conheceu a Gláucia, que a convidou para contribuir em seu projeto pessoal.

Eis que surgiu então, da participação em um evento, a oportunidade de colocar a mão na massa e mostrar seu potencial como profissional.

Mas por que será que a Kah (eu, e a maioria das mulheres que conheço) precisou primeiro da experiência em um evento exclusivo para mulheres para só depois se aventurar em eventos mistos?

Nós duas chegamos a conclusão que por uma questão de segurança e representatividade!

Em um ambiente só para mulheres, as expectativas de não sofrer assédio ou discriminação, ter as dúvidas esclarecidas (por mais bobas que pareçam) de forma respeitosa e paciente e principalmente ter a palavra, se fazer presente, ser participante e não apenas figurante no evento, têm mais chances de serem correspondidas.

Isso é bem controverso. É equivalente a dizer que eventos que não são direcionados exclusivamente para mulheres, pessoas de comunidades periféricas, LGBTQI+, afros, pessoas com deficiências/discapacidades entre outros grupos, não são capazes de oferecer um ambiente confortável e seguro.

Temos sim, em eventos dos mais diversos formatos, vários casos de discriminação, assédio, e outros tipos de desrespeito com vários grupos. Uma busca rápida no Google já ajuda a tirar a curiosidade de quais eventos aconteceram isso.

No entanto, alguns organizadores e grupos estão se unindo para tornar os eventos de Tecnologia o mais inclusivos e acessíveis possível. Foi o que fez com que a Kamila considerasse ir ao Front in Vale.

Com algumas ações simples por parte dos organizadores, porém muito importantes foi permitido que a Kamila:

  • Embora tenha ido sozinha, onde a plateia era predominantemente masculina, tenha se sentido representada, já que 50% dos palestrantes foram mulheres.
  • Sabia que estaria de alguma forma mais segura quanto ao assédio e discriminação, porque o evento adotou um Código de Conduta que deixava bem claro que não seria tolerado nenhum tipo de desrespeito.
  • E para fazer uma espécie de compensação, sabendo que a iniquidade de renda ainda é realidade, ofereceu desconto no ingresso para o público feminino.

São ações simples, mas que podem ser cruciais quanto a escolha de ir ou não a um evento. Lembrando que a responsabilidade de promover um ambiente inclusivo e acessível para a comunidade de tecnologia, é principalmente dos idealizadores, mas nós, como frequentadores desses eventos, podemos fazer nossa parte sinalizando a eles que:

  • É inadmissível todo e qualquer tipo de desrespeito nos espaços físicos e virtuais.
  • O evento adotar e divulgar amplamente um Código de Conduta.
  • Considerar a questão de representatividade na escolha dos palestrantes.
  • Local acessível a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida.

Entre outras ações…

Como disse a Kamila: “Precisamos continuar lutando por nosso espaço e nos apoiando.” ❤

codamos

Diversidade, inclusão e tecnologia para todo mundo!

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store