Diego Martins de Pinho
Feb 26 · 5 min read

Recentemente demos uma dica bacana aqui no blog sobre como manipular o seu banco de dados diretamente do VSCode (veja este artigo aqui). Entretanto, lá deixamos bem claro que essa estratégia é interessante para quando estamos trabalhando com ambientes de desenvolvimento. Afinal, quando estamos desenvolvendo, é natural que os dados fiquem “sujos”, pois estamos sempre testando coisas neles.

Mas e quando precisamos acessar ambientes de produção/homologação? Apesar de ser possível fazer isso no VSCode, não recomendamos por alguns motivos simples. Primeiro, que lá o ambiente de desenvolvimento estará mesclado com o ambiente de produção, o que torna muito fácil cometer erros e fazer testes onde não devia.

Quer ficar fera no VSCode? Dá uma olhada no nosso curso de produtividade no VSCode e descubra dicas, atalhos, plugins e muito mais! Basta clicar aqui.

Outro bom motivo é que o VSCode não te dá segurança através do bloqueio do auto-commit. Em outras palavras, se executarmos uma query equivocada, não há como bloquear ela de ser commitada para o banco e finalizar a transação.

É por este motivo que neste artigo mostraremos como funciona o DBeaver, um projeto de código aberto bem poderoso que nos dá várias possibilidades na hora de manipular dados nos bancos.

Conhecendo o Castor

O DBeaver se classifica como o que ele chama de Free Universal Database Tool, ou seja, uma ferramenta universal para banco de dados. Isso significa que ele nos dá a possibilidade de manipular vários SGBDs, como Oracle, Postgres, MySQL, e por aí em diante (a lista de todos os bancos de dados suportados está aqui).

Como havíamos comentado, o projeto é de código aberto e está armazenado lá no GitHub, onde é oferecido por meio da licença MIT e já possui mais de 8000 estrelas. O projeto é oferecido em duas versões: Community (gratuito) e EE (pago). A segunda versão suporta banco de dados que não possuem um driver JDBC, como o MongoDB, Cassandra e Redis (os valores deste plano começam a partir de US$ 75/ ano).

O projeto está disponível para os sistemas Linux, Mac e Windows. Sua instalação é bem simples e vai de acordo com a plataforma que você estiver usando. Para obter a ferramenta, basta acessar esse endereço (até o momento em que este artigo foi escrito, a versão atual é a 5.3.5).

Vamos dar uma olhada em algumas de suas funcionalidades mais interessantes (focando na versão Community que é gratuita).

As mil e uma funções do Castor

O DBeaver é uma ferramenta baseada no bom e velho Eclipse (IDE de desenvolvimento Java), o que significa que se você não gosta do Eclipse, as chances de gostar do DBeaver já diminuem logo de cara. Mas não desista ainda, dê uma chance às funcionalidades, que é onde ela realmente brilha.

Gerenciador de Conexões

Em várias situações precisamos nos conectar em vários bancos de dados, e isso pode ser bastante problemático. Para nos ajudar com isso, a ferramenta tem um bom gerenciador interno. Além de guardar os dados das suas conexões, ele nos permite dividi-los em grupos/categorias e em ambientes (dev, prod, homolog). Além disso, ele também trata de conexões que envolvem túneis SSH, algo comum quando estamos tratando de ambientes controlados.

Gerenciamento de banco de dados dentro do DBeaver

Visualizador de dados e editor

De nada serviria a ferramenta se não pudéssemos acessar, consultar e alterar os dados das bases. O DBeaver tem um visualizador simples, mas que nos permite uma série de pequenas coisas úteis, como ordenar os dados direto da tabela, filtrar elementos e exportá-los em pdf, texto, csv e excel. Fora isso, ele também consegue gerar queries SQL de acordo com os dados que você selecionou da tabela. Isso é extremamente útil.

Queries sendo executadas dentro do DBeaver

Metadados

Tão importante quanto os próprios dados, são os metadados, ou seja, os dados sobre os dados. Aqui, estamos nos referindo a dados sobre as tabelas, views, colunas, indexes, procedures, triggers, entidades de armazenamento (como tablespaces e partições) e entidades de segurança, como usuários e roles. Na ferramenta, conseguimos visualizar essas informações de forma muito simples, o que ajuda muito na hora de entender quais são as chaves de uma tabela, quais suas restrições, etc.

Metadados de uma tabela dentro do DBeaver

Diagramas

Existem pessoas que conseguem absorver melhor as informações quando elas estão representadas através de desenhos e diagramas, ao invés de somente texto. No DBeaver também temos a possibilidade de gerar diagramas automaticamente e depois exportá-los em GIF, PNG, BMP e GraphML.

Diagramas geradas “automagicamente” pela ferramenta

Conclusão

Das várias ferramentas que já experimentamos aqui na empresa, o DBeaver foram uma das poucas que continuam nos acompanhando. Suas funcionalidades na edição Community são o suficiente para que possamos trabalhar sem dores de cabeça. O editor, visualizador e administrador de dados são bem úteis e não travam, pelo contrário, costumam facilitar bastante o workflow. Se você procura por uma ferramenta do tipo, não deixe de experimentar esta.

Referências


Gostou? Recomende 👏 este artigo e acompanhe nossa publicação para não perder os próximos conteúdos!

Siga nossa publicação e não perca os próximos artigos! http://www.codeprestige.com.brFacebook, Twitter, Youtube

Siga o autor deste artigo e troque uma ideia com ele! http://www.diegopinho.com.br • Twitter, LinkedIn


Aprenda mais com nossos cursos de programação online!

ECMAScript 6ECMAScript 7 e 8React 16VS CodeMais

Code Prestige

Artigos, notícias e dicas sobre o melhor da tecnologia

Diego Martins de Pinho

Written by

Desenvolvedor de Software, Fundador da CodePrestige e autor do livro ECMAScript 6 - Entre de cabeça no futuro do JavaScript

Code Prestige

Artigos, notícias e dicas sobre o melhor da tecnologia

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade