Estoicismo Diário #199 — A estrada de uma via

Ou por que não se comparar com outros

"Os desejos das outras pessoas são independentes dos meus assim como seus corpos. Podemos existir um por causa do outro, mas nossas vontades reinam sobre seus próprios domínios. Caso contrário, o mal que eles provocam me causaria mal também. E isso não é o que os deuses desejam — que a minha felicidade dependa de outra pessoa." 
— Marco Aurélio

A fundação de um país livre reside na liberdade de poder colocar o fim do seu punho no início do nariz de alguém.

Em outras palavras: você pode fazer o que quiser, desde que não interfira com o espaço ou o corpo físico alheio. Enquanto seu punho estiver a alguns milímetros de distância do nariz da outra pessoa, você está dentro dos limites.

Isso implica em duas coisas:

  1. Você pode viver como quiser, desde que não interfira com a vida de outros.
  2. Você precisa ter a mente aberta e aceitar que os outros também podem fazer o mesmo.

Os outros fazem as próprias escolhas, você faz as suas, ninguém interfere na vida alheia. Fim.

Você consegue fazer isso? Mesmo que você discorde profundamente com a escolha de outra pessoa, você tem autocontrole suficiente para deixá-la agir como quer?

Você já tem problemas demais na sua vida. Não perca seu tempo discutindo com alguém porque acha que sua escolha é melhor do que a dele, ou mudando sua vida em prol de outra pessoa. Isso é estupidez.

Aplicação pessoal

Usain Bolt é a única pessoa na face da terra que consegue ganhar uma corrida enquanto olha para os lados. Como só existe um Usain Bolt, olhar para os lados não vai lhe fazer bem algum.

Não me comparar com outros é difícil e, vez ou outra, me pego fazendo isso. Vendo o que meus ex-colegas de mestrado andam fazendo… E acabo me sentindo insatisfeita com minha própria vida.

Nesse momento, eu esqueço que somos pessoas completamente diferentes, então fazemos escolhas diferentes o que nos leva a caminhos diferentes. Basear meu caminho no que eles fazem é submeter o que eu acho é certo à razão alheia. Claro, me sinto completamente trouxa depois que percebo o que fiz.

A vida é uma avenida com apenas uma única via e você é o único objeto que tem que se mover ao longo dela. Não obrigue outros a seguirem na sua estrada, e nem caminhe na estrada de outros.

Sua felicidade não depende dos outros. Nem a deles de você.



Conecte

Gostou? Clique no ❤ para que outras pessoas descubram este texto.
Quer receber emails com dicas e textos?
Clique Aqui