Estoicismo Diário #294 — Qual o sentido da vida?

"Você tem provas, considerando a extensão das suas divagações, que nunca encontrou a arte de viver em local algum — não na lógica, não na riqueza ou em alguma indulgência. Em local algum. 
Onde ela está, então? Em fazer o que a natureza humana demanda. 
Como alguém faz isso? Tendo princípios que são a fonte do desejo e da ação. 
Que princípios? Aqueles relacionados ao bem e ao mal, certamente na crença que não existe bem para um ser humano exceto o que cria justiça, autocontrole, coragem e liberdade, e nada ruim além do que destrói tudo isso."
 — Marco Aurélio

Qual o sentido da vida?

Por que nós estamos aqui?

Todos nós já nos perguntamos isso em algum momento da vida. Raramente encontramos alguma direção que nos leve a uma resposta — uma que faça sentido para nós.

Em Man's Searching for Meaning, Viktor Frankl diz que a pergunta "qual o sentido da vida?" não é feita por nós, mas para nós. Nossas vidas são as respostas.

Nem viagens, nem leituras, nem sábios, nem biscoitos da sorte podem responder essa pergunta. Apenas você pode. Como? Na forma como você vive. Nas coisas que você faz. Ao encarnar os princípios, as virtudes cardinais que Marco Aurélio já nos disse tantas vezes.

Aplicação pessoal

O que você decidiu fazer com sua vida? Como você decidiu viver? Você está satisfeita(o)? O que você deseja fazer? O que você considera como o suficiente? Como você planeja ajudar outros?

A resposta para todas essas perguntas (e outras mais) começam a dar uma direção sobre o que você deve fazer para dar sentido à sua vida. Ninguém vai responder isso por você. Quanto mais cedo encontrar as respostas, mais fácil vai ser ajustar o seu curso para atingir o alvo correto.

Mas lembre-se que não podem ser respostas quaisquer; você tem que dar respostas sempre de acordo com o que é correto. De que adianta conseguir dinheiro se for de forma ilícita? Você viverá com a consciência pesada e paranoia. De que adianta conseguir o relacionamento que tanto desejava se traiu uma pessoa para isso?

Percebeu que respondeu mal da primeira vez? Não achou um porto adequado para seu barco, como diria Sêneca? Não tem problema. Repense tudo e defina um novo rumo. Você tem toda liberdade para escolher novos portos, mas tenha um destino. Caso contrário, nenhum vento é favorável.



Conecte

Se você quiser se concentrar nas coisas certas, diminuir o estresse e controlar a ansiedade, clique aqui e se inscreva para receber um email por semana com dicas, exercícios e textos.