Estoicismo Diário #11 — Como permanecer zen no dia-a-dia

"Se uma pessoa transpõe sua cautela para suas próprias escolhas e os atos dessas escolhas, eles, ao mesmo tempo, ganharão a vontade de evitar, mas se eles desviam sua cautela de suas próprias escolhas fundamentadas para coisas que não estão sob seu controle, procurando evitar o que é controlado por outros, eles serão então agitados, temerosos e instáveis."
— Epictetus

Os estoicos não são monges imperturbáveis em um monastério no topo da montanha. Eles são as pessoas que mantêm a calma na correria do dia-a-dia, no meio de uma rua agitada, no meio de uma briga no Senado ou no momento em que a USS Enterprise está sob ataque e alguém precisa manter a ordem.

Epictetus nos lembra que serenidade e tranquilidade são frutos das nossas próprias escolhas e não do ambiente em que estamos.

Escolher evitar estresses, pessoas, eventos externos não é a solução. Qualquer um que deseje alcançar algo durante sua existência vai enfrentar problemas, vai encontrar resistência por parte das pessoas, vai encontrar obstáculos.

Evitar os eventos externos é se esconder dos problemas, jamais enfrentá-los.

Estoico é aquele que mantém a calma enquanto enfrenta uma tempestade porque como você vê a tempestade é fruto das suas próprias escolhas. Veja o problema como um gigante e ele será; veja o problema como sendo apenas um obstáculo que você precisa superar e você irá superar.

Escolha evitar os julgamentos prejudiciais e você pode encontrar a tranquilidade. Ou como diria Jack Sparrow, “O problema não é o problema. O problema é sua atitude em relação ao problema”.

Aplicação pessoal

Há alguns anos, eu ouvi (ou li, não lembro) uma frase que dizia: "Por que você está preocupado com o problema? Se ele tem solução, você não precisa se preocupar porque ele pode ser resolvido; se não tem solução, você também não precisa se preocupar porque não tem como dar um jeito".

Eu sei que o mundo externo não está sob meu controle, então eu não preciso me preocupar com ele. Eu só preciso me preocupar sobre como eu reajo ao que acontece. Eu vou reclamar ou vou fazer alguma coisa?

Eu reclamava demais, não vou mentir, mas de que adiantava? Reclamar não vai fazer o universo resolver o problema por mim, se eu não fizer algo, as coisas não irão mudar.

Então, agora, sempre que eu penso em reclamar sobre algo, eu paro e me pergunto: "O problema tem solução? Se sim, o que eu posso fazer para solucionar o problema?". Se o problema não tem solução, eu volto às minhas tarefas e não me preocupo com ele.

Como você reage aos seus problemas?


Conecte

Se você gostou deste texto, se inscreva na lista de emails da publicação. Toda semana você irá receber insights sobre desenvolvimento pessoal, melhores textos, dicas e outras coisas úteis.

Clique aqui para se inscrever na lista de emails.

E se quiser me pagar um café, clique aqui.