Estoicismo Diário #25 — O que realmente importa

"O que resta a ser valorizado? Isto, penso eu — limitar nossa ação ou inação apenas ao que está de acordo com as necessidades do nosso preparo… é do que os esforços da educação e do ensino se tratam — aqui está a coisa a ser valorizada! Se você acreditar nisto com firmeza, você vai parar de tentar obter todas as outras coisas…
Senão, você não será livre, auto-suficiente, ou livre das paixões, mas necessariamente cheio de inveja, ciúme, e suspeita de qualquer um que possa tomar tais coisas, e você tramará contra aqueles que tiverem o que você valoriza… Mas por ter algum auto-respeito para com sua própria mente e por valorizá-la, você satisfará a si próprio e estará em melhor harmonia com seus semelhantes, e mais em sintonia com os deuses — louvando tudo o que eles estabeleceram e lhe entregaram."
– Marco Aurélio

Há alguns dias Sêneca nos pediu para refletirmos sobre nossa percepção em relação ao dinheiro. Marco Aurélio pede para irmos um pouco mais a fundo nessa reflexão. Para facilitar, precisamos pensar sobre Warren Buffett.

Warren Buffett possui uma fortuna estimada em 74 bilhões de dólares (neste momento), mas ele reside na mesma casa que comprou em 1958 por 31.500 dólares. Com a fortuna que possui, Buffett poderia morar em uma mansão gigantesca em Los Angeles se assim quisesse, mas por que ele não faz isso?

Porque as coisas que importam para Warren Buffett são baratas. Ele aprendeu a dar prioridade ao que realmente importa — logo, uma mansão não é uma prioridade na vida dele, mas continuamente analisar empresas e suas ações, sim — e isso não é algo caro, basta apenas ter uma mente e conhecimento.

Buffett tem a liberdade de perseguir qualquer tipo de interesse, mas as prioridades dele não dependem da sua fortuna, ao contrário, elas que geraram sua fortuna.

Ao continuarmos desejando coisas e nos matando de trabalhar para consegui-las, apenas caímos vítima da adaptação hedônica — nos acostumamos, queremos cada vez mais e ficamos presos(as). Ao entendermos o que realmente é importante para nós, temos clareza e podemos aproveitar nossas vidas porque normalmente o que é importante não depende de termos milhares de reais.

Aplicação pessoal

No final de 2016, logo após defender meu mestrado, eu precisei fazer uma cirurgia para reparar um ligamento no ombro. Até que eu receba alta da fisioterapia, trabalhar de forma integral não é possível porque senão eu teria que abrir mão das 7h de reabilitação por semana. Como eu não gosto de ficar desocupada, eu atuo como coach, além de revisora, editora e tradutora.

Mas eu sei o que é importante para mim e todos os meus interesses são baratos (hello, Medium). Eu não preciso me preocupar em desejar e conseguir mais e mais e mais e ficar presa nesse loop que Sêneca já nos mostrou que é um desperdício.

Eu apenas preciso saber o que me faz bem e o que eu quero continuar a fazer.

O que é realmente importante para você? Quais são as suas prioridades?


Conecte

Gostou? Aperte o ❤ para que outras pessoas descubram este texto. E se quiser me pagar um café, clique aqui.