Manter um journal pode mudar sua vida

Navegando os mares do SELF

“Você não pode conectar os pontos olhando para frente; você só pode conectá-los olhando para trás. Então você tem que confiar que os pontos irão, de alguma forma, se conectar no seu futuro.” — Steve Jobs

Benjamin Franklin mantinha um diário. Leonardo Da Vinci enchia cadernos e mais cadernos com pensamentos e desenhos. Anaïs Nin manteve diários que acabaram originando o filme Henry & June. Bruce Lee andava com um bloquinho de notas no bolso e o usava para escrever meditações e reflexões.

E a lista continua: Isaac Newton, George Washington, Anne Frank, Virginia Woolf, C. S. Lewis, Ray Bradbury.

Se todas essas pessoas possuíam o hábito de escrever seus pensamentos, provavelmente existe uma boa razão.

Journal, segundo uma das definições do Oxford Dictionaries, é um registro diário de notícias ou eventos de natureza pessoal. Em outras palavras, um diário. Um journal é onde você despeja seus sonhos, pensamentos, emoções, desejos, ideias, relatos, experiências (ou faz doodles de coelhinhos).

Um diário é um caderno onde você pode refletir e meditar.

Como disse Lynda Barry, "a questão não é registrar o que você já sabe que aconteceu nas últimas 24h. Em vez disso, é um convite para o seu subconsciente dar um passo à frente e lhe revelar imagens do seu dia que você não percebeu".

Ter um journal permite que você se descubra.

Benefícios de manter um journal

“Escrever em um diário é uma viagem ao interior.” 
Christina Baldwin

A maioria das pessoas acorda e verifica as notificações das redes sociais.

Josh Waitzkin, prodígio do xadrez e campeão mundial de Tai Chi Push Hands, é diferente de todas elas. Após acordar, ele medita e depois se senta com seu journal e descarrega os pensamentos no papel. Ele gera outputs ao invés de consumir mais informação.

Pesquisas afirmam que pessoas que mantêm um diário são mais saudáveis que o resto da população não apenas em termos mentais, mas físicos também.

Um estudo de 2005 mostrou que a “escrita expressiva” com duração de 15–20 minutos tem efeitos terapêuticos. Outro estudo mostrou que ter um diário ajudou as pessoas a se recuperarem mais rápido depois de um acidente.

Um pesquisador da universidade do Texas também mostrou que a escrita expressiva é a melhor forma de lidar com momentos difíceis porque escrever ajuda a organizar a experiência e transformá-la em algo passível de compreensão.

Escrita expressiva significa uma escrita turbulenta e imprevisível, você escreve à medida que os pensamentos vão surgindo. Vomitar os pensamentos no papel seria a expressão mais adequada.

Recentemente, eu precisei processar eventos passados que constantemente vinham à minha mente. Apenas ao escrevê-los sem julgamento, sem regras, eu fui capaz de entender como aquilo tudo me influenciou e o que eu posso fazer a respeito.

Ter um journal ajuda a estabilizar as nossas mentes e pensamentos. Ajuda a entender o que acontece ao nosso redor e a processar as informações, emoções e experiências.

Stephen Ozanich afirma que muitas das dores ou sintomas crônicos são originados na mente. Por exemplo, dores de cabeça recorrentes podem ser fruto de algum problema emocional. Minha mãe é um excelente exemplo disso, ultimamente ela tem tido dores de cabeça diárias por causa do estresse no trabalho.

Muitos traumas também surgem devido a experiências não internalizadas. Ao escrevê-los, é possível compreender como e por que elas nos afetam e finalmente superar — existe uma regulação emocional. Seu lado físico é curado porque você finalmente compreendeu o que provocou o estresse.

No livro O Poder do Hábito, Charles Duhigg fala sobre "keystone habits". Keystone habits são pequenos hábitos ou pequenas mudanças que você provoca que acabam influenciando sua vida como um todo. Ter um journal é um hábito simples de manter e que pode alterar vários aspectos do seu eu.

Outras razões para você começar um journal agora

Antes de ter um journal, minha mente parecia uma sopa de letrinhas onde cada letrinha era um pensamento. Ao começar a escrever os meus pensamentos, as letrinhas se organizaram em frases e começaram finalmente a fazer sentido.

Não lembro exatamente quando comecei a manter um journal, mas em 13 de novembro de 2016 eu decidi mudar para um caderno, ao invés de usar o Day One. A partir daí, eu comecei a escrever todos os dias porque eu não precisava mais do meu computador.

Eu comecei a verificar padrões de pensamentos, símbolos recorrentes nos meus sonhos, sinais de que algo não está funcionando direito. Escrever todos os dias me deu uma visão melhor sobre a minha vida e minha mente.

Entre os benefícios comprovados pela ciência e os que eu identifiquei ao manter uma prática diária de journaling, temos:

  • Estimula sua criatividade
  • Ajuda a processar experiências traumáticas e rever episódios passados com mais atenção
  • Gera clareza sobre o que você deseja alcançar
  • Ajuda a fazer planejamentos
  • Gera mais estabilidade no seu dia-a-dia
  • Aumenta o foco porque ao escrever uma ideia ou pensamento ela não é mais como um loop aberto que toda hora aparece na sua mente
  • Ajuda a aprender melhor porque você passou a escrever o que você aprendeu
  • Aumenta auto-confiança e auto-estima
  • Revela padrões de pensamentos e comportamentos
  • Mantém um registro detalhado das experiências passadas e você pode aprender com seus sucessos e fracassos
  • Melhora a sensibilidade
  • Auxilia na interpretação de sonhos e símbolos
  • Melhora a habilidade de comunicação e sua escrita

Manter um journal também é uma forma de escritores praticarem a escrita de forma despretensiosa.

Grandes autores afirmaram que definem uma quantidade diária de palavras a escrever, 200, 500 ou 2000 palavras por dia. Mas manter um journal pode dar conta do recado. E depois de escrever no seu journal, as ideias para seus textos vão fluir com mais facilidade porque você ordenou seus pensamentos.

Quatro passos para manter um journal

“Nós escrevemos para provar a vida duas vezes, uma no momento e a outra em retrospecto” 
Anaïs Nin

1) Keep it simple, stupid!

Manter um journal é messy por isso é simples.

Você só precisa escrever o que está passando pela sua mente, não existem regras, não existe uma forma correta de manter um diário.

Abra o caderno e escreva, não complique, não edite.

Problemas para começar a escrever? Pense nos seus objetivos. Pense no dia de ontem. Pense no que você precisa fazer hoje. Pense nos seus relacionamentos. Pense no que você quer comer no almoço.

Você pode começar de qualquer forma, só precisa tirar o freio de mão dos seus pensamentos.

2) My precious

Seu journal é algo pessoal, logo, você não precisa mostrá-lo às outras pessoas — e nem deve.

Por ser privado, você pode despejar todos os seus pensamentos e sentimentos sem medo. Você pode mostrar todos os lados que você oculta das pessoas, e quem sabe de si mesmo(a).

3) 15–20 minutos por dia

Para começar, você não precisa mais do que 15 minutos.

Escreva pela manhã porque você também pode registrar seus sonhos e sua mente está menos preguiçosa do que no final do dia. Ou você pode escrever 10 minutos à noite e 10 minutos pela manhã. Ou simplesmente escreva no momento que você achar ideal, mas escreva.

Eu prefiro carregar meu journal comigo para poder escrever sempre que possível e também anotar ideias.

4) Releia o que você escreveu

O propósito de manter um journal, além de aliviar a mente da carga de pensamentos diários, também é aprender com o passado.

Não adianta encher cadernos e nunca reler o que você escreveu. Como disse Steve Jobs, você precisa olhar para o passado para fazer sentido do agora e do futuro. Dedique um tempo, uma vez no mês, para folhear o que você escreveu.

Você vai ter novos insights e mudar o seu ponto de vista sobre muitas coisas.

Conclusão

Linguagem é uma parte do código que utilizamos para interpretar o mundo. Aproveite a linguagem para também interpretar o seu mundo interno.

Journaling é uma prática simples cujos resultados valem muito mais do que os 20 minutos que você vai dedicar por dia para obtê-los.


Conecte

Gostou? Aperte o ❤ para que outras pessoas descubram este texto.