Simplificando a vida: 21 dias de minimalismo

Para ser minimalista você precisa viver com menos de 100 objetos, não pode ter uma casa, um carro ou uma TV, não pode ter uma carreira, tem que viver em locais esquisitos ao redor do mundo, ser solteiro(a) e não pode ter filhos.

OK, deixando a brincadeira de lado, minimalismo não se trata dessas coisas — bom, até pode se você preferir viver assim.

Minimalismo é uma ferramenta — e não exclui o consumo, apenas o consumismo compulsório.

Você já sentiu aquele vazio que não sabia de onde vinha e decidiu que era porque não tinha aquele celular mais recente? Você foi lá comprou, se sentiu realizado(a) por um momento e depois tudo voltou ao normal — ao vazio. Isso se chama adaptação hedônica e ela não é a resposta para o seu problema.

O minimalismo é a ferramenta que pode lhe ajudar a quebrar esse ciclo e conseguir mais liberdade. Não existe problema em ter posses materiais, o problema reside no significado que atribuímos: a razão da nossa existência e o resultado do nosso trabalho.

Minimalismo é sobre dar significado ao que possuímos.

Se algo não lhe é útil, não lhe faz bem ou não lhe serve, por que você ainda se apega a isso?

Minimalismo é reduzir para ter mais; é fazer escolhas conscientes, ao invés de ser levado a uma decisão por fatores externos ou marketing.

Trata-se de reduzir ao que realmente importa — aquilo que significa algo para você — de forma a ter mais: mais tempo, mais experiências, melhores relacionamentos, mais espaço, uma vida com mais significado porque ele, agora, não depende mais do que está transbordando do seu guarda-roupas.

Minimalismo não é um estilo de vida radical pré-moldado, mas um sistema que pode se adaptar às suas necessidades.

E como tudo na vida, minimalismo é um processo. Para começar sua jornada, um desafio de 21 dias: 21 sugestões para começar a liberar espaço na sua casa e na sua mente.

#1 Separe 33 itens essenciais do seu guarda-roupas

Essa ideia, também chamada de Capsule Wardrobe, foi proposta pela Courtney Carver — sugiro ler o site para todas as instruções.

Muito provavelmente, você usa as mesmas roupas, os mesmos acessórios, as mesmas bolsas repetidamente, mesmo que não perceba. Seus jeans? As chances são de que você usa apenas uns 5 de todos os que possui.

Então, quais roupas você realmente se sente confortável ao vestir? Quais você realmente adora?

Separe essas roupas em um lado do seu guarda-roupas, o resto você coloca do outro lado ou em uma mala, o importante é tirar da sua frente. Se sentir necessidade de uma outra peça que não foi escolhida, não há problema em trocá-la por algo que você tinha selecionado anteriormente (trocar, não adicionar!).

Ao selecionar apenas 33 peças, você reduz o estresse de escolher o que vestir, é capaz de verificar o que realmente você usa ou não e faz um inventário de tudo o que você possui.

#2 Defina seu estilo

Quantas roupas você tem no seu guarda-roupas que nunca usou ou se arrependeu depois de comprar? Quantas camisas que você comprou por que estavam na promoção e não por que você gostaria de usá-las?

Definir seu estilo facilita o processo de limpar seu guarda-roupas e deixar sua casa em ordem — sem enfeites desnecessários, sem algo que não combine com o resto. Isso também lhe deixará mais consciente dos itens que você planeja comprar e se eles se adequam, ou não, ao que você já possui.

#3 Hora de limpar: guarda-roupas

Se você conseguiu fazer o Capsule Wardrobe, então limpar o guarda-roupas vai ser uma tarefa fácil.

Primeiro, como sugere Marie Kondo no seu livro A Mágica da Arrumação, separe seus itens por categorias: calças, camisas/camisetas, jaquetas/casacos, sapatos, acessórios, bolsas... Tem sapatos espalhados em várias partes da casa? Junte-os em um local só, isso evita que você precise repetir o processo.

Depois, comece a analisar peça por peça. (Dica: agora, não analise os itens que têm algum valor sentimental.)

Verifique se a peça é similar a algo que você já tem ou se serve para o mesmo propósito (você precisa mesmo dessas 7 jaquetas?), mas, mais importante, verifique se você gosta dessa peça. Senão, pra que você a mantém? Se não usou nos últimos 6 meses, você não usará nos próximos 6 meses.

À medida que for analisando, vá separando em: manter, em dúvida, doar ou lixo. O que você realmente gosta vai para "manter" (e não adianta dizer que ama tudo ou já sabotou o processo inteiro). Não serve mais em você? Doar. Não está em bom estado? Lixo. Ficou na dúvida? Guarde em uma caixa e esconda por alguns meses, se não sentir falta, doe. É simples, mas você precisa ser honesto(a).

#4 Limpe todas as superfícies do seu quarto

Remova todos os objetos, todos os livros, todas as decorações de cima da mesa, cadeira, mesinha de cabeceira. Deixe todas as superfícies livres. Comece do zero. Se você morar sozinho(a), tente fazer isso na casa inteira.

Da mesma forma que você fez com seu guarda-roupas, mantenha apenas aquilo que você gosta e que é útil.

Se existe algo na sua mesa que você não gosta, mas não descarta, o que você está fazendo é apenas distraindo sua mente e sabotando sua concentração. As mesmas coisas que ocupam sua mesa também ocupam sua mente e lhe impedem de trabalhar direito — pense nisso, apenas remover aquele jarro com a planta esquisita pode lhe ajudar a se concentrar.

Mas se você gosta da planta esquisita, então coloque-a de volta, não tem problema.

#5 Verifique o extrato do seu cartão de crédito

Muito provavelmente você recebe seu extrato do cartão, paga e pronto , mas existe uma abordagem melhor.

Pegue o extrato do seu cartão e verifique todos os pagamentos que anda fazendo. Provavelmente você verá várias coisas que paga, mas não usa — você está perdendo dinheiro e não percebe.

Você assina o Office 365, mas usa o Pages e Keynote, então para que você assinou? Você paga o Spotify Premium, mas quase não usa o aplicativo, então por que não voltar ao básico, mesmo que isso inclua alguns comerciais com a Ivete Sangalo?

Quando precisar, você assina novamente. Você não vai perder o braço.

#6 Hora de limpar: despensa

Se você quer ter mais consciência das suas escolhas, a cozinha também está inclusa no processo.

Você pode reduzir seus gastos, diminuir a quantidade de roupas e outros pertences, mas ainda agir de forma reativa no que se refere à sua própria saúde e comer qualquer besteira. Ou, se você passa o dia inteiro fora de casa, por que tem uma despensa cheia de coisas que você não vai usar?

Então, vá até sua cozinha, limpe sua despensa e sua geladeira. Jogue fora toda a comida que já passou da validade e selecione aquilo que você não precisa manter — alguém pode fazer um uso melhor do que você faria.

#7 Dê unsubscribe nos emails que você não lê

Talvez você tenha perdido seu interesse em cozinhar, mas ainda recebe aquela newsletter de um site de cozinha que você visitou em 2012.

Da mesma forma que objetos na sua mesa atrapalham sua concentração, emails não lidos na sua caixa de entrada também podem ocupar espaço na sua mente. O que não lhe interessa mais? Abra o email e clique em unsubscribe. É rápido e indolor.

#8 Desative as notificações do seu celular

Vivemos em uma era de gratificação instantânea. Não sabemos mais o que é tédio e vivemos distraídos. Uma solução rápida: desative as notificações do celular.

Você não precisa saber que há 3 segundos alguém deu like na sua foto mais recente. Você não precisa saber que alguém acabou de dar um RT na sua última piada de 140 caracteres.

O que você precisa é viver no momento presente — as notificações você vê depois. Assim que a ansiedade inicial vai embora, você percebe que não está perdendo coisa alguma.

#9 Elimine as contas em papel

Considerando o serviço de entrega no Brasil, receber as contas pelos Correios é pedir para pagar multa.

Facilite sua vida: iniba a fatura impressa e receba o PDF no seu email — ele vai chegar na data e não tem problema de congestionamento na caixa de entrada.

Conserve sua paciência, evite transtornos e salve algumas árvores no processo.

#10 Reduza seus objetivos

Todo final de ano, você provavelmente faz uma análise do que aconteceu, deixou de acontecer e faz os planos para o ano seguinte — mas se você definiu 15 objetivos para o próximo ano, você está se auto-sabotando.

Você não precisa ter mais do que quatro objetivos — um em cada área importante da sua vida — e eles não podem ser disérgicos.

Simplifique sua vida, pare de correr em todas as direções.

#11 Digitalize contas antigas e outros documentos

Se você é como minha mãe, então tem pastas e pastas com pagamentos antigos e comprovantes que provavelmente nunca vai precisar. Como consequência, você perde espaço.

Pegue essas contas antigas e digitalize-as — aproveite e faça isso com outros documentos como contratos, plantas do apartamento… Libere seu espaço físico ao transformá-las em uma versão digital.

# 12 Hora de limpar: livros

Eu sou bookworm e é realmente difícil me desapegar dos meus livros, e não tem problema se você também ama os livros que possui. Mas é provável que, assim como eu, você tenha vários que nunca leu e nunca vai ler. Ou livros que leu e achou uma porcaria.

Organize seus livros em categorias, assim como no dia #3, e decida aqueles que você realmente gosta e doe o resto, eles podem ser úteis para outra pessoa.

#13 Hora de limpar: celular

Se você não joga mais Jetpack Joyride, por que mantém o aplicativo? Se você não investe mais na bolsa de valores, por que não deleta o aplicativo da Bolsa?

Aplicativos demais nos fazem perder tempo no celular, tempo que poderia ser aproveitado fazendo coisas mais produtivas ou conhecendo pessoas novas.

Delete tudo aquilo que não lhe serve mais, se um dia precisar, você pode baixar de novo.

#14 Hora de limpar: banheiro

Três tipos de xampu, quatro hidratantes diferentes, dezenas de amostra grátis. Algumas coisas provavelmente já saíram da validade e você nem notou.

Além disso, você não precisa disso tudo (ou você tem três cabeças?). Libere espaço no seu banheiro reduzindo seus produtos de beleza.

#15 Hora de limpar: guarda-roupas (de novo)

É provável que você não tinha sido muito honesto(a) na hora de limpar seu guarda-roupas da primeira vez, então você tem uma nova chance!

Novamente, separe suas coisas em categorias e se pergunte se você gosta (e precisa) daquilo que manteve.

#16 Planeje a próxima semana

Quer ter uma semana produtiva? Então planeje tudo o que você precisa fazer com antecedência.

Decidir o que fazer durante o dia é uma forma reativa de lidar com as responsabilidades e você perde o foco do que é importante.

#17 Unfriend/unfollow

Ok, pode me chamar de Coração Gelado, mas eu dou unfriend e unfollow nas pessoas.

Contatos superficiais apenas consomem energia, energia que poderia ser redirecionada para relacionamentos importantes e relevantes. Também não tem sentido em manter uma amizade de Facebook com uma pessoa com quem você não fala há anos — é apenas mais ruído para lhe distrair.

Não tenha medo de eliminar uma amizade de Facebook, especialmente se ela deixou de existir no mundo real.

#18 Não acesse redes sociais por um dia

Da mesma forma que nosso corpo precisa descansar depois de um dia de trabalho, nossa mente também precisa descansar.

Mas, em nosso tempo livre, somos constantemente perturbados(as). Esses estímulos não deixam nossa mente descansar, portanto passe um dia ausente das redes sociais. Melhor: desligue o celular durante um dia inteiro.

Aproveite o tempo livre para fazer algo que você deseja e vem procrastinando.

#19 Defina um sistema para gerenciar seus dias

Não importa se você vai usar um aplicativo como o Google Calendar ou Calendário do Mac OS, ou se você vai usar um caderno, tenha uma forma de gerenciar suas atividades.

Com o tempo, você se torna mais consciente das coisas para as quais diz "sim", para as coisas que apenas ocupam seu tempo ao invés de contribuir positivamente.

Como consequência, você aprende a dizer não e a valorizar a única moeda que realmente que importa: o tempo.

#20 Hora de limpar: itens sentimentais

Você mantém o objeto por que alguém lhe deu ou por que você realmente gosta dele?

Se você não gosta, não tem sentido em ocupar seu espaço com algo que não é importante para você, mesmo tendo sido um presente. Reúna os itens que tem algum valor sentimental ou presentes que ganhou e decida se vale a pena mantê-los. É difícil desapegar, mas é preciso porque o que importa são as memórias que mantemos, não as coisas que achamos que vão guardar essa memória.

E você sempre pode tirar fotos das coisas — uma lembrança enquanto libera seu espaço.

#21 Agradeça

Existem duas formas de ser rico: tendo tudo o que deseja ou desejando tudo o que você tem.

Ao invés de tentar preencher um vazio comprando mais coisas, preencha agradecendo pelas coisas que você tem — e não falo apenas de objetos materiais. Liste 10 coisas pelas quais é grato(a) e você verá que tem muito mais do que imaginava.

Lembre-se: Epíteto disse que condicionar a felicidade a algo que você não possui é loucura. Você pode ser feliz agora.

[Update] #22 Dia bônus: minimalismo emocional

Uma sugestão da Daniela:

Reavalie as pessoas com quem você mantém contato. 
Quem são seus amigos, quem são seus colegas? 
Em que nível de importância você consegue classificá-los? 
Quem lhe faz bem e quem lhe faz mal? 
Quais são seus verdadeiros amigos?

As pessoas ao nosso redor influenciam nossos comportamentos, então, escolha bem quem ficará ao seu lado.