Em busca de um jornalismo mais sensível

Dois dias de oficinas sobre escrita criativa e produções coletivas.

Em outubro de 2016, o Coletivo Tereza participou da Semana Acadêmica de Jornalismo da Unochapecó. Foram dois dias de oficinas sobre escrita criativa e produções coletivas. O primeiro encontro foi dividido em dois momentos. O primeiro deles contou com dicas e referências para construção de textos mais humanizados e criativos. O segundo momento teve a participação do músico Márcio Pazin, que interpretou algumas de suas canções para os acadêmicos inscritos e deixou a noite ainda mais bonita e significativa. Como desafio, os estudantes foram convidados a interpretar e escrever sobre uma das músicas do artista. O resultado foram ideias criativas e textos cheios de sensibilidade e emoção.

“A oficina de texto criativo transformou a minha perspectiva sobre produção textual. Aprendi que um contato maior com nossos sentimentos e experiências podem transformar totalmente uma narrativa. Através do contato com arte e música, pude elevar os meus conhecimentos e produzir um conteúdo muito mais pessoal”, conta a estudante de Jornalismo, Marina Pessali Favero.

Durante a semana, o Coletivo desenvolveu ainda uma oficina de produções coletivas, com objetivo de instigar os acadêmicos a trabalhar de forma conjunta e em prol de algo maior. Além de expor e compartilhar a experiência de criar projetos em grupo e unir potencialidades, o Coletivo também propôs que os estudantes desenvolvessem juntos produções de conteúdo para o filme O Caminho da Roça — um último olhar para o interior, dirigido por Daniela Farina e João Fernando Lucas em Chapecó. O pré-lançamento do longa, que mistura documentário e ficção, aconteceu na mesma semana das oficinas e contou com a assessoria do Coletivo Tereza. O objetivo, a partir da atividade, era justamente conectar ideias, projetos e pessoas.

“As duas oficinas que participei do Coletivo Tereza foram essenciais para compreender como funciona esse processo de criação do coletivo, desde a burocracia até a seleção das pautas e enquadramento das reportagens. A metodologia foi muito interessante, pois foram passadas técnicas de como produzir textos criativos, tendo como base a observação do espaço para captação de detalhes que, na maioria das vezes, não são retratados nas reportagens. E a importância também de estar de corpo e alma durante todo o processo de produção da matéria, pois isso terá reflexos positivos no resultado final. Além de outras dicas, o Coletivo Tereza nos incentivou a criar os nossos próprios coletivos, já que é uma forma de revolucionar o jornalismo e ser um bom de exemplo de prática jornalística. Foi um aprendizado imensurável, ainda mais vindo de uma iniciativa pioneira no estado de Santa Catarina”, observa o estudante de jornalismo, Darlei Luan Lottermann.