Image for post
Image for post
Tendas, um lugar inspirador para os estudantes de Design.

Tramando a Semana de Design na PUC

Como articulamos oficinas criativas em um festival colaborativo de 5 dias

Coletivo Trama
Jan 26, 2017 · 9 min read

Nesse texto falamos um pouco sobre como articulamos, mobilizamos e produzimos um festival de 17 oficinas, 2 palestras e uma intervenção urbana em 5 dias com mais de 400 inscritos, feito de forma colaborativa e transparente dentro da PUC-Rio. Um festival feito por criativos para a faculdade.

Trama é um coletivo que acredita no poder de iniciativas que mobilizem pessoas, espaços e ações, criando conexões e facilitando o surgimento de atividades colaborativas em rede. Acreditamos que iniciativas criativas e independentes tem seu valor, pois elas são os fios dessa rede que amarra todos (os) nós.

Image for post
Image for post

O convite

Sempre observamos com curiosidade o imenso potencial criativo e transformador que existe nos grupos de amigos e conhecidos ao nosso redor na faculdade. Tantos ilustradores, artistas, músicos, pesquisadores, curiosos, palhaços, designers, arquitetos, militantes e mobilizadores.

Image for post
Image for post

E se conseguíssemos colocar toda essa galera para colaborar e realizar atividades juntos? Quem sabe o que surgiria daí?

Em 2015, o Trama foi convidado para articular e produzir oficinas na Semana de Design da PUC-Rio, faltando poucas semanas para a execução. Conseguimos trazer graffiti, aquarela, zine, encadernação e horta urbana. Foi uma experiência significativa que deixou um gostinho de “quero mais”, tanto para gente, quanto para o Departamento de Artes e Design, quem nos convidou.

Image for post
Image for post

Em 2016 foi diferente, recebemos o convite com antecedência, então nos preparamos e elaboramos com calma como seria a Semana de Design de 2016. Nossa maior preocupação foi tornar esse evento um festival colaborativo, ou seja, que cada um trouxesse o que tinha para ajudar e aumentar o impacto e a importância desse acontecimento. Com o chamado para ação sendo a pergunta: “O que você quer oferecer para a Semana de Design ser um espaço de aprendizado, troca de conhecimento e de experiências?” nos organizamos e separamos em simples etapas: Planejamento, Articulação, Execução.

O que nos moveu foi a oportunidade de transformar a Semana de Design da PUC em um evento colaborativo, criativo e transformador; uma oportunidade de revelar o potencial que existe, tanto no Design, como em outros cursos da faculdade.

Image for post
Image for post
Capa do evento no Facebook

Planejamento

(Planejar, projetar e se preparar para realizar o projeto)

Nosso primeiro passo foi sentar e pensar juntos como chegaríamos até os alunos, como faríamos um comunicado que fosse relevante tanto para quem fosse participar como para quem fosse oferecer alguma oficina.

Pensamos em um propósito que fosse comum ao movimento estudantil, ao Trama e a equipe de produção da Semana de Design. Com muita conversa, ouvindo todas as parte envolvidas, dos corredores e laboratórios até a vila dos diretórios, colhemos bastante informação sobre o que poderia ser esse festival. Cabia a todos os fios da Trama pra fazer acontecer!

Image for post
Image for post
Vila dos Diretórios PUC-Rio

Entendendo o escopo do festival, o que gostaríamos de realizar e o legado que queríamos deixar, criamos um cronograma de ações que precisavam ser feitas para que conseguíssemos entregar um evento colaborativo e criativo para a nossa faculdade.

Em seguida, criamos uma identidade visual que fosse única para esse evento, uma que dialogasse com a identidade do Trama e da Semana de Design, abrindo espaço para quem fosse dar a oficina “hackear” e adaptar ao que fosse mais funcional. Queríamos algo que fosse simples e que comunicasse com clareza as informações mais importantes. Criamos uma série de layouts como base e guardamos para a hora certa de usar, na divulgação.

Image for post
Image for post
Convite aberto a criativos!

Com algumas coisas definidas, sentimos a necessidade de começar a convidar pessoas para inscreverem suas oficinas. Por isso, escolhemos alguns colaboradores (amigos que já tinham feito atividades conosco antes) e lançamos um formulário para checar se a informação estava clara para aquele grupo de criativos.

Quando recebemos o feedback positivo da galera, começamos a divulgar pesado esse formulário em grupos de: designers, ilustradores, artistas, educadores, mobilizadores, grupos de estudo sobre criatividade e em muitos outros lugares. Tenho certeza que o acesso a esses canais foi fundamental para conseguirmos oficinas tão variadas e únicas.

Articulação

(Mobilização e coodernação das oficinas)

Nesta etapa do projeto, a comunicação e a articulação foram fundamentais. Começamos a curadoria das oficinas e atividades, fomos recebendo e conversando com os oficineiros que iam chegando. Alguns curiosos e outros determinados, percebemos que foi muito importante o nosso cuidado em tirar dúvidas, explicar o processo, o conceito e os acordos que estavam sendo firmados. Queríamos todos no barco e conscientes de seus papéis e a importância no que estávamos fazendo. Agrupamos todos em um grupo de e-mails explicativos e posteriormente uma conversa conjunta via Facebook para facilitar as coisas.

Image for post
Image for post

Queríamos valorizar todos os colaboradores que aceitaram o nosso convite. Por isso, compartilhamos a responsabilidade de construir coletivamente a escala de horários disponíveis e oficineiros e de atividades propostas. Abrimos uma planilha no Excel com todos os horários disponíveis para as oficinas e pedimos que cada um preenchesse o melhor para si. Não queríamos forçar ninguém no “nosso horário”. Sempre é muito importante pra gente que as decisões sejam tomadas respeitando todas as necessidades do grupo, neste caso, de oficineiros.

A cada oficina ou palestra confirmada, enviávamos um arquivo Photoshop com um layout básico para ser preenchido com alguma imagem ou texto da escolha do oficineiro. Atuando de forma distribuída, criamos uma identidade comum entre as oficinas. Isso facilitou muito a divulgação. Atualizávamos o evento no Facebook a cada nova imagem recebida gerando “pulsos de engajamento”. Compartilhando, curtindo e reverberando o alcance do evento e dos post’s chegamos a outras faculdades, interesses e pessoas.

Image for post
Image for post

Como as oficinas eram abertas e gratuitas, não sabíamos quem viria, por isso, criamos um novo formulário para quantificar o número de pessoas interessadas nas atividades propostas. Tivemos mais de 300 inscritos, nas 17 oficinas dos 5 dias, e com esse balanço de pessoas, nos preparamos para receber uma galera MESMO.

Image for post
Image for post

Para isso, tínhamos reuniões de equipe frequentes com a Semana de Design, alinhando o que cada oficina precisava e o que a PUC poderia oferecer para complementar. Manter uma relação boa e um objetivo alinhado com seu “parceiro” são passos essenciais para ficar tranquilo e confiar que vai dar certo.

Image for post
Image for post

Caso não houvesse solução com a faculdade, acessávamos a rede em busca de: pincéis, tinta, papel, tesoura, projetor, garrafas etc.

Foi muito valioso perceber o potencial existente nas pessoas quando elas buscam ajudar, colaborar e facilitar o surgimento de novas ideias e projetos.

Execução

(organização e produção das oficinas)

Com tudo em mãos, partimos para a execução, ou seja, a realização do evento durante os dias do festival. Destacamos 2 membros da nossa equipe para que em todo início ou final de oficina pudéssemos apresentar o conceito, a proposta do que vínhamos construindo e falar um pouco sobre o Trama. Além disso, nosso desafio era cuidar do espaço, dos participantes inscritos e de eventuais problemas logísticos e financeiros.

Image for post
Image for post
Nossa linda caixa do Trama, feita pelo querido Erik Lobo.

O evento aconteceu no formato “contribuição consciente”. Nessa proposta, convidamos os participantes que contribuam de acordo com a experiência que viveram.

A partir das provocações: “Quanto vale pra você receber essa oficina de forma gratuita e aberta? Quanto vale o tempo de preparação para isso chegar até você? E adquirir esse conhecimento?”

Sem obrigações ou pressão, apenas com um convite para olhar com mais atenção a experiência vivida, conseguimos fazer o evento inteiro se pagar.

Image for post
Image for post
Todo dia anterior as oficinas, lançávamos no evento a agenda do dia seguinte. Isso facilitou com que mais pessoas pudessem chegar!

Todas as oficinas que tinham custos para acontecer foram pagas pelos próprios participantes.

Com um apoio limitado da faculdade, articulamos e tornamos um evento de uma semana em um festival colaborativo sustentável. Um evento feito de pessoas para pessoas, de forma horizontal e transparente.

Para registrar o evento, lançamos um convite para fotógrafos amadores ou não para registrarem as oficinas que tinham interesse de participar.Dessa forma, cada um trazia seu olhar, seu registro e ainda aprendia algo novo.

Image for post
Image for post
Precisa de ajuda? Confia na rede!

No final, geramos um álbum colaborativo no Google Drive que deu um enorme orgulho de tudo que aconteceu e ainda deixou essa memória acessível a quem tiver interesse em saber como foi.

Além de oferecer uma série de atividades criativas e abertas, também conseguimos dialogar com a faculdade e o Departamento de Artes & Design para que cada oficina valesse como atividade complementar, aumentando ainda mais o engajamento dos estudantes e diminuindo as horas que precisam ser feitas para estes graduarem

No geral, foi muito inspirador ver diversos amigos oferecendo xilogravura, graffiti, stencil, produtos de limpeza com base natural, troca de ideia sobre mercado freelancer, glitch art, pontilhismo, zine, encadernação, tratamento de imagem digital, videogame ao ar livre, makers, crochê bambu e led, processo criativo e uma intervenção urbana-digital.

Image for post
Image for post
Bate papo sobre mercado freelance — Zine & encadernação — Stencil e graffiti

Nosso maior aprendizado ao articular junto com essas pessoas incríveis foi confiar na rede e perceber a abundância ao nosso redor quando nos envolvemos em uma trama de relações, trocas e oportunidades.

Concluindo

O mais importante a ser falado é que para nós, foi um experimento muito inspirador. Conseguimos mobilizar amigos, colaboradores e parceiros para uma atividade que amadureceu o nosso coletivo, a nossa confiança na rede que nos apoia e com quem tramamos coisas novas.

Image for post
Image for post
Somos parte de um todo maior! Estamos interconectados.

Mostramos, mais uma vez, de que juntos somos capazes de muito mais.

Colaborando e articulando com transparência, horizontalidade e um propósito bem alinhado trouxemos diversos frutos que foram colhidos pelos participantes, oficineiros e a faculdade como um todo.

Facilitamos o surgimento de novas redes e criamos conexões e interações entre estudantes.

Image for post
Image for post
Uma ação positiva ecoa pra sempre!

O que fica para nós é o nosso legado para o movimento estudantil da PUC-Rio, estamos nos formando lá agora e esse certamente é o nosso presente para a faculdade.

É a nossa forma de agradecer por tudo que vivemos e por terem consolidado em nós a certeza de que tipo de designers queremos ser, os que investigam de modo apreciativo o mundo que nos cerca :)

Esse texto foi feito para registrar o processo de construção de algo que foi muito bom de produzir. Caso você seja um jovem (ou não) inquieto e quer fazer algo semelhante, FALA COM A GENTE. Vamos tentar te ajudar como pudermos.

Estamos cuidando cada vez mais de empoderar e catalisar pessoas transformadoras e mobilizadoras.

Agora, caso você faça parte de alguma organização, grupo, coletivo e acha que faz sentido algo assim no seu espaço, FALA COM A GENTE TAMBÉM. Estamos abertos a novas oportunidades, nossas mangas estão arregaçadas para trabalhar com garra em 2017 #mandajobs

Desde que eu entrei na PUC-Rio, no curso de Design, sempre pensei como eu poderia me envolver para realizar algum evento ou ação que mobilizasse o movimento estudantil de maneira criativa. Fui monitor de aulas, pesquisador em uma Materioteca e até representante de chapa. Todas essas experiências me ensinaram muito, mas o Trama foi o elo que juntou todas elas.

~Felipe Salazar

Redes que tramamos

Facebook : www.facebook.com/colet.trama

Grupo no FB:.bit.ly/2j0rS5s

Instagram: @coletivotrama

E-mail: contato@trama.net.br

Github: www.github.com/tramalabs

Medium : medium.com/@coletivotrama

400+ inscritos, 5 dias, 17 oficinas, 2 palestras, participantes de outros cursos e faculdades, 1 intervenção urbana #PUCSTOP e muitos sorrisos :)

Coletivo Trama

Articulação em rede para co-criar e fomentar iniciativas…

Coletivo Trama

Written by

O Trama é uma rede criativa, que busca criar conexões entre pessoas transformadoras, facilitando ações colaborativas na cidade.

Coletivo Trama

Articulação em rede para co-criar e fomentar iniciativas colaborativas.

Coletivo Trama

Written by

O Trama é uma rede criativa, que busca criar conexões entre pessoas transformadoras, facilitando ações colaborativas na cidade.

Coletivo Trama

Articulação em rede para co-criar e fomentar iniciativas colaborativas.

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store