Santa Maria: desenvolvimento e sustentabilidade

Desenvolvimento sustentável vai além dos aspectos ambientais, econômicos e da produção de riqueza.

Quando pensamos em meio ambiente, uma das primeiras palavras que nos vem é sustentabilidade. É comum empresas se declararem, assim como qualificarem de sustentáveis, produtos e atitudes. Sustentabilidade é uma, senão a grande palavra da moda quando a questão é meio ambiente. Mas será que todos os que se declaram sustentáveis, verdadeiramente o são? A sustentabilidade não está relacionada apenas a redução de impactos ambientais ou sociais. O conceito traz consigo a visão de equilíbrio, harmonia, respeito a todos os seres indistintamente, ao ambiente em que vivem, à promoção do seu crescimento e da vida. O conceito então, é mais amplo do que se imagina. E desenvolvimento sustentável? Relaciona-se com ética, transparência, diversidade, respeito ao outro e ao meio ambiente. Desenvolvimento sustentável vai além dos aspectos ambientais, econômicos e da produção de riqueza. Desenvolvimento sustentável relaciona-se com a redução das diferenças e com responsabilidade coletiva (responsabilidade com o bem estar comum, com a felicidade mútua). Esta visão não é utopia ou de um mundo de sonhos. A ausência da visão coletiva é um dos grandes entraves para o alcance da sustentabilidade. Vivemos uma sociedade egocêntrica, extremamente tolerante consigo mesma e altamente intolerante com os erros alheios. Quem acha normal passar pelas ruas jogando lixo pela janela ou no chão? No entanto, não raras vezes, aquele que censura esta atitude é o mesmo que joga a bituca do cigarro na floreira de uma loja, no canteiro da praça. Aí pode!! Quem não se sente extremamente irritado quando vai tomar banho e não sai uma gota de água do chuveiro? No entanto, não se constrange ao lavar o carro com a mangueira jorrando água como se fosse o único proprietário. A água é um bem universal (é de todos). Esta visão egoísta e desrespeitosa, muitas vezes se estende também às empresas, seja no trato indiferente ao consumidor, na qualidade dos produtos que vende, nas ofertas enganosas, no desrespeito à diversidade, na ausência de cuidados com a segurança dos colaboradores e clientes. Tenho certeza que muitos de vocês já tiveram que desviar de caminhões e carrinhos de carga que manobram nas portas principais de lojas e supermercados da cidade como se o cliente fosse um ser etéreo ou invisível. Se não desviassem seriam atropelados correndo o risco de serem considerados desatentos. Os exemplos apesar de simples e cotidianos, demonstram que ser sustentável não significa apenas gerar empregos e/ou neutralizar os aspectos negativos ambientais de uma atividade. Ser sustentável é fazer o melhor, é surpreender positivamente, é respeitar, é valorizar. Estendendo esta análise para o contexto de Santa Maria e da região, deixo uma reflexão aos leitores: estamos preparados para a sustentabilidade, seja na oferta de produtos e serviços ou no planejamento do crescimento da cidade que queremos?

Esse texto foi publicado originalmente no Diário de Santa Maria na coluna Opinião.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.