Pão da Mãe ‘Veia’

“Na minha história da cozinha eu devo a ela

A imagem é muito simples, mas cheia de amor, carinho e saudade. A minha mãe ‘veia’ envolta do fogão a lenha, cuidando das panelas, com um lenço na cabeça, sempre com lenço. Minha mãe ‘veia’ na verdade é a minha avó materna, mas ela ensinou os netos a chama-la assim.

Mãe ‘Veia’ com um dos netos no colo

Recordo-me do cheirinho do feijão que ela preparava. Nossa é de longe o melhor feijão que já comi, talvez porque nele o tempero era o amor que ela tinha em saber que estava preparando para os filhos e netos.

Mas não é só do feijão que eu me recordo com tanta clareza e carinho que até me emociono só de lembrar, também me recordo do pão de mandioca, mas esse eu não perdi tempo e aprendi a receita. Melhor do que aprender a receita com minha avó, foram os momentos em que compartilhei o preparo de uma formada de pão de mandioca, e olha que foram muitos momentos.

Pão da Mãe ‘Veia’

As lembranças vêm com mais sabores de saudade, com riquezas de detalhes. Para o preparo do pão de mandioca, minha avó e eu arrancávamos juntas os pés de mandiocas, naquela época eu tinha de 8 para 9 anos, para mim era a melhor parte do dia porque eu tinha um momento só meu e dela.

Eu gradeço demais em ter tido essa oportunidade de ter momentos com ela porque consegui conhecê-la melhor e aprender muitas coisas além de receitas, uma delas é a educação, respeito e o jeito de tratar as pessoas, esses ensinamentos ela sempre passava para mim enquanto eu ajudava-a fazer os pães. Nós éramos muito parceiras, quando eu não ia até ela para ajuda-la, ela me chamava, às vezes eu fazia de propósito porque eu gostava de saber que ela sentia a minha falta naquele momento que era tão nosso.

Hoje sou eu que sinto a maior falta dela, são 25 anos tendo ela em meu coração e nas minhas lembranças. Aprendi tantas receitas com minha mãe ‘veia’, ela foi a minha base na cozinha. A maioria de combinações de temperos eu aprendi com ela. Minha mãe ‘veia’ tinha uma horta, e, eu ali sempre do lado dela ajudando e aprendendo.

Eram tantas conversas, tantos ensinamentos, que depois que ela partiu não consegui mais fazer os pães de mandioca sem se lembrar dela. O pão já não tinha mais cara de “pão de mandioca”, então eu batizei de “pão da mãe veia”, no meu caderno de receitas é assim que está escrito.

DEPOIMENTO: Fátima Teles, 37 ano, Assistente administrativa.

Fátima Teles

ESCRITO POR: Val Rodrigues

Para ter acesso ao modo de preparo clique no link

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.