GlotPress e outras ferramentas para traduzir (n)o WordPress

Vamos lá, gurias e guris?

Participo há algum tempo da comunidade que colabora para o desenvolvimento do WordPress, traduzindo o conteúdo de plugins da plataforma e legendas para vídeos. Já fui a vários Meet-ups aqui em Curitiba, encontros presenciais em que o pessoal faz apresentações e aproveita para investir no networking. Já conheci gente, compartilhei conhecimentos e aprendi muita coisa também. A única coisa que faltava era ir ao WordCamp!

Então, quando eu soube que haveria um (quase) perto de Curitiba, resolvi matar dois coelhos com uma cuia de chimarrão só e enviei uma proposta de palestra sobre ferramentas de tradução no WordPress, que foi escolhida para o WordCamp de Porto Alegre. E como essa semana também comecei uma aula de ferramentas de auxílio para profissionais na área de tradução, achei que valia a pena escrever um artigo reunindo informações para todos que quiserem saber como funciona a tradução e a colaboração no WordPress.

O programa para traduzir o próprio WordPress (e os temas e os plugins usados para criar sites e blogs) é o GlotPress, uma CAT tool online e de acesso gratuito: basta ter um perfil no WordPress.org para entrar e começar a traduzir, clicando nos segmentos que quiser e depois no botão Add translation. Além do GlotPress, existe também uma extensão de navegador que funciona no Chrome e no Firefox, chamada GlotDict, que oferece funcionalidades extras para facilitar o trabalho, como atalhos de teclado e mais acessibilidade ao glossário.

Como é o GlotPress com o GlotDict (minha tela é um pouquinho diferente, porque sou editora, além de tradutora)

Para ajudar na tradução, existe um glossário geral do inglês ao português (e para vários outros idiomas também) disponibilizado no site do WordPress, mas cada projeto também pode ter um glossário local (acessível a partir do topo da tela do GlotPress, onde diz glossary). E também há uma ferramenta de consistência, que permite fazer buscas em outros projetos, além daquele em que você está trabalhando no momento. O GlotDict ajuda a acessar essa ferramenta de forma facilitada: com um segmento aberto, se houver um termo destacado em azul (ou seja, presente no glossário geral), basta clicar com o botão esquerdo do mouse e a ferramenta de consistência abre automaticamente (truquinho: se você apertar no termo destacado com o botão direito do mouse, o GlotDict inclui a tradução do termo no final do segmento aberto da tradução atual).

Além do GlotDict, eu também costumo usar o Xbench, outra ferramenta gratuita (até a versão 2.9), mais conhecida pelo seu uso para controle de qualidade na tradução, mas também muito útil para consulta de terminologia. Com um atalho de teclado (Ctrl+Alt+Ins) é possível consultar vários tipos de documentos simultaneamente, como glossários e dicionários, incluindo memórias de tradução (que inclusive podem ser baixadas do GlotPress e aproveitadas para consulta das traduções já aprovadas). Para aproveitar o que já está aprovado no GlotPress e baixar um arquivo para consulta de terminologia, basta filtrar os segmentos já aprovados, rolar até o final da tela e usar a opção Export > only matching the filter, no formato .po, e incluir na busca do XBench.

Dúvidas na tradução? Fale com o pessoal no Slack!

Mesmo usando todos esses recursos que mencionei, pode ser que alguma dúvida não seja resolvida. E aí, o que fazer? Basta entrar no grupo do Slack e perguntar ao pessoal do canal de tradução. Só lembrando que o canal do Slack é para a comunicação e troca de ideias da comunidade de voluntários, não para pedir ajuda com problemas relacionados ao uso e desenvolvimento do WordPress (para isso, acesse o fórum).

Existe também um grupo internacional que organiza todas as atividades relacionadas à tradução do WordPress no mundo, chamado Polyglots, que faz reuniões semanais (também no Slack, mas em outro grupo) relatando o que está acontecendo mundo afora na tradução da plataforma, além de organizar eventos como o Global WordPress Translation Day.

Traduzir o WordPress, além de ajudar a quem usa, também é uma forma conseguir experiência em tradução, fazendo um trabalho creditado publicamente e ainda ter a oportunidade de estar em contato com desenvolvedores e entender melhor o universo da localização! A gente aprende demais, tanto com os textos traduzidos, quanto com o pessoal de muita boa vontade que toca os canais: vale a pena conhecer, seja on-line ou nos Meet-ups que acontecem no mundo todo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Sheila Gomes’s story.