Você já conhece o Coletivo Identidade?

Ajudando a criar, promover e divulgar a identidade profissional de tradutores e intérpretes

O Coletivo Identidade foi criado em Curitiba, a partir dos barcamps que começamos na cidade há três anos e hoje acontecem também em mais seis cidades no Brasil e outras duas no Uruguai (e já há mobilizações para começar novos grupos). Não é um grupo formal nem oficialmente registrado, como uma associação, mas uma comunidade legitimamente representativa da vontade dos participantes de mudar nossa realidade, crescer profissionalmente e compartilhar o que aprendemos, profissionalizando cada vez mais o mercado de tradução e interpretação. Foi com essa intenção que criamos nosso Código de ética, para que todos saibam o que nos orienta e permeia nossas ações coletivas. As conversas que temos são sempre diretas e “pé-no-chão”, tratando dos assuntos que mais nos afetam no dia a dia do trabalho, na jornada da carreira e no mercado local e global.

Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro e São Bernardo do Campo

É isso que o Coletivo Identidade promove: encontros horizontais, colaborativos e democráticos de troca de experiências de trabalho por meio de discussões, debates, palestras e oficinas. Os grupos costumam organizar encontros mensais, abertos à participação de qualquer pessoa que tenha interesse em conhecer o mercado e as práticas de tradução e interpretação atuais. E de vez em quando recebemos profissionais de outras áreas, o que só enriquece as trocas.

O que esses encontros têm de tão especial? A atmosfera informal, mas profissional. O café colaborativo ou happy hour para promover o networking. O ambiente aberto, onde todos têm voz e vez. As atividades coletivas, o aprendizado. A oportunidade de conhecer as práticas de profissionais nas mais diversas fases de suas carreiras. A ocasião de rever os colegas e amigos e fazer novos. Um bom dia para sair do nosso isolamento e encontrar a “turma”, aquelas pessoas que entendem quando você fala dos percalços que só a gente passa. Já falei do café?

São Paulo, Curitiba, Montevidéu e Recife

Ainda que o nome dos encontros (barcamps) que alguns dos grupos promovem tenha sido inspirado em eventos similares promovidos em outros países, nossos encontros são para falar das situações que nós passamos em nossas próprias cidades, estados e países. Somos todos colegas — não concorrentes — que compartilham conhecimento generosamente e ajudam as novas gerações a encontrar um caminho mais seguro na profissão, exercendo e promovendo as melhores práticas profissionais, o que influencia diretamente no mercado em que trabalhamos.

Muita gente que passou pelos barcamps criou a segurança que não tinha pelo isolamento típico da profissão. Vendo e ouvindo os colegas, muitos partiram dali vendendo melhor seus serviços, apresentando suas ideias mais amplamente e crescendo profissionalmente de várias formas. Além do contato pessoal que gera a confiança necessária para indicações futuras. Muitas parcerias foram formadas, além de atividades em universidades e espaços de outras áreas que possibilitaram a divulgação das nossas profissões por quem realmente vive de traduzir e interpretar.

Os professores que participam dos barcamps aproveitam sempre que podem a oportunidade de fazer a ponte entre academia e mercado, chamando os alunos a participar dos encontros e levando os participantes mais experientes para conversar com alunos e participar de eventos acadêmicos. Também por isso tentamos, sempre que possível, fazer os encontros em instituições de ensino, para chamar os alunos a participar e ajudar nosso futuros colegas a encarar o mercado mais bem preparados.

Tudo começa no diálogo: aprendemos juntos, depois de tantos encontros, que não são entidades formais que constroem nossa identidade, e sim nossa própria autonomia e consciência de que fazemos parte de um grupo que se conhece, se apoia, crie e discute coletivamente. Não é preciso muitas pessoas para fazer muitas coisas, e todos juntos podemos até mudar nossa realidade.

Já participou? Quer participar? Sempre divulgamos o que os grupos diferentes estão promovendo, seja os relatos, contribuições de artigos e os próprios encontros, na agenda do site e na página do Facebook. E se você já participou de algum barcamp ou happy hour, fique à vontade para contar aqui nos comentários como foi!

Like what you read? Give Sheila Gomes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.