Coworking: como não trabalhar na empresa pode ajudar a empresa

I Love Pixel
Jan 18, 2018 · 4 min read
Os ambientes compartilhados estão na moda no Brasil … e não é por menos

Em 1974, o autor inglês Arthur C. Clarke — responsável pelo clássico 2001 — Uma Odisseia no Espaço — deu uma entrevista para a ABC onde falava um pouco sobre como imaginava que seria o futuro no próximo século.

Para ele, não levaria muito tempo para que os computadores (que até aquele momento eram máquinas gigantescas e pesadíssimas) se tornassem mais populares, mais leves e fossem capazes de fazer com que qualquer um pudesse trabalhar onde bem entendesse.

Como uma espécie de Nostradamus high-tech, Arthur acertou em cheio e menos de 30 anos após a sua previsão já era possível para muita gente trabalhar remotamente via internet. Algo que fez com que surgisse um novo mercado: o dos coworkings.

Arthur C. Clarke e suas previsões (acertadas) sobre o futuro

Mas será que isso de trabalhar via internet em um cowork é realmente uma boa ideia? Será que as empresas tem a ganhar com isso ou tudo não passa de modinha?

Pois são estas e outras questões que iremos responder por aqui. Confira!

A história do Coworking

O nada glamouroso primeiro coworking da história

Antes de mais nada é bom ter em mente que o conceito de trabalho compartilhado não é nada novo. Tanto que por volta do século XVII já existiam autores que falavam sobre o poder do trabalho compartilhado.

No entanto, a ideia do termo representar um grupo de pessoas com trabalhos diferentes dividindo um mesmo espaço com ajuda da tecnologia, isso sim é algo mais recente.

  • 1995 — Criado em Berlim, o C-base foi o primeiro hackerspace compartilhado do mundo, chegando, em 2002, a oferecer wi-fi grátis para quem fosse trabalhar por lá.
  • 1999 — O game designer Bernard De Koven utilizou pela primeira o termo coworking para definir um método que facilitasse o trabalho colaborativo e as reuniões de negócios de maneira coordenada apenas por computadores.
  • 2005 — No dia 09 de agosto foi aberto em San Francisco o primeiro coworking moderno (esse da foto aí de cima). Seu criador foi o programador Brad Neuberg, que tentava, com isso, gerar um ambiente mais sociável do que aquele dos trabalhos convencionais e que ao mesmo tempo fosse mais produtivo que o do home office.

Hoje em dia em praticamente todo canto do mundo você pode dar de cara com um bom coworking. Principalmente no Brasil e principalmente em Minas.

Minas Gerais e sua paixão pelo trabalho remoto

Segundo o Censo Coworking Brasil 2017, realizado pelo coworkingbrasil.org, hoje no país existem mais de 800 espaços de coworkings conhecidos, sendo que o quarto estado com maior quantidade de ambientes desse tipo é o de Minas Gerais.

Atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, Minas conta com 47 coworkings só na região de Belo Horizonte. O que faz muito sentido, já que o estado é também um dos 3 maiores do país em número de startups e de microempreendedores individuais segundo o Sebrae.

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) concentra o maior número de startups do Estado (41%), seguida do Sul de Minas (17%) e Triângulo Mineiro.

Um bom negócio para as empresas…

A Comunidade Colmeia: um dos maiores e melhores coworkings do Triângulo mineiro

Toda empresa em seu estado inicial precisa reduzir os gastos para ter mais competitividade no mercado, e aí, nesse ponto, não só as startups e os MEIS, como também pequenas e médias empresas, podem encontrar nos coworkings uma forma para enxugar seus custos.

E não é por menos:

  • Coworkings podem ser importantes para a redução de gastos com luz, seguro obrigatório do escritório, manutenção, telefonia, internet e suporte pessoal.
  • Aqui não existe aquela burocracia do aluguel de uma sala ou escritório
  • Normalmente a localização dos coworkings é bastante interessante (e prática) para quem resolve usá-los
  • Nem todo mundo consegue trabalhar isoladamente em um modelo home office, logo, o coworking pode ser uma boa pedida para manter o funcionário remoto em contato com outros profissionais
  • Muitas empresas adotam o uso do coworking para alocar equipes durante um período específico para a produção de algum projeto importante

Agora, como dissemos antes, não são só as empresas tradicionais que tendem a ganhar com os coworkings.

… e também para os freelancers

Muitos freelancers têm aderido ao aluguel de coworkings para fazer algum tipo network e até obter feedback a respeito de algum tipo de trabalho.

Como existem várias pessoas, de vários tipos de segmentos, por ali, nada melhor do que aproveitar o espaço para criar bons relacionamentos e ter uma boa visão sobre a sua real qualidade de trabalho.

Por fim, vale dizer que nós aqui da I Love Pixel adotamos o coworking como nosso principal ambiente de trabalho e acreditamos que esta pode ser uma excelente dica para você e a sua empresa também :)

comunidade-colmeia

Tecnologia, empreendedorismo e dicas para quem deseja…

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store