Para conectar os pontos, você tem que estar disposto a colocá-los no mapa.


“You can’t connect the dots looking forward; you can only connect them looking backwards. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future.” Steve Jobs.

Esse é o famoso trecho do discurso do Steve Jobs onde ele fala sobre a arte de conectar os pontos. O que quase ninguém lembra é que, primeiro, temos que criar esses pontos.

Confesso que invejo quem desde cedo sabe o que quer fazer da vida. Sou daqueles que cada hora se interessa por uma coisa e muitas vezes sinto que apenas perco tempo ao explorar cada um desses interesses.

Pode ser mesmo perda de tempo. Ou não. A questão é que não temos como saber.

O que nos fornece um mapa do mundo com os pontos que iremos conectar, é justamente essa nossa disposição pra “perder tempo”, pra estudar e aprender sobre algo que não tem um benefício direto, tangível e imediato.

Como disse Jobs, é impossível saber como um “ponto” criado hoje, vai se conectar com outro lá na frente. Você tem apenas que criá-los e confiar que eles de alguma maneira vão se conectar no futuro.

O próprio Jobs fala em seu discurso que em determinada fase, passou a frequentar aulas de cursos totalmente “irrelevantes”, como caligrafia. Irrelevantes naquele momento, pois lá frente, esse “ponto” — o curso de caligrafia — o ajudou a criar as primeiras fontes tipográficas para computadores. O resto da história você conhece.

No momento, minha vida é um gráfico disperso de pontos aleatórios que representam vários interesses. História, filosofia, literatura, escrita, tecnologia, educação, economia criativa e um maior entendimento sobre a natureza humana de forma geral, tudo isso junto e misturado.

O que procuro fazer, pensando no futuro, é buscar aprender, experimentar e compartilhar muitas coisas. Se educar, criar, documentar, conectar, contribuir e mudar.

E assim surge essa publicação:

  • Pela busca de criar mais pontos que possam vir a se conectar lá na frente.
  • Pela busca de preparar a musculatura emocional, intelectual, o modelo mental e o caráter que gere mais probabilidade e melhores condições para possíveis conexões.
  • Pela aleatoriedade de interesses e por querer compartilhar coisas que possam gerar reflexões e inspirações.
  • Pela recomendação de livros e fomento da leitura. Além de expressar e espalhar todo o meu respeito pelos livros, a maior tecnologia já inventada.

Portanto, através do fomento da leitura e recomendações de livros, reflexões sobre a rotina cotidiana e estratégias para deixá-la mais eficiente, e uma curadoria de diversos links nesse contexto, espero ajudar a fornecer alguns pontos para o meu e para o seu mapa.

Quantos mais pontos, mais chances de conexão.


Não deixe de se cadastrar na lista pra receber o conteúdo direto no seu e-mail → Conectando Pontos


Se gostou, compartilhe.

Se você conhece alguém que curtiria essa publicação, compartilhe com eles — ficarei grato.

E não esqueça de deixar aquelas claps pra me apoiar e ajudar outras pessoas acharem esse tipo de conteúdo.