Cinema pra Ler

“Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico com saudosa lembrança estas memórias póstumas”.

Assim começa a narrativa do romance “Memórias póstumas de Brás Cubas”, escrito pelo célebre Machado de Assis. No livro, o Brás Cubas morto narra as memórias do Brás vivo, expondo inclusive seus defeitos, as futilidades e privilégios da elite brasileira do século XIX. Com um mesmo tom sarcástico e crítico, no cinema a obra ganhou vida duas vezes. Em 1985 foi lançado “Brás Cubas”, com direção de Júlio Bressane e em 2001, “Memórias Póstumas”, na versão dirigida por André Klotzel. Tanto o livro, quanto as adaptações cinematográficas trazem um convite à reflexão sobre a fragilidade e mesquinhez do gênero humano.

Carla Pedrosa, coordenadora da Divisão de Comunicação do Sistema de Bibliotecas da UFMG

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.