Design Thinking e a Ritualização de Boas Práticas Educativas — lançamento

Um fascículo de coleção que virou livro independente e busca enfatizar o potencial motivador do DT para transformar atividades pedagógicas de qualidade em rituais a serem compartilhados ao longo dos tempos

Há exatamente um ano, recebi o convite de uma grande editora para escrever um fascículo sobre Design Thinking na educação que iria compor uma coleção sobre metodologias para uma aprendizagem ativa. Puxa, fiquei muito contente! Com a rotina atribulada, tantos compromissos e atuação muito voltada para a prática, normalmente sobra pouco espaço para sistematizar os aprendizados do caminho. E a iniciativa Design Thinking para Educadores ia completar 4 anos de aventuras.

Como era fim de semestre e o prazo meados de julho, decidi que o esforço valia a pena. Afinal, seria uma oportunidade ímpar para poder organizar uma escrita ainda incomum aqui no Brasil que é inter-relacionar os princípios do Design Thinking (DT) com as atuais concepções sobre educação de qualidade.

Dois livros sobre DT organizados por mim e um que acabei de comprar e adorei

Porém, quando finalizei o texto e as orientações para infográficos, soube que a editora não concordou em colocar licença Creative Commons (versão não-comercial) no meu fascículo, como eu havia solicitado logo quando aceitei o trabalho. Ainda são poucas as editoras que topam projetos mais abertos, uma delas é Cereja/Hedra, com quem fiz este livro aqui.

Infelizmente, tive que deixar o projeto e renunciar a remuneração oferecida, algo que sempre pesa em decisões como essa. Mas para mim, o mais importante naquele momento, era manter coerência com meus próprios valores de abertura na educação, que é a causa pela qual tenho me dedicado nesses anos todos.

Sempre pontuo nas formações de educadores que o DT não é metodologia nem ferramenta para a educação. Mas sim uma abordagem que inspira criar diversas metodologias e, mais do que isso, transformar boas práticas em rituais. Um ritual é sempre aberto pois pode ser adaptado por quem o realiza; é também compartilhado para ser duradouro.

Com um texto pronto na mão, comecei a buscar informações sobre como poderia publicar o livro de forma independente e sem investimento para gráfica. Nesse esforço, encontrei pessoas que me levaram ao editor digital Heinar Maracy, que foi quem me ajudou a publicar no Create Space, um sistema da Amazon em que você pode produzir sua própria publicação e disponibilizar de modo impresso ou digital sob demanda. Se ficou curioso(a) para conhecer o livro, veja aqui.

E, esta semana, curiosamente, acabei de escrever mais um artigo sobre DT na educação para uma revista de circulação gratuita de uma outra grande editora. As negociações de contrato caminharam bem, da oferta inicial para assinar “cessão total” de Direito Autoral, terminamos acordando a simples assinatura de um termo de autorização para que possam usar meu texto na publicação deles. Lançamento previsto para outubro :)