Internet segura vai além do uso responsável

O “pensar antes de postar” e a denúncia de crimes na web continuam bem pertinentes, mas ampliar o debate para questões de privacidade e proteção de dados tornou-se fundamental

Dia 9 de fevereiro será mais um Dia Mundial da Internet Segura, movimento liderado aqui no Brasil pela ONG Safernet que chama a atenção para a importância de educar para o uso responsável da web e orienta sobre como reportar crimes e violações de direitos humanos (pedofilia, racismo, intolerância religiosa, xenofobia etc). A partir de 2016, ao completar 10 anos de existência, a Safernet passa a incorporar também a questão do direito à privacidade e proteção de dados como estratégia de atuação.

Por ser uma rede distribuída, a internet está aí, eliminando cada vez mais a distância entre emissor-receptor, democratizando a produção de conteúdo informativo, conhecimento e cultura. Controlar o que as pessoas acessam ou publicam deixou de ser atributo de grandes corporações de comunicação. Será mesmo?? 
 
 Ilustro com o comentário feito pela minha filha de 11 anos, quando estávamos juntas pesquisando na web itens da lista de materiais de volta às aulas: 
 — Nossa! Mas como apareceu a foto do mesmo livro que vimos naquele outro site nesse site agora, que nem é de uma livraria? 
 
 E assim pude explicar a ela que as empresas no mundo digital têm uma tecnologia específica para rastrear nossa navegação para permitir que elas façam suas propagandas a partir do que conseguiram identificar sobre nossas preferências, ou seja, os sites que costumamos visitar. 
 — Mas isso é certo?, perguntou ela intrigada
 — Talvez, respondi. Mas a meu ver as pessoas deveriam decidir previamente se querem ou não, você não acha?

Ativismo antivigilância

Mas não é só pelo interesse comercial que os dados pessoais podem ser seguidos e observados. Há também aspectos políticos e sociais relacionados. Quem ainda não ouviu falar do Snowden, ex-colaborador da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos?

Ele denunciou todo um sistema de espionagem do governo americano no mundo, que acessava diretamente servidores de empresas como Google, Facebook, Apple, dentre outras. A história foi até retratada no documentário Citizenfour, ganhador do Oscar em 2015. Até onde pode ir a invasão de privacidade em nome da segurança nacional? Para debater esse tema, Snowden entrará por videoconferência como convidado especial do Forum Internacional de Software Livre 2016
 
 Fundado pela pesquisadora de tecnologia e direitos humanos, Joana Varon, a organização Coding Rights vem realizando oficinas sobre antivigilância e criptografia para jornalistas, além de atuar em favor da democracia na política pública brasileria, especialmente agora contra o chamado #PLEspião. Lançado em 2015 e ainda tramitando no Congresso, se aprovado, vai permitir que políticos rastreiem e punam indiscriminadamente posts de cidadãos que os critiquem nas mídias sociais, ferindo princípios do Marco Civil da Internet aprovado em 2014. 
 
 Convivência e relações humanas também estão no centro do debate sobre privacidade e proteção. Carine Roos e Vanessa Tonini, do coletivo MariaLab, acabam de fazer uma oficina na Campus Party sobre navegação anônima, abordando temas delicados como cyberbullying e pornô de vingança. O coletivo constatou que meninas e mulheres são o público mais exposto à violação de privacidade e intimidade na web. 
 
Educação e ética digital

Pensando em aproximar educadores e estudantes desse universo mais amplo relacionado à segurança na internet, o Instituto Educadigital (IED) oferece formação e oficinas específicas sobre ética digital, que visam atenuar o enorme receio que muitas escolas têm em aproveitar da melhor forma possível o potencial da internet e das mídias sociais com seus estudantes.

Também para esclarecer dúvidas sobre como disseminar na rede projetos e iniciativas realizados internamente. A grande preocupação está em não saber como lidar com direitos autorais, de imagem e navegação segura. Por meio do uso de recursos educacionais abertos, de licenças flexíveis e, claro, de muito diálogo e ações educativas no lugar da mera proibição, é possível criar maravilhas na internet, com consciência e responsabilidade.

No dia 15/02, às 19h, o IED vai organizar um hangout sobre segurança na internet com o diretor da educação da Safernet, Rodrigo Nejm, e a fundadora do Coding Rights, Joana Varon. Reserve sua agenda e participe!

Inscreva-se: 
https://goo.gl/es1qrh

Para saber mais: 
Infográfico — uso responsável das telas digitais 
Site Safernet — denúncia e orientação
InternetSegura.br 
Família conectada
Oficinas sobre ética digital 
Guia Dados Pessoais — como contribuir para o debate público 
Guia de proteção de dados pessoais
Do not track: o que a internet sabe sobe você (em inglês) 
O que é privacidade, metadados, big data (em inglês)
Projeto de Lei 215/15, o #PLEspião