Cinco vídeos com dicas pra você escrever benzão a sua história fantástica

Você vai ver temas como línguas criadas, dragões, locais, herói predestinado, RPG, criatividade, etc. Do mais básico ao mais profundo. Aí vai um pequeno compilado de bons vídeos que estão disponíveis aí pela internet.

  1. 5 clichês da literatura fantástica que você deve evitar

Eu gosto deste vídeo porque ele atende diretamente às bases da história que você pretende criar. São dicas bem pontuais, óbvias para escritores mais experientes e/ou que já pesquisaram mais sobre o processo de criação. É um vídeo rápido e bem claro.

2. Os 7 maiores clichês la literatura fantástica nacional

Esse vídeo segue, basicamente, a condução de dicas básicas do primeiro item. Um ou outro item se repete, mas é comentado sobre um ponto de vista diferente, o que é sempre válido. Embora o tom dos comentário do Gustavo soe estranho, no geral, acredito que valha muito a pena as observações dele.

3. 10 Dicas literárias — Livro de Fantasia

Esse é muito bom. Um olhar feminino sobre o mundo literário fantástico, o que, particularmente, eu acho que deveria ter mais aí pela interwebz da vida. Segue as dicas fundamentais de uma história, e foi a primeira que eu vi a citar a importância de RPGs para o pensamento criativo.

Ela dá uma dica polêmica, a 10: “Você não precisa fazer pesquisa nenhuma”. Quase surtei quando ouvi isso. Mas ela explica, então, calma. E, de fato, precisa fazer pesquisa, sim. Até pra inventar do zero.

4. Discurso de Neil Gaiman para formandos da University of the Arts

Possivelmente o vídeo mais inspirador da lista. Certamente por ser um discurso de formatura e seja de sua própria natureza inspirar e provocar. Mas mesmo assim, a mensagem sobre fracasso, sucesso, ambição e criatividade são excelentes, ainda mais vindo do Neil Gaiman. Ele ainda conta um pouco sobre sua história e revela detalhes da trajetória que muitos não conhecem.

CONFRARIA DO OESTE

Se você gostou deste texto, ajude clicando no botão Recommend.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated João Ricardo Ribeiro’s story.