O que é uma Construtech?

No meu último post vi uma reação bastante positiva e otimista das pessoas quanto a esse movimento que está ganhando força. Aos poucos a cadeia da construção também começa acreditar nos resultados que a transformação digital é capaz de gerar.

Hoje gostaria de esclarecer, o que entendo como uma Construtech e qual a visão que temos no Construtech Ventures quando pensamos em tecnologia de informação para o setor.

O ponto de partida é entender através de qual perspectiva nós olhamos para o mercado.

O conceito de cadeia de valor

Em todo segmento da economia existe uma sequência de atividades responsáveis por transformar um conjunto de entradas em uma unidade de saída, a qual vai ser entregue ao consumidor final. Na administração o nome dado a essa dinâmica é cadeia produtiva e/ou cadeia de valor. Na indústria da construção isso não seria diferente.

Cadeia produtiva é um conjunto de etapas consecutivas, ao longo das quais os diversos insumos sofrem algum tipo de transformação, até a constituição de um produto final (bem ou serviço). — FIESP

A FIESP desdobra a cadeia de valor da construção civil em quatro grandes grupos:

1. Extração: Atividade de beneficiamento primário para uso direto na construção e/ou composição na fabricação dos mais diversos itens da indústria de materiais.

2. Indústria de Materiais: Transformação de insumos minerais ou não minerais em produtos de maior valor agregado para serem empregues na atividade construtiva.

3. Comércio e Serviços: Rede de distribuição e comercialização dos produtos beneficiados para pessoas físicas ou empresas. E ainda as diversas categorias que atuam com prestação de serviços durante o ciclo de obra.

4. Construção: Atividade de incorporação e construção de empreendimentos imobiliários ou atividade de construção pesada voltada a infraestrutura urbana.

Fonte: http://www.fiesp.com.br/infografico-cadeia-da-construcao/#setor--3

Em outras palavras, estamos falando de todo o ciclo que envolve a concepção de um produto imobiliário e/ou infraestrutura que define, por sua vez, todo escopo de bens e serviços que precisarão ser produzidos e aplicados para realizar a entrega ao cliente final, podendo esse ser você, que habita um imóvel, uma empresa contratante, ou mesmo o governo.

No entanto, é comum encontrarmos interpretações dessa cadeia separando em ao menos três grandes grupos: Construção civil, imobiliário e manutenção. Mas não é o nosso caso.

Nós vemos a cadeia de forma mais ampla, e incluímos ainda a atividade de manutenção desses ativos imobiliários como o elemento final da cadeia. Afinal, uma vez que você compra e/ou habita um imóvel, você continua alimentando sua dinâmica toda vez que contrata produtos ou serviços de players do setor.

Cadeia da Construção — Construtech Ventures

Muitas das disrupções em outras indústrias foram promovidas por alguém que se permitiu enxergar um mercado de uma maneira transversal, quebrando paradigmas e estabelecendo novos padrões.

Foi assim com a Apple quando trouxe nova dinâmica para o mercado de celulares, formando uma plataforma que movimenta bilhões de dólares em aplicativos vinculados a Apple Store. Ela não se limitou a observar a cadeia de hardware e software em separado.

Na cadeia da Construção também já temos bons exemplos para citar. O que dizer da proposta da WeWork, que recentemente levantou $ 4.4bi do Softbank? Esse unicórnio vem tendo sucesso em gerar inovação desenvolvendo competências em todo o ciclo de concepção do produto, identificação de áreas, construção, locação dos espaços e ainda administração, fazendo isso investindo em eficiência com tecnologia. Um exemplo foi a aquisição de outra construtech, a FieldLens, no primeiro semestre desse ano.

Aqueles que esperam gerar inovação, devem desenvolver a capacidade de ir contra suas crenças, olhar para os fatos através de diferentes perspectivas, combinar elementos que em um primeiro momento podem parecer não fazer sentido. Quando alguém te chamar de maluco pode ser um sinal de que está no caminho certo.

O conceito de construtech

Até aqui acredito que tenha ficado claro que o prefixo CONSTRU remete ao todo. Quando mencionamos o termo, já está implícito que estamos considerando soluções que busquem gerar valor para qualquer agente da cadeia da construção.

Estamos assim, considerando aqueles que tem como público alvo: mineradoras, empreiteiras, indústria de materiais, construtoras, incorporadoras, arquitetos, engenheiros, governo, imobiliárias, ou mesmo o consumidor final que loca, compra ou administra um imóvel, seja ele residencial ou comercial.

Mas e quanto ao sufixo TECH? Significa que qualquer empresa de tecnologia se encaixa no conceito? Não somos os donos da verdade, mas nossa opinião é que não.

Acreditamos que, para gerar grandes mudanças é necessário desde o início pensar em o que é preciso para gerar impacto. Por isso, acreditamos nas startups como elemento de transformação digital no setor.

Steve Blank define startup como “…organização temporária em busca de um modelo de negócio repetível e escalável.”

Partindo desse entendimento, defendemos que uma Construtech é uma organização que resolva um problema real do setor de construção, através de um modelo de negócio escalável; e que com a mesma solução possa atingir um grande mercado, e, para isso, entenda que a tecnologia é peça chave.

Construtech: Negócio de base tecnológica que atenda problemas da cadeia de valor da construção em um modelo de negócio escalável e repetitível.

Ser um negócio de base tecnológica não significa que você é uma empresa que necessariamente comercializa um software ou um hardware. Mas sim que aplica tecnologia em favor do negócio, seja em seus próprios processos internos ou otimizando os do seu cliente.

Conclusão

Em diversos setores vimos expressões como FinTech, EdTech, InsuranceTech, AutoTech ou LegalTech representarem uma nova classe de startups de base tecnológica que estão buscando desafiar o status quo, gerando negócios inovadores e muitas tendo êxito.

Queremos ver o mesmo na cadeia da construção e acreditamos nas Construtechs como elementos de transformação digital de um dos setores mais carentes na adoção de tecnologia.

Mais do que o conceito, o importante é o resultado.

No próximo post vou falar sobre algumas das iniciativas ao redor do mundo que compartilham da mesma visão que temos aqui no Construtech Ventures.

#MakeConstructionGreatAgain

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.