03. MORTES

foto: Mayara Queiroz

Mallu.

Aqui vai uma informação importante: nem sempre fui Mallu. Nem sempre procurei coelhos, também. O fato é que a minha história existe e começa lá pelos lados da Biologia.

Se bem que a morte parecia me perseguir por onde quer que eu fosse…

Quem quiser saber mais sobre as minhas andanças, basta me seguir que eu posto tudo!

O caso dos cabritos mexeu muito comigo e acabei aproveitando pra fazer uma matéria investigativa (sim, eu adoro procurar mistério onde não tem) pra uma cadeira que eu tava fazendo no Jornalismo.

Eu lembro que na época eu tava sofrendo muito. Vai ver por isso que a paranoia tava me consumindo aos montes. Acontece que uma amiga muito próxima se afogou na lagoa, e EU SEI que ela não teve culpa nenhuma disso. Eu sei porque ela falava de vozes, de sussurros que tentavam controlar a cabeça dela. Foi aí que surgiu a ideia do zine. Eu precisava desabafar de algum jeito.

Para ter acesso à versão completa, clique aqui!

Enquanto isso, no campus, as coisas continuavam indo de mal a pior…

Os jornais sensacionalistas logo se apoderaram do assunto pra causar um grande alarde na mídia. As informações começaram a se distorcer, os boatos foram aumentando e as pessoas se esforçavam pra achar um culpado diferente a cada segundo.

Clique aqui para conferir a notícia na íntegra!

Mas será que os animais são mesmo culpados de alguma coisa? Se a gente ao menos pudesse saber o que eles pensam…

Então, como eu disse, nem sempre fui Mallu. Isso só começou depois da notícia sobre as mortes e de uma postagem que vi no facebook (mais precisamente, no “Alguém Conhece Alguém Que”). Uma tal de Olívia tava procurando um cara que “gosta de abelhas”.

Hm… Abelhas, é? Conte-me mais…

Depois disso as coisas começaram a se encaixar e fizemos um verdadeiro auê pra achar um tal de um Coelho.

Like what you read? Give Redação Para Mídias Digitais 2017.1 a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.