Cacimba dos Pombos

Às margens dos negros rios da Parangaba, surgiu um poço d’água onde se reuniam inúmeros pombos de diferentes procedências. Os pombos iam e viam, não paravam de fluir. Nas balsas e barquinhos que trafegavam nas águas voláteis e perigosas da região, mais pássaros passeavam. Os pombos tinham suas feições preocupadas e arredias. Muitas vezes, nem sabiam para onde iam, só seguiam as revoadas.

À beira do poço, um pombo enxadrista coordenava as falas dos pombos. Os outros, carregados de mazelas e pestes, se sentiam aliviados ao saciar-se com as águas da cacimba. Toda nova ave que chegava iniciava um diálogo com o pombo enxadrista, enquanto este captava das águas turvas e salobres o sumo do líquido senso-comum.

Os pombos não sabiam, mas as sórdidas penas infectavam o poço. Cada um que ali chegava, depositava de forma não deliberada o seu pior.

Entretanto o ato livra-se de seus males não os tornava melhores. O líquido senso-comum que os satisfazia, também os tornava piores, devido a sua alta capacidade de contaminação.

O pombo enxadrista, menos capacitado e mais hábil em impor-se como sábio, extraía as deficiências de cada ser que se aproximava e lhes oferecia mais do líquido levemente salgado e imundo que ele possuía.

Mal suspeitavam eles que, as águas daquela cacimba eram na verdade o que de pior se lhes extraía.

Contra Argumento

The beer wants to be free

Thanks to Iago Macedo.

A P O L O is natanael freitas

Written by

Refresco de groselha, com sabor de limão, mas parece tamarindo.

Contra Argumento

The beer wants to be free