Você não precisa aprender mais nada

Ou precisa?

Chega, pode fechar esse site. Esquece o livro. Não se inscreva naquele curso. Pós? Não. Graduação? Não. Nem vem com tutorial de YouTube ou tour inicial de aplicativo. A-CA-BOU. Contente-se com o que você já sabe. Viva com o que já está armazenado na sua cabeça. Pra que mais?

Na vida eu aprendi que, para saber se algo é importante, basta provocar sua falta. A ausência faz surgir o valor. Das pessoas, só saberemos a real importância com a morte. Das coisas, quando elas acabarem. Eu não sei como foi aí, mas aqui, só de pensar em não aprender mais nada rolou um mini pânico.

Gosto da definição da Unesco: educar é ensinar a ser. Com ela tudo faz sentido. Precisamos de novas versões de nós mesmos todos os dias. Ontem eu era estagiário, hoje sou empreendedor, amanhã pai e num futuro não muito distante, escritor. Aquilo que eu não trouxe comigo da barriga da minha mãe, vou precisar adquirir. Isso é educação, senhoras e senhores.

Só tem um problema. Aliás, três. (1) Aprender tudo que precisamos, (2) num formato que não escolhemos, (3) no pouco tempo que temos disponível. Sendo o formato, o pior deles e o mais fácil de resolver.

Sabe quais são as melhores formas de aprender algo? Ensinar ou executar o que deseja aprender. E as piores, ou menos eficientes? Ler e ouvir. Quem diz isso é o educador norteamericano Edgar Dale em seu famoso “Cone de Experiência”. Quem concorda com ele são educadores, psicólogos, neurocientistas, eu e provavelmente você.

Se não concorda, faz o teste. Experimente se preparar para ensinar a alguém o que você quer aprender. Ou então, crie um projeto e comece a executá-lo. As dúvidas certamente virão, e com elas o aprendizado.

Espera aí. A ideia é não fazer mais curso, pós-graduação, etc? Eu não disse isso. Apenas acredito que a educação deve se parecer mais com um mapa e menos com um check-list.

Você é o dono do seu destino e constrói seu caminho. Não tem um próximo item esperando pra ser marcado. Tem seus próprios passos, um depois do outro, na velocidade e direção que você quiser imprimir.

A melhor escola, caríssimo leitor, é a vida. E para não deixar o peso dessa conclusão na minha conta, prefiro terminar com um dos maiores educadores de todos os tempos, Johann Heinrich Pestalozzi.

“A vida educa. Mas a vida que educa não é uma questão de palavras, e sim de ação. É atividade”.

*Esse texto foi originalmente publicado como introdução de um estudo sobre educação realizado pelo Atualize.me