Propósitos…

Eis aqui, talvez o que os faça entender tudo o que faço e o porquê do que faço.

Estive pensando sobre os meus propósitos de vida. Sobre o porquê das minhas atitudes.

Descobri que não tenho objetivos grandiosos de futuro. Não pretendo mudar o mundo, não pretendo ser o cara mais inteligente do meu tempo, não pretendo estar casado aos 30 e ter uma previdência privada repleta aos 50…não sonho com encontrar o amor da minha vida…culpem Göethe por isso.

Mas eu pretendo ter histórias pra contar, pretendo ter com quem e para quem contar. Faz sentido pra você?
Hear me now — Alok | Le Partisan — Leonard Cohen | Berlin — RY X | Oceans — Seafret

Não tive tempo, ainda, de ponderar a ponto de descobrir se é um boa coisa a se desejar.

Talvez não seja…afinal, eu dependo de outras pessoas pra isso. Talvez seja porque, bom…eu não estou fazendo mal a ninguém, certo?

Enfim…a ideia é essa. Eu vivo pra poder dividir histórias…eu acordo todos os dias pra ir dormir pensando que o dia foi memorável.

Eu vivo pra encontrar abraços e amizades que valham a pena.

Eu vivo pra algum dia poder olhar com saudade para o dias que vivo e para as pessoas que conheço. Eu vivo pra ter essas pessoas.

Eu vivo pelo “Ei, lembra aquele dia que…”.

Eu vivo pelo “Eu sei que posso contar contigo”, eu vivo pelo “Ei, pode contar comigo, blz?”.

Talvez eu esteja errado em precisar de outras pessoas…talvez o certo seja me trancar no meu castelo e viver pra ler, me entender, e quem sabe, ter um post mortem publicado. Mas sei la…não consigo deixar de pensar que as pessoas e as histórias valem realmente a pena.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.