Coisas vistas, lidas e ouvidas em 2016

Pedro Turambar
Jan 4, 2017 · 5 min read

No início desse ano que termina hoje, eu me dei uma missão: listar tudo que eu consumisse, em relação a cultura e entretenimento, durante 366 dias. Foi difícil e eu com toda certeza não anotei tudo. Traço da minha personalidade, talvez, que não consegue manter nenhuma rotina por muito tempo. Vou ignorar, porém, as abstenções e focar no que está, de fato, na lista.

Sistema de notas

Como eu, obviamente, não vou fazer um review de cada item, criei um sistema de notas que é facilmente entendido. Meu padrão é uma simples escala de 1 a 5, sendo 1 uma bosta e 5 ótimo. Além disso, coloquei mais duas notas especiais. 5/7 que é um meme e uma história engraçadíssima, são coisas realmente muito muito boas, obras que me surpreenderam e me ensinaram alguma coisa além de apenas me entreter.

19 é a nota infinita. Se alguma coisa tem um 19 na frente, é porque eu amo, muito. Não é necessariamente bom, mas mexe comigo num nível pessoal, a ponto de eu não conseguir separar meu coração da minha cabeça.

Obs.: Vou falar de uma obra de cada categoria apenas, alguma coisa que saltou aos olhos.

Filmes

Star Wars: O Despertar da Força . 19

Joy . 3

Steve Jobs . 5

Creed . 5/7

Indie Game: The Movie Special Edition . 5/7

A Grande Aposta . 5/7

Spotlight . 19

Straight Outta Compton . 19

Trumbo . 5

The Hateful Eight . 5/7

O Quarto de Jack . 5

AMY . 5

Batman v Superman . 2

Batman v Superman: Ultimate Edition . 4

Capitão América: Guerra Civil . 4

John Wick . 5

Sushi (Jiro) (documentário) . 4

Deadpool . 5/7

Warcraft . 4

Memento . 19

Sicario . 19

Hellboy . 5

Esquadrão Suicida . 1

Interstellar . 5

Arrival . 19

Animais Fantásticos e Onde Habitam . 5

Rogue One . 5

Procurando Dory . 3

Zootopia . 4

Doctor Strange . 4

Star Trekk Beyond . 3

X-Men Apocalypse . 3

Ghostbusters . 3

Homem de Ferro 3 . 3

Rogue One — A Star Wars Story . 19

Começando e fechando o ano com Star Wars. Ao todo, 35 filmes. Pouco? Eu acho. Dá pra assistir, pelo menos, dois filmes por semana, entre cinema, Netflix, locadora do Paulo Coelho, Youtube e TV, o que daria, no total, 104 filmes. Outro problema, a lista é quase toda de blockbuster. Não tem nada fora desse círculo, o que já cria um objetivo para 2017:

Assistir mais filmes e mais filmes fora de Hollywood.

Dentre esses que assisti, pra mim, o melhor do ano é Spotlight. Como ele foi lançado em 2015, vou de Arrival. No coração, fica Rogue One mesmo. O exemplo negativo fica por conta de Esquadrão Suicida. Que filme desnecessário, que coisa horrenda.

Séries

How I Met Your Mother . 5

Black Mirror . 5/7

Sense8* . 3

Making A Murder* . 2

Cooked . 5

House of Cards S04 . 5/7

Demolidor S02 . 5/7

The Ranch* . 2

That 70’s Show . 4

Game of Thrones* 6a (último ep) . 5

Vikings . 4

Shokugeki no Souma . 5

Stranger Things . 19

Westworld . 19

23 de Novembro* . 3

The Walking Dead* . 5

Luke Cage* . 3

Série é uma coisa difícil de encaixar nas mil coisas que temos que fazer todos os dias. Essas aqui não tenho muito o que dizer na questão de quantidade. Apesar de estarem 17 aí, as com asteriscos eu vi apenas um episódio ou poucos e não terminei nem uma temporada.How I Met Your Mother eu reassinai e escrevi um graaaande compendium que será lançado num futuro próximo. Do absoluto longe, a melhor série do ano é Westworld. Em todos, todos os aspectos. Mal posso esperar pelo que eles vão trazer nas próximas temporadas. Segura o hype!

Destaque negativo, Walking Dead, que continua sendo uma série com dois episódios incríveis por temporada. Um desperdício. Luke Cage também foi bem decepcionante.

Hamilton

Hamilton (Original Broadway Cast Album) . Sem nota

Mixtape . 19

Bootleg . 19

Essa categoria era para chamar “Música”. Porém, eu praticamente não anotei coisas novas que eu escutei em 2016. Apesar de ter descoberto o Rap e o Hip Hop, o que inclusive me ligou mais rápido e fácil à Hamilton. Digo, sem pestanejar por um segundo sequer, que é a melhor obra de arte que eu já tive contato na minha vida.

Se eu ficasse perdido em uma ilha e pudesse ter apenas uma coisa comigo, isso seria o cast album de Hamilton.

Nada me tocou profundamente como a obra prima de Lin Manuel Miranda. Se você não sabe do que se trata, vá procurar. Eu garanto a você que você não vai se surpreender.

Livros

Os Filhos de Húrin . 19

O Silmarillion . 19

Zona Morta . 5

Warcraft — Ruptura . 5

Warcraft — Marés da Guerra . 5

Warcraft — Crimes de Guerra . 5/7

Como Ler Como Um Escritor* . 3

23 de Novembro . 5

HQ’s

Achados & Perdidos . 5/7

É assustador, aterrador e até patético para alguém que se diz escritor ler 8 livros em um ano. Sendo quatro releituras, um ainda não terminado e três livros de autor contratado para contar histórias sobre o universo de um jogo. Não é só pouco. É sintomático.

É algo tão essencial na minha vida como cuidar da saúde. Não honrei o rosto do meu pai.

Dito isso, esses livros de Warcraft são realmente muito bons. Principalmente Crimes de Guerra, uma baita história de julgamento com tudo que o gênero tem direito. Foi fantástico revisitar esse universo que eu gosto tanto. Fica a menção também, da única HQ que li esse ano (e foi linda de ler). Achados e Perdidos é obrigatória.

Jogos

WoW . 5/7

1010 . 4

FIFA 16 . 5

XCOM . 5

Hotline: Miami II . 4

Dark Souls II . 3

The Witcher 3* . 5

The Last of Us* . 5

Fifa 17 . 5/7

Stardew Valley . 5

Hitman GO . 5

Gone Home . 3

Abe’s Oddyssee Remaster . 5

Broforce . 4

Bloodborne . 4

Journey . 19

Passei o ano de 2016 basicamente jogando Wow. Joguei as últimas semanas da esquecível expansão de Warlords of Draenor e toda a preparação e o início de Legion, que revitalizou e melhorou demais a experiência de jogar Wow. Porém, não encosto no jogo desde que FINALMENTE entrei na nova geração de consoles (ou já seria antiga?) com meu novíssimo PS4 — presente de natal para mim mesmo.

Desde então meu tempo tem sido tomado basicamente com Fifa. PORÉM, pude experimentar Witcher 3 e entender porque é dito como um dos melhores de todos os tempos. Nunca vi, nem de perto, um jogo tão vasto ser tão bem escrito assim. PQP. Talvez ficasse com o meu preferido do ano, se eu não tivesse, enfim, experimentado e vivido Journey.

Journey não é só um jogo. É um aprendizado, sobre a vida, sobre a gente mesmo, sobre o universo e sobre a morte. E de como ela é só um ponto fixo, nada além disso.

A jornada, e quem faz parte dela, é tudo que importa de verdade.

Então, só posso terminar esse texto com um desejo de um ótimo ano e que seus encontros e desencontros sejam incríveis. :)

Crônicas do Cotidiano

As loucuras da vida em sociedade.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store