Tudo Aquilo Que Não Pode Ser Dito

Estamos os dois no topo de um arranha céu, cercados por uma selva de pedra, o vento frio do inverno marca seu território entre nós. Dei a ela o meu sobretudo preto favorito para protege-la do frio, na esperança de que todo aquele seu perfume ficasse nele. Sentei-me ao seu lado no chão duro e frio naquela noite, rezei aos céus para que estrelas surgissem de forma infinita por todo aquele manto negro que nos cobria, e de alguma forma tive minhas preces atendidas. Abracei-a. Como nunca havia abraçado alguém antes. Meus braços a envolviam completamente, sentia como se eu tivesse criado um campo de força que pudesse proteger-nos de tudo de ruim que pudesse acontecer no mundo. Era utópico. Afundei minha face em seu cabelo negro e macio, sentindo a fragrância que ele tinha, jurando para Deus e o mundo que jamais esqueceria aquele momento. Sentia seu nariz gelado pressionando de forma delicada em meu pescoço. Não lhe disse nada. Não ousaria. Palavras ditas. Dano causado.

A eternidade não seria suficiente para satisfazer minha vontade de tê-la comigo. Imaginei seus lindos olhos castanhos a me olhar. Sentia meu peito aquecer ao pensar em tudo aquilo. Como eu a desejava. Pintaria mil quadros sobre aquela noite, faria milhões de poemas, escreveria bilhões de livros.

Se ao menos metade dessa quantidade fosse capaz de fazê-la ficar.

Queria dizer o quanto a achava bonita. O quanto era linda. O quanto a palavra beleza não era capaz de lhe fazer justiça. Queria dizer que seu beijo estava entre o mais perfeito ato. Que seus olhos eram capazes de me chamar mesmo a quilômetros de distancia. Que queria entrelaçar meus dedos nos dela. Que eu a abraçaria por quantos anos a vida nos permitisse. Que eu a teria por toda a nossa, e breve, passagem pela terra.

Mas não disse.

Não importa o quanto você se agarre àquela ideia de que ainda há formas de fazerem as coisas darem certo. Pessoas se quebram. E não há forma de reparar um elo quebrado entre duas pessoas que supostamente se amem, não importa quão grande seja o seu amor por ela. Algumas coisas, eu aprendi, não eram para ser ditas. Ou muito menos sentidas.

Não havia nada que eu pudesse dizer a ela, que ela já não soubesse.

A palavra quando dita, causa danos que jamais serão reparados.

Mais profundo que qualquer cicatriz.

Mais doloroso do que qualquer dor física que já existiu neste minusculo mundo.

Tudo aquilo que não pode ser dito, será dito no mais curto olhar trocado.

No mais breve abraço.

No mais longo beijo.

E jamais esquecido.

Hoje eu não quero falar de amor, hoje eu não quero falar de você.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated João Padilha’s story.