Pedro Emanuel Maia
Jul 25, 2017 · 2 min read
Divulgação: Globo Filmes

Não consigo fugir do questionamento: quando foi que tudo acabou? Penso e repenso em todos os “eu te amo” que me disse para tentar definir o dia, a hora, o segundo em que eles passaram a ser apenas uma frase de efeito cômoda, repetida totalmente desprovida de sentido.

Também não vou dizer que foi surpresa. Não foi. Se o pior cego é o que não quer ver, o pior amante é aquele que não percebe que a reciprocidade já se esvaiu pelo ralo e, mais triste ainda, se contenta com isso. Por semanas eu soube que o toque não era o mesmo, que o beijo era mecânico e que nossos corpos já não dançavam na mesma sintonia. Mas como um náufrago, que luta para prender a respiração mesmo que saiba que a escuridão do mar está prestes a engolir sua vida, eu fiquei. Insisti no toque, me entreguei no beijo e dancei conforme a cadência do seu samba, enquanto meu pop empoeirava na prateleira, ao lado do meu amor próprio.

Mas a pergunta fica, martela, tortura. Alimento em mim uma necessidade autoflagelada de encontrar o erro, o glitch, o turning point: o momento em que seu amor virou fachada e eu, cego e surdo, não notei. Não é arrependimento. Não é ciúme. Cá entre nós, a verdade é que dói num ego leonino — admitidamente inflado — saber que o que eu enxergava como raro, único e especial foi tão rapidamente substituído e deixado para trás. Que aquilo que eu vi como sólido, como eterno, foi — do seu lado — tão efêmero que passou voando na primeira rajada de vento sobre a lagoa ensolarada.

Não era pra ser. Em algum momento, fomos de “sonhei que estava exatamente aqui” para “we’re not forever, you’re not the one” e a raiva que sinto é toda de mim mesmo— por ter deixado passar. Sei que não há razão nessa fixação por uma data — tampouco há razão no amor. Meu apego em um marco no calendário é vão, fútil, desnecessário e assustadoramente humano. Preciso de uma hora da morte, uma causa mortis, algo que me permita sepultar em paz esse sentimento que jaz na pedra dura há meses: nosso Quincas Berro D’água, com o qual insistimos em passear por aí, frio, falso, cadavérico, até que o mar o levou de vez para sua segunda — e definitiva — morte. Que descanse em paz.

Este texto foi escrito ao som de Hard Feelings/Loveless — Lorde.

CRÔNICAS

Crônicas para instigar. Contos para envolver. Ficção para entreter.

Pedro Emanuel Maia

Written by

Publicitário, 25. Escrevo quando sofro, quando amo, quando choro e quando rio. Tem dias que faço os quatro, e aí escrevo também.

CRÔNICAS

CRÔNICAS

Crônicas para instigar. Contos para envolver. Ficção para entreter.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade