Mas afinal, o que são Startups?

O mundo do empreendedorismo tem ganhado cada vez mais destaque e visibilidade, seja por meio de profissionais que inspiram outras pessoas com suas histórias ou por ideias inovadoras que se tornaram grandes casos de sucesso. Nesse contexto, as startups têm atraído a atenção de diversos públicos e se tornado uma opção para a concretização de ideias e do sonho de ter o próprio negócio.

Mas afinal, o que são startups?

O termo “startup” começou a ser utilizado entre os anos de 1996 e 2001, em especial nos Estados Unidos, durante a crise causada por uma forte alta das ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação baseadas na Internet. Entretanto, desde então, a palavra tem gerado espaço para discussão e interpretação do seu significado real.

Se fizermos uma rápida pesquisa na Internet, encontraremos diversas definições para essa palavra, por exemplo: o portal StarteSe define startup como: “um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, normalmente apresentado em um cenário de incertezas e questões”. Já o Sebrae MG defende que o termo diz respeito a “uma empresa nova, até mesmo embrionária ou ainda em fase de constituição, que conta com projetos promissores, ligados à pesquisa, investigação e desenvolvimento de ideias inovadoras”.

Pensando nessas definições e buscando entender um pouco mais sobre o termo e a importância das startups no ecossistema de inovação, a equipe do Nexu conversou com o Rafael Silva, Coordenador do Programa Biostartup Lab— programa de pré-aceleração especializado em startups da área de Ciências da Vida, e com a Priscila Souza, da EcoLeather — startup participante do mesmo programa e oriunda de pesquisas realizadas no Departamento de Química da UFMG, que oferece uma tecnologia para tratamento de um resíduo tóxico produzido por indústrias do couro. Confira abaixo o que ambas disseram sobre o assunto.

Rafael Silva, coordenador do BioStartup Lab, dá as boas vindas às startups selecionadas para a 2ª rodada do programa — entre elas, a EcoLeather, que oferece o reaproveitamento de resíduos de alta toxicidade oriundos de curtumes para obtenção de produtos com alto valor agregado. Foto: Facebook

Para você, o que é uma Startup?

Rafael Silva: É um grupo de pessoas que busca um modelo de negócio lógico para apresentar uma nova solução (produto e serviço) que resolva problemas ou desafios reais da sociedade. Por trabalhar com aquilo que é novo, geralmente, este grupo de pessoas precisa lidar com situações de grande incerteza.

A partir desta descrição, o termo ‘startup’ se torna mais tangível e próximo da condição de diferentes grupos que estão se organizando para inovar. Além disso, ele não está atrelado a aspectos limitantes como a questão da formalização ou não deste grupo por meio da constituição de uma empresa.

Priscila Souza: Startup é uma empresa nascente que está em desenvolvimento e ainda não se consolidou. Ela busca um modelo de negócios lógico e seu nicho de mercado. Em geral, as startups têm como característica modelos inovadores ou ideias novas em busca de consolidação.

Na sua opinião, qual é a importância das startups hoje para o mercado e para a sociedade?

Priscila Souza: As startups vêm trazendo soluções inovadoras de maneira rápida para problemas de diferentes áreas. Ela pode trazer para a sociedade produtos ou serviços inovadores diversificando o mercado além de benefícios ambientais e sociais.

Rafael Silva: Atualmente, as startups têm sido alternativa importante para que novas tecnologias e novas soluções cheguem ao alcance de quem precisa em um ritmo mais acelerado se comparado ao ritmo em que isso acontece nos processos mais tradicionais de inovação. Como as startups apresentam estas soluções na forma de produtos e serviços, elas colaboram para que os mercados se renovem ao desestabilizar o ciclo de vida de soluções já existentes e, por isso, tornam a economia mais dinâmica.

Da mesma maneira, elas provocam uma mudança no paradigma atual da inovação, abrindo novas possibilidades para a interação entre ciência-sociedade, universidade-empresa, entre novos empreendedores e grandes e corporações para citar alguns exemplos. Ao mesmo tempo, elas são resultados de um ‘movimento aberto’ que empodera pessoas, suas ideias e seus projetos de modo a aumentar o potencial de contribuição para uma sociedade melhor.

Existem definições distintas para “Startup” e o termo estará sempre em constante adaptação. De acordo com Rafael Silva, “é importante observar também as variações do termo que começam a se tornar importantes na medida em que o movimento e o ecossistema de startups amadurece”, pois apesar de o empreendedorismo e essa palavra serem assuntos relativamente recentes, é certo que as Startups vieram para ficar e para se tornarem cada vez mais presentes e concretas no mercado.