O feedback como ferramenta para o desenvolvimento profissional

Ei! Vamos conversar?

Em alguns contextos essas palavras não representam nada negativo, mas quando elas vêm de um líder ou gerente, podem ser assustadoras. Erroneamente aprendemos que quando o nosso chefe quer conversar é porque fizemos algo errado e vamos ser criticados. Mas por quê? Por que uma pergunta tão simples é carregada de medos e preocupações?

Aqui na ContaAzul, acreditamos que o feedback é uma ótima forma de desenvolvimento mútuo: de líder para liderado, de liderado para líder, entre pares, enfim! A ideia é que possamos contar uns com os outros e que, de alguma forma, todos estejam comprometidos com o crescimento de todos. Não somente nós: uma pesquisa apontada no livro Thanks for the feedback: The Science and Art of Receiving Feedback dos autores Douglas Stone e Sheila Heen mostra que profissionais que buscam por feedbacks são percebidos como mais competentes, se adaptam mais rapidamente em novos desafios e desempenham melhor que a média.

Em função disso, acreditamos que nosso time de líderes precisa ser muito bom na arte de dar e receber feedbacks. Celino Araújo, Gerente de Engenharia de Software aqui da ContaAzul percebe o feedback como uma ferramenta importante para o desenvolvimento profissional e vai além: acredita ser uma ótima forma de resolver problemas. Ele comenta que muitos de seus liderados o procuram em busca de feedback não só quando sentem a necessidade de saber se estão indo bem ou não, mas quando precisam resolver algum problema específico dentro do time ou dentro de suas projeções de carreira.

Ele pontua ainda que em todo e qualquer feedback a comunicação precisa ser clara e transparente. “Não sinto dificuldade em falar com o profissional, normalmente sou bem transparente e prático, isso leva o profissional a aceitar bem o feedback e ao mesmo tempo o motiva a procurar soluções”, ele compartilha.

Feedback de fato é prática — e você nem precisa ser um líder para praticar, uma vez que pode olhar para o lado e procurar ajudar o seu par, tanto reconhecendo o que ele faz bem, quanto ajudando a entender o que ele pode fazer melhor.

Pra finalizar, compartilhamos três dicas para dar e receber feedback que incentivamos por aqui.

Dando um feedback:

  • Seja claro e transparente — comunicação é o centro da questão;
  • Complemente seu discurso com exemplos e evidências;
  • Dê a possibilidade de recuperação — em caso de feedback negativo;
  • Escolha um momento e local adequados, para que a conversa ocorra sem interrupções;
  • Feedbacks positivos podem ser dados em público que é uma forma super legal de reconhecimento. Já os negativos, o certo é em particular para não ter exposição desnecessária.

Recebendo o feedback:

  • Não se justifique;
  • Ouça com atenção, reflita, faça correlações com o seu dia a dia e peça exemplos;
  • Feedback é um presente, você aceita se quiser, mas lembre-se: essa é a forma como alguém percebeu você.

Agora chegou sua vez: quais são as boas práticas de feedback que você tem posto em prática? Compartilhe com a gente! Vamos adorar conhecer. :)