Você sente culpa quando erra? Então este texto é para você

Danilo Ferreira
Dec 7, 2020 · 4 min read
Image for post
Image for post

há algum tempo venho querendo escrever sobre a importância de errar. Sei que parece um tema muito clichê, mas acredito que clichês como esse são verdadeiros e pode ter boas reflexões.

Que errar é humano todo mundo está cansado de saber. Sabemos, é claro, mas transformar a teoria em prática não parece tão fácil. Me chama muito a atenção como queremos evitar o erro ou buscar a perfeição. Parece que errar, em toda e qualquer situação, é um bicho de sete cabeças.

É compreensível. Você, assim como eu, naturalmente não acorda todos os dias pronto para encarar os erros de uma maneira positiva. Pelo contrário: na maioria das vezes, errar nos deixa chateados com nós mesmos. Sentimos culpa e nos sentimos idiotas, mesmo pela mínima das falhas.

Mas por que continuamos fazendo isso se ninguém aprende sem errar? A falha é parte do processo de aprendizagem e para se chegar ao sucesso. Não existe sucesso sem falha.

Uma teoria é que somos educados para acertar.

Aposto que a pessoa responsável por você não gostava quando você tirava notas ruins na escola. Provavelmente você era repreendido por ir mal nas provas. E embora eu também não queira que meu filho tire notas ruins, tenho que reconhecer que precisamos valorizar mais o processo de aprendizagem a partir dos erros e não a partir de um número. Afinal, os erros vão acontecer de qualquer forma. O que muda é a maneira madura ou infantil em como lidarmos com isso.

Essa aversão e o medo do fracasso constantemente nos impede de ver o erro como a grande oportunidade que ele é. Isso significa que devemos estar aptos para deixar que as crianças errem, claro. Porém, esse assunto se aplica a diversos aspectos da nossa vida, principalmente ao trabalho.

Devemos nos esforçar em entender o que é “errar mais” e se errar, qual é o impacto? é algo contornável? Porque essa é a maneira mais efetiva de aprender alguma coisa, mesmo que outros materiais de auxílio estejam lá para nos ajudar. Para mim, o mais importante é reconhecer a grande diferença entre assumir riscos calculados e falhar por pura displicência.

Por exemplo, é muito difícil que alguém acerte de primeira uma receita que nunca fez antes. As informações estão ali — quantas xícaras de açúcar e quantas colheres de sal precisam ser usadas -, mas o método vai se aperfeiçoando a cada receita.

Apesar décadas de metodologia ágil nos mostrando que as coisas não saem exatamente como planejado mas que podemos aprender com os pequenos erros e reajustar o planejamento, continuamos nessa busca irreal pela perfeição, pelo exato.

A grande verdade é que as coisas não vão sair como o planejado. Como vamos monitorar os pequenos desvios (falhas) e como vamos re-adequar o nosso planejamento para absorver isso é onde mora a oportunidade.

Dito isso, quero levar você para outra reflexão.

No mundo dinâmico em que vivemos, como podemos nos sentir menos culpados por errar?

Você provavelmente já sabe a resposta: praticando.

Pense no mundo das startups e nos processos intensos de transformação digital pelo qual as empresas estão passando hoje em dia. Nesses novos modelos de negócio, decisões precisam ser tomadas num ritmo cada vez mais rápido, e isso envolve tomar as decisões erradas para, depois, entender quais são as decisões certas.

O segredo é errar, mas errar rápido. O erro sozinho não significa nada se alguém não criar algo novo a partir dele. A ação é crucial. Nenhuma coisa é “disruptiva” sem erro, porque coisas nunca feitas antes não têm uma receita mágica e nem estão imunes ao fracasso.

Novamente, é preciso não misturar errar por displicência com errar com riscos calculados, alinhados com os impactados, com consequências mapeadas e planos de contorno comunicados.

É verdade que fracassar é ruim, mas pode ser muito mais do que uma experiência ruim. Pode ser o começo de algo novo e melhor.

Está na hora de pararmos de ficar tão constrangidos quando erramos. Sei que falar é mais fácil do que fazer, mas tente só por uma vez enxergar o erro como parte natural do processo. Depois, tente mais uma vez. E, quando aceitar que o erro é inevitável, talvez você passe a vê-lo como um estimulante para impulsionar novas ideias e ações.

Naturalizar o erro é bom por outros motivos também, porque diminui o sentimento de que você não está fazendo o suficiente e que deve se envergonhar por algo não ter funcionado da maneira como deveria. Sem falar que, quando você espera o erro, fica mais fácil e rápido superá-lo e reagir a ele.

E você? Como supera a culpa os erros? Compartilhe nos comentários e vamos debater!

Danilo Ferreira

Blog sobre Danilo Ferreira

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store