A Última Serenata

Relatório trimestral (e final) da Operação Serenata de Amor

Dia 7 de Setembro de 2016. No dia que comemoramos a independência do Brasil, a Operação Serenata de Amor foi apresentada ao mundo. Data oportuna para o que almejávamos fazer: unir controle social com tecnologia, levando ciência de dados e inteligência artificial para águas ainda não exploradas.

Esse post é o nosso último relatório regular da Operação Serenata de Amor, e queremos usar esse espaço para contar para você tudo o que conseguimos até aqui.

Exatamente hoje finalizamos um ciclo iniciado nesse 7 de Setembro, onde mostramos ao mundo a campanha de financiamento coletivo da nossa independência: uma maneira de mostrar que podemos ter impacto sim aqui de fora do governo.

“Muitas iniciativas de ‘ciência de dados cidadã’ morrem em pouco tempo ou sequer chegam a sair do papel. Já a #OperaçãoSerenataDeAmor conseguiu reunir um pessoal sério e comprometido, com disposição e capacidade para dar continuidade ao projeto, e os resultados obtidos até agora são encorajadores.” — Thiago Marzagão, Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União

O INÍCIO

O nascimento da Serenata não tem um motivo só. Como o tamanho do ideal que carrega, foi um grande aglomerado de fatos que se somaram para que o projeto acontecesse.

Nosso país passava por um momento político extremamente turbulento, onde a regra era reclamar. “Políticos roubam, o governo está quebrado, não existe luz no fim do túnel”. Estávamos cansados disso.

Usamos o projeto como bandeira para mostrar o outro lado da moeda. A Serenata foi feita pelo resto de nós, que não queria apenas deixar sua reclamação registrada no quadro quilométrico já ocupado pela maior parte do povo.

Nunca pregamos uma caça às bruxas. Viemos mostrar que é possível ter um impacto aqui de fora, sem apontar dedos ou usar dos resultados que obtivemos para criar mais reclamações. A Serenata significa mudança para os cidadãos, feita por cidadãos.

Mas e para fazer isso acontecer? Sabíamos que poderíamos contar com a ajuda de quem mais ganharia com tudo isso: vocês — por isso optamos por uma campanha de financiamento coletivo.

A Serenata já nasceu diferente. Entendíamos de pessoas e de tecnologia. A soma dessas habilidades nos permitiu fazer o projeto de financiamento coletivo bem sucedido de maior valor em tecnologia do Brasil.

Mesmo em um país sem tradição em investir em ciência e tecnologia, chegamos lá graças a 1.296 pessoas incríveis que apostaram na nossa ideia de um governo supervisionado por robôs. Foram R$ 61.280,00 pedidos e R$ 80.424,00 arrecadados. Queríamos dinheiro para trabalharmos por dois meses, conseguimos três.

O QUE FOI A OPERAÇÃO SERENATA DE AMOR

Segundo a Federação de Indústrias do Estado de São Paulo, são R$ 69 bilhões por ano desviados irregularmente no Brasil. Segundo o coordenador da Lava Jato, são R$ 200 bilhões. Isso é seu dinheiro sendo desperdiçado — e queremos acabar com essa farra.

Você sabia que todo parlamentar brasileiro, além de salário e diversos benefícios como auxílio-moradia, recebe um valor de até R$ 45 mil por mês para usar com despesas pessoais, teoricamente, para auxiliar o seu trabalho?

Por lei, esse dinheiro fica disponível para ser usado pelo político e seu gabinete em tudo que não precisa de uma licitação, como por exemplo, um almoço ou uma corrida de táxi. Somente no ano passado, em média, cada deputado gastou R$ 266 mil. Isso, somado, dá mais de R$ 213 milhões desde 2009. Mais de R$ 213 milhões do nosso dinheiro.

Essa verba se chama Cota Para Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP), e seus gastos são dados públicos por lei.

A Operação Serenata de Amor criou Robôs capazes de varrer os dados do governo, aprendendo e identificando o que é um gasto legítimo ou suspeito por qualquer motivo. Com uma provável irregularidade encontrada, formalizamos denúncias à Câmara dos Deputados, pedindo a devolução do dinheiro usado indevidamente aos cofres públicos.

NOSSOS RESULTADOS ATÉ AQUI

Em uma semana de denúncias usando todas as ferramentas que construímos:

Esses números significam um retorno de investimento de 371% do valor que arrecadamos.
“Este projeto, é um exemplo prático do quanto esta nova geração pode fazer pelo País. Que seja uma das muitas ações a inspirar mais e mais jovens cidadãos a empreender e colocar seus talentos para transformar o Brasil!” Ney da Nóbrega Ribas, Presidente do Observatório Social do Brasil.

QUEM CONSTRUIU

Nós não éramos os melhores para executar esse trabalho. Não éramos os melhores cientistas de dados, estatísticos, matemáticos e engenheiros. Mas nós somos quem foi, viu e fez.

O valor arrecadado com o financiamento coletivo permitiu que 9 pessoas diferentes trabalhassem na Serenata. Pessoas talentosas que são programadoras, jornalistas, cientistas e sociólogas, todos com um conjunto de soft skills invejáveis. São essas as principais responsáveis pela Operação Serenata de Amor acontecer:

Irio Musskopf
Liderança técnica e ciência de dados

Eduardo Cuducos
Engenharia de software

Ana Schwendler
Ciência de dados

Felipe Cabral
Administrativo e maestria

Bruno Pazzim
Marketing, comunicação e engenharia de software

Jessica Temporal
Ciência de dados

Pedro “Tonnynho” Vilanova
Comunicação e jornalismo

Filipe Linhares
Coleta de dados

André Pinho
Coleta de dados

TRANSPARÊNCIA DO NOSSO LADO

Desde o início, todo nosso trabalho foi aberto. Desde o código que construímos até planilhas para que você saiba onde foi cada centavo que arrecadamos no financiamento coletivo. Quinzenalmente postamos relatórios sobre o nosso progresso.

Manter o código aberto nos fez forte desde o dia zero. Recebemos diversas de contribuições do mundo inteiro, mostrando que a Serenata, além de tudo que representava, é prova viva de que um projeto de tecnologia com ideal por trás pode juntar um grupo incrível de pessoas dispostas a ajudar.

"Ações como a Serenata, em que a população usa a transparência da Câmara, são as maiores proteção e valorização institucionais que poderíamos ter. A população tomando a casa para si, vigiando, cobrando… É para isso que os servidores trabalham" — Fabrício Rocha, Câmara dos Deputados

COMO CONSEGUIMOS CHEGAR AQUI

Para chegarmos a esse resultado, construímos diferentes ferramentas que nos auxiliaram desde a análise de uma nota fiscal de um parlamentar até a denúncia feita à Câmara dos Deputados.

1. CRIAÇÃO DO JARBAS

Jarbas é a nossa interface para navegação entre as despesas de um deputado. Fizemos coleta de dados de diversos lugares diferentes para enriquecer os dados fornecidos pelo governo. Conseguimos, por exemplo, pelo CNPJ do estabelecimento de onde o gasto foi feito saber mais informações sobre ele, mostrando inclusive uma foto do lugar trazida direto do Google Street View.

2. HIPÓTESES

Como todo projeto de ciência de dados, tudo que queremos ensinar para nossos Robôs começam com uma hipótese validada por um humano. Cada uma das hipóteses em que trabalhamos são diferentes casos prováveis de serem ilegais. Trabalhamos nas seguintes hipóteses:
- Distância viajada suspeita
- Limites da sub-cota
- Compra de bebidas alcóolicas
- Preço de refeições suspeitos

3. CRIAÇÃO DA ROSIE

Rosie é a Robô que processa cada uma das milhões de notas fiscais disponíveis pela Câmara dos Deputados e nos dá o nível de suspeita do gasto, uma probabilidade, junto do porquê ela acredita que possa ser.

A Rosie aprendeu cada uma das hipóteses que desenvolvemos no passo anterior, de modo que ela consegue identificar facilmente, por exemplo, a compra de uma bebida alcóolica.

Ela é uma Robô inteligente. Isso significa que ela consegue aprender novos parâmetros e ajustar os existentes por conta própria com Aprendizado de Máquina.

4. CRIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA AUDITORIA

Criamos diferentes ferramentas para auditoria que nos ajudaram a dar vazão a mais de 900 casos em apenas uma semana de denúncias à Câmara.

Você pode ler mais sobre as ferramentas de auditoria aqui.

5. MUTIRÃO DE DENÚNCIAS

Em uma das últimas semanas do projeto, colocamos o time inteiro para trabalhar com todas as mãos em uma coisa só: fazer boas denúncias para a Câmara dos Deputados.

A Rosie escolheu milhares de casos suspeitos e distribuiu nas mãos da equipe, que fez uma análise manual de cada caso e enviou 629 denúncias para a Câmara dos Deputados, totalizando 216 deputados diferentes com R$ 378.844,05 questionados.

Você pode ler mais sobre o resultado do mutirão aqui.

6. FINALIZAÇÃO DA PRIMEIRA FASE DA OPERAÇÃO SERENATA DE AMOR

É aqui que estamos, esse post marca o fim da primeira fase do projeto.

Esperamos ter orgulhado nossos apoiadores e pincelado como queremos que seja o futuro do controle social no nosso País — com tecnologia de ponta sendo usada ao lado de pessoas, e não sendo feita só dentro do governo, mas aqui de fora. Dados abertos estão aí para isso. Quando os colocamos em uso, conseguimos coisas incríveis.


SERENATA NA MÍDIA

“Um grupo de cidadãos brasileiros muito jovens” — William Bonner, Jornal Nacional

PUBLICAÇÕES

Ao longo dos três meses, produzimos dezenas de posts sobre desafios, planos e dia a dia do projeto. Esse relatório também é o último de uma série de relatórios quinzenais que falavam sobre o nosso progresso.

Você pode ler nessa página todos os posts relacionados ao projeto.

UM PROJETO INTEIRO DE CIÊNCIA DE DADOS EM TRÊS MESES

Dá pra acreditar? Em três meses conseguimos completar tudo isso. É com um orgulho imenso que podemos dizer que a Operação Serenata de Amor hoje se tornou referência mundial de uso de tecnologia para o controle social e no uso de dados abertos do governo no país.

Mostramos como podemos entregar valor em um projeto de Ciência de Dados em pouquíssimo tempo, e principalmente como podemos usar inteligência artificial de forma criativa para resolver os problemas de um país — mesmo quando esse problema é o maior de todos.

Além de tudo isso, pela natureza de código aberto do projeto, conseguimos iniciar pessoas novas em Ciência de Dados — algo bastante recente no país, contribuindo diretamente para o desenvolvimento nacional.

FUTURO

Sabemos que podemos fazer muito mais, e estamos ponderando sobre maneiras de seguir com o projeto após essa primeira etapa, que marca o fim dos recursos que arrecadamos no Catarse. De qualquer forma, o código é livre.

Lançamos uma nova campanha de financiamento coletivo para termos a continuidade do projeto garantida. Dependemos mais uma vez de pessoas como você, que querem ver a continuidade do trabalho que iniciamos. Clique aqui e acesse a nossa página no APOIA.se.

Uma segunda maneira de seguir com o projeto adiante é através da busca de investimento por empresas e fundações. Se você conhece organizações interessadas em nos manter por mais tempo, podemos apresentar como elas podem ganhar ao investir no controle social da administração pública de uma forma eficiente. Fale com a gente.

Também estamos aceitando doações pela carteira de Bitcoin 1Gbvfjmjvur7qwbwNFdPSNDgx66KSdVB5b.

O FIM

É impossível terminarmos essa primeira fase sem, de todo o nosso coração, agradecer a cada uma das 1.296 pessoas que acreditaram em nós quando não tínhamos nada além de algum código como prova de conceito e um vídeo falando sobre o projeto. Não fosse por elas, nada disso que escrevemos sobre teria acontecido. Queríamos, de verdade, poder abraçar cada um dos nossos apoiadores. Se um dia nos encontrarmos pessoalmente, cobre esse abraço.

Pela equipe dos nove: foi um prazer enorme poder estar a frente disso durante esses três meses e dividir com você cada passo. Foi algo extremamente incrível, que deixa uma marca permanente em nossas vidas e faz a esperança brilhar mais forte que nunca. Nossas reuniões de time que aconteciam diariamente as 9h pontualmente deixarão saudades.

A equipe da Serenata de Amor ❤️ 👊


This was a triumph. I'm making a note here: huge success.