Rosie no Twitter: o momento mais transparente de um projeto sobre transparência

Apesar de existir desde o começo de 2016, a Operação Serenata de Amor teve seu início como projeto remunerado em novembro do ano passado. Na época, o projeto era conduzido por 8 integrantes que, apesar de auxiliados por centenas de voluntários, não tinham nenhum conhecimento jurídico.

Para garantir que nosso trabalho não ferisse princípios legais, a Operação Serenata de Amor passou a seguir um código de conduta. Um guia para evitar que entrássemos em polêmicas que não tínhamos capacidade de enfrentar.

Durante muito tempo nos focamos em ser transparentes, porém com precaução. Não divulgávamos nomes de deputados até que os mesmos respondessem nossos questionamentos ou tivéssemos uma resposta oficial da Câmara — o que frustrou muita gente que queria ter um resultado tangível do nosso trabalho.

Ok. E por que, agora, seis meses depois, já é possível acompanhar as suspeitas que encontramos de um jeito tão fácil quanto seguindo nossa robô Rosie no Twitter?

Vamos lá.

Em janeiro, organizamos o nosso primeiro mutirão de denúncias. Em uma semana, pedimos explicações por 629 casos, com mais de 800 reembolsos. Foram 40h de trabalho integral de cada membro do nosso time. Fazer isso para sempre seria possível, mas muito pouco viável para a evolução de outros pontos do projeto.

E se a equipe da Serenata de Amor não conseguiu dar escala sozinha ao trabalho de denúncias, o mesmo se repetiu com a Câmara, órgão que acionamos. Mais de 80% dos nossos pedidos foram retornados com uma resposta padronizada — e pouco definitiva, isentando a Câmara e delegando ao deputado dar uma solução ao caso.

Trecho de uma das respostas fornecidas oficialmente pela Câmara dos Deputados.

Esse talvez tenha sido o pilar de toda a mudança. Até hoje aguardamos devolutivas dos parlamentares sobre centenas de casos denunciados. Não existe uma política para cobrança dessas respostas pelos parlamentares. O trabalho de detecção de suspeitas ia bem, enquanto nossa capacidade de levar as informações ao público ainda estava longe do que gostaríamos.

Essas dificuldades geraram cobranças das pessoas que acreditaram no projeto. A Operação Serenata de Amor é uma iniciativa popular com mais de mil apoiadores, isto é, pessoas que nos doaram dinheiro. Sabemos que somos mais que um projeto de tecnologia. Falamos de controle social e política. Para alcançarmos nosso objetivo de informar, podíamos ser um pouco mais transparentes.

E esse movimento, que começou a alterar os pilares de comunicação fixados no começo do projeto, pôde ser percebido claramente essa semana. A Rosie ganhou uma conta no Twitter, onde ela posta gastos suspeitos pedindo ajuda dos seguidores na auditoria.

Se nossas descobertas não eram suficientes para mobilizar um órgão de fiscalização, no Twitter, um único reembolso é debatido por diversas pessoas, incluindo os próprios deputados. É uma medida para tornar a Serenata ainda mais transparente e pública, e incluir mais gente na conversa.

Não é uma caça às bruxas, nem um movimento de difamação de parlamentares. Nós estamos apenas tornando ainda mais acessíveis dados que já eram públicos. É a oficialização de uma função que assumimos: a de voz política. A Serenata de Amor não só estrutura e analisa dados. Também entregamos informação para a sociedade e promovemos o debate — essa é a essência da política.

Por isso, não se surpreenda se você se esbarrar com mais publicações nossas, mais conversas sobre casos suspeitos e sobre política. A partir de agora, esse também é o nosso trabalho — e sempre partindo do conceito que abraçamos desde o começo: transparência.


Dependemos de pessoas como você, que querem ver a continuidade do trabalho que iniciamos. Clique aqui e acesse a nossa página no APOIA.se.

Também estamos aceitando doações pela carteira de Bitcoin 1Gbvfjmjvur7qwbwNFdPSNDgx66KSdVB5b.

Para acompanhar o projeto

Para saber mais sobre o que acontece no dia a dia do projeto, nos siga no Facebook. Se certifique também de nos seguir no Medium para não perder os próximos reports quinzenais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.