O ambiente das cidades criativas: da arte à participação

Ágatha Depiné
Apr 25 · 8 min read

Cidades criativas são cidades que equilibram tradição e inovação. Conforme o precursor desse conceito, Charles Landry (1990; 2013), são cidades em que há uma boa mistura do velho com o novo e do calmo com o vivificante. Isso quer dizer que estas cidades se adaptam ao seu tempo, se transformam, mas preservam aquela essência que as particularizam e que se externaliza por meio dos valores, história, identidade e cultura local (DEPINÉ et al., 2018).

No contexto contemporâneo, o conceito de cidades criativas conquistou espaço com a ascensão da nova economia, direcionada pelo surgimento de novas tecnologias, atividades profissionais criativas, relações de emprego e concorrência global. Essas atividades são, em grande parte, desenvolvidas pela classe criativa e, cidades com uma grande aglomeração de trabalhadores criativos em diferentes setores, apresentam equilíbrio entre o sistema de produção e o ambiente cultural, potencializando o funcionamento qualitativo um do outro. Assim, as cidades têm buscado cada vez mais um desenvolvimento urbano direcionado à nova economia, investimento em recursos culturais e à criação de um lugar dinâmico (SCOTT, 2006).

Grodach (2017) defende que o conceito de Landry trouxe os recursos culturais da comunidade como o coração da cidade criativa, apresentando-os também como a matéria-prima da criatividade que transforma o espaço urbano. Assim, os problemas e necessidades urbanas que demandam soluções criativas e inovadoras devem partir do estímulo à colaboração e imaginação de seus cidadãos, para que estes sejam agentes de mudança do cenário urbano com base na identidade local (DEPINÉ et al., 2018).

Para tal estímulo, Landry (2013) defende a necessidade de um ambiente propício à criatividade urbana, com espaços físicos que favoreçam o encontro e compartilhamento entre as pessoas, ao mesmo tempo em que possibilitam experiências vibrantes para inspirar sua imaginação e aumentar o bem-estar, como: gastronomia, arte, cultura, contato com a natureza, entretenimento e outros. Por isso os espaços públicos e a vitalidade das ruas são privilegiados nesse conceito urbano, incentivando a aproximação das pessoas. Para além da estrutura física, são necessárias oportunidades para as pessoas expressarem seus talentos, obterem aprendizagem de alta qualidade e desenvolverem a cidadania ativa (LANDRY, 2013). Este é o ambiente de uma cidade criativa.

Devido às suas particularidades, cada cidade criativa apresenta aspectos diferentes e únicos em seu ambiente. Entretanto, algumas práticas estão comumente presentes nestas cidades, como o fortalecimento do cenário artístico cultural. Ulmer (2017) defende as ruas como um espaço para explorar as tensões entre o público e o privado por meio da arte, fazendo com que artistas urbanos utilizem paredes, portas, janelas, calçadas, postes, becos, calhas e até mesmo as lixeiras para intervenções que estimulem discussões ou reflexões sobre racismo, gentrificação e justiça, sejam estes artistas contra ou a favor das políticas de desenvolvimento de cidades criativas.

Renato e Douglas — Ilustradores e muralistas do estúdio Bicicleta Sem Freio.

Espaços esquecidos ou abandonados no processo de crescimento desordenado das cidades, como antigos centros urbanos, bairros que possuíam mais moradores e hoje se encontram em ruínas e ambientes agora desvalorizados pela classe imobiliária, se tornam refúgios de artistas. A crise também afeta de forma diferente os estabelecimentos comerciais nesses espaços e seus donos são obrigados a criar ou compreender novas formas de mudar o ambiente em que estão inseridos, encontrar saídas para continuar “respirando”. Então a arte pode contribuir. Para os artistas, por outro lado, são criadas novas oportunidades de relação com o mercado, formas de parceria e geração de renda, agora mais baseadas na criação de soluções criativas e no compartilhamento de ideias. Porém, a arte urbana é só uma das mais variadas formas de manifestação artística e criativa. Cafés, bares, teatros, paredes vivas. Em diferentes cidades a arquitetura e sua cultura dialogam ou dão início ao papo e à manifestação artística. Lisboa, por exemplo, possui muitas empenas de edifícios, prédios em que a parede lateral não tem janela. Assim, a cidade foi tomada por diferentes manifestações artísticas nesses espaços. Isso muda as pessoas nos aspectos culturais, geográficos e econômicos. Já em Goiânia, há vários paredões pelo centro da cidade, uma base de arquitetura art deco, mas pouco acesso para pintar essas grandes empenas. Então lá um ponto de referência em arte urbana é o Beco da Codorna, um espaço aberto, meio público e que é mantido graças à resistência cultural do pessoal da Upoint Graffiti. As cidades se diferem do ponto de vista artístico e criativo de acordo com suas particularidades” — Renato e Douglas, Bicicleta Sem Freio.

Em análise da arte urbana em Sydney, McAuliffe (2012) concluiu que a disseminação de políticas e discursos em defesa do conceito de cidades criativas — com valorização de arte e cultura — tem provocado uma mudança na percepção das pessoas sobre o grafite e ressignificado essa prática criativa. O autor ainda afirma que grafiteiros e outros artistas urbanos aproveitam estas oportunidades para se engajar e negociar as geografias morais da cidade criativa.

Seguindo nessa mesma direção, Bader e Scharenberg (2010) exploram o papel do cenário artístico na transformação de Berlim. Para os pesquisadores, após a queda do Muro de Berlim a cena musical prosperou na cidade, especialmente com música techno e eletrônica nos anos 90, chegando também ao hip-hop mais recentemente. A prosperidade do cenário musical resultou na atração de grandes empresas de mídia e música à cidade, movimentando sua economia. Também houve a atração da classe criativa e o desenvolvimento de distritos criativos, tornando a cidade uma marca ligada à subcultura e criatividade.

A expressão criativa e cultural da arte em uma comunidade, seja ela na forma de música, dança, teatro ou artesanato, além de representar a sua essência, preservar e transmitir sua identidade, também é essencial para o bem-estar e qualidade de vida de seus cidadãos (JACKSON, 2008). Um dos resultados possíveis é o aumento do senso de pertencimento dos cidadãos ao local e, consequentemente, seu engajamento como atores efetivos da mudança.

A criatividade urbana pode ser a principal estratégia não apenas para tornar uma cidade criativa, mas, também, para renovar e possibilitar uma trajetória alternativa à uma cidade já criativa. Lazzeretti e Oliva (2018) exploram o case de Florença para mostrar como essa passou de “cidade da arte” para “cidade da moda” por meio dos recursos culturais e criativos da cidade. Florença tem uma história ligada ao patrimônio artístico e cultural que remonta ao Renascimento e se reflete no atual perfil turístico cultural da cidade com museus, obras de arte, arquitetura e moda. Em 1951, período pós-guerra, o primeiro desfile de moda italiana foi realizado na cidade com roupas criadas por estilistas como Emilio Pucci, entre outros, lançando pela primeira vez a moda italiana a novos patamares e conquistando destaque global. O novo setor econômico foi bem integrado à identidade e cultura de Florença, provocando o surgimento de novos negócios, eventos, comércio e atração de turistas que continua a crescer até o período atual.

Com isso, é possível compreender que novos projetos, ações e aspectos que impactem o urbano, quando integrados à identidade da cidade, tendem a se manter e prosperar, ao mesmo tempo em que reforçar as características intrínsecas do lugar. Os recursos culturais são fonte destas inovações e, também, requisitos para verificar a adequação ou não das mudanças surgidas no espaço urbano.

Lucas Noal de Farias — Arquiteto urbanista na Art in Loco.

O embrião de uma cidade criativa é a sua cultura local combinada ao novo. A cultura e seus recursos contribuem principalmente para o desenvolvimento e reforço de uma identidade local, seja de uma rua, um bairro ou mesmo uma cidade. Essa identidade se apresenta nos aspectos materiais e imateriais do espaço urbano, tal qual o ambiente construído ou suas características intangíveis. Porém, tanto a cultura quanto a identidade local dependem da participação da população para sua preservação e continuidade e, assim, a arte urbana se destaca como uma das formas mais criativas. Seus efeitos no espaço público são distintos, mas um dos mais fascinantes é o aumento do senso de pertencimento das pessoas. É inerente ao ser humano o querer ser visto, ser notado e sentir-se pertencente a uma localidade que se caracteriza pela arte. Isso tem um enorme poder sobre como as pessoas se sentem no local e também pode despertar um novo olhar sobre ele” — Lucas Noal de Farias, Art in Loco

Sepe (2013) infere que o foco na cultura e na história tem se tornado um determinante no processo de regeneração urbana nas últimas décadas. Essa é uma resposta não apenas à crescente competitividade entre as cidades, mas à necessidade de sustentabilidade cultural, integrando lugares, pessoas, economias e tradições. Um dos principais fatores impulsionadores é a participação, passando por estratégias e políticas públicas.

“Políticas tradicionais de regeneração urbana, baseadas principalmente no combate à exclusão social e em construção de estruturas físicas, estão mudando. As cidades não são apenas edifícios e estruturas materiais, mas também pessoas, redes e elementos intangíveis, como memória, história, relações sociais, experiências emocionais e identidades culturais. De fato, a cidade é um organismo; cada elemento está intrinsecamente entrelaçado e o planejamento deve ser baseado em como as pessoas sentem a cidade do ponto de vista emocional e psicológico. Seu princípio orientador deve ser a criação de lugares e não o desenvolvimento urbano” (SEPE, 2013, p. 597).

A regeneração urbana na perspectiva de uma cidade criativa é provocada pelas interações entre os cidadãos, os quais criam novas ideias, produtos, serviços e, também, pelo meio criativo em clusters e distritos capazes de fortalecer a cultura da cidade (SEPE, 2013). Cabe destacar que cidades dotadas de uma forte história e cultura associadas possuem vantagem no desenvolvimento urbano criativo (SCOTT, 2006). Sepe (2013) ainda alerta para a importância de não apenas atrair a classe criativa de outros espaços urbanos, mas de nutrir a criatividade dentro da cidade, também desenvolvendo a sua própria classe criativa.

Em um período marcado pelo aumento da complexidade da vida urbana, a criatividade se apresenta como principal recurso na criação de soluções para os problemas urbanos e de projetos e políticas alternativas, por isso inovadoras, que possibilitem cidades melhores no amanhã. Porém, para que isso se concretize, é essencial criar uma dinâmica colaborativa e participativa que tenha como ponto de partida e de referência a definição da identidade local, respeitando-a e fortalecendo-a, assim tornando a cultura da cidade uma plataforma de desenvolvimento para todos.

*Versão editada do artigo originalmente publicado na sexta edição da VIA Revista.

The following two tabs change content below.


Originally published at http://via.ufsc.br on April 25, 2019.

De Cive

beleza, tradição e inovação fortalecendo a cidadania.

Ágatha Depiné

Written by

Advogada urbanista e doutoranda dedicada a pesquisar como a beleza, a tradição e a inovação podem melhorar nossas cidades — e nossas vidas. @estacaovia

De Cive

De Cive

beleza, tradição e inovação fortalecendo a cidadania.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade