Duelos DBEP: Ramón Ábila x Lucas Pratto

Duelo de dois grandes centroavantes com passagens pelo Brasil

No próximo sábado, 10 de novembro, dois dos maiores clubes e rivais do mundo se enfrentam pela final da Copa Libertadores 2018. Boca Juniors e River Plate duelam naquele que será o maior dos 368 superclássicos já disputados em mais de 105 anos de história.

Em clima de final da maior competição das Américas, nós do De Bate e Pronto resolvemos trazer um duelo especial de dois centroavantes conhecidos pelas torcidas brasileiras. Trata-se de Ramón Ábila (ex-Cruzeiro) e Lucas Pratto (ex-Atlético Mineiro e São Paulo), que atualmente defendem as cores de Boca Juniors e River Plate, respectivamente.

Ramón Ábila:

De origem humilde em Córdoba, coração da Argentina, Ramón Dário Ábila começou a sua carreira no pequeno Club Atlético Unión Florida, equipe de futebol amador da cidade. Estreitando nos gramados aos 15 anos de idade, seu técnico decidiu levá-lo ao Instituto Atlético, clube que atualmente disputa a segunda divisão nacional.

“Eu era treinador do Unión Florida, um clube amador de Córdoba. Vi Ábila muito bem e o escalei como titular aos 15 anos. Ele fez gols nas sete partidas, foi muito bem. Tive problema com o presidente e deixei o clube. Ábila pediu para ir comigo e resolvi comprar seus direitos. O presidente me pediu 800 pesos (cerca de 200 reais). Comprei e o levei para o Instituto para fazer testes. Na ocasião o Instituto era dirigido por Sergio Gonzáles, um amigo. Logo nas primeiras atividades, marcou sete gols”, conta o ex treinador de Ábila
Ábila atuando pelo Instituto de Córdoba (Foto: Golazo Argentino)

Ao ser aceito no Instituto, equipe no qual era torcedor desde criança, Ábila ganhou um apelido que carrega até hoje, ‘‘ Wanchope’’, devido a Paulo Wanchope, ex-jogador da Costa Rica.

Promovido aos profissionais na temporada 2008/2009, o centroavante se destacou pelo ótimo posicionamento, além de um bom pivô, fruto de seu porte físico. Entretanto após três temporadas, 55 jogos e apenas 12 gols, passou a ser emprestado pelo time alvirrubro.

Seu primeiro empréstimo aconteceu ao Sarmiento, da terceira divisão na temporada 2011/12, ao todo foram 12 gols em 32 partidas, números que ajudaram a equipe de Júnin conquistar o título da Primera B. Apesar de sua boa participação seu empréstimo não foi renovado e Ábila novamente foi empresado, desta vez ao Desportivo Morón também da terceira divisão. No ‘‘Gallo’’ novamente obteve destaque durante toda a temporada, mesmo anotando apenas 6 gols.

Sua notoriedade no terceiro nível da pirâmide argentina, fez com que o tradicional Huracán procurasse Áblia para a disputa da segunda divisão. Importante para a reconstrução do ‘‘Globo’’, o atacante passou de um simples camisa 9 da terceira divisão para um destaque de todo o futebol argentino. Durante suas quatro temporadas comandando o ataque vermelho, foram 119 partidas, 58 tentos e 2 títulos (uma Copa Argentina e uma Supercopa Argentina), além de ser fundamental na volta do clube a Libertadores.

Mostrando-se um bom atacante e um dos destaques do futebol Argentino, chegou ao Cruzeiro em 2016 a pedido de Mano Menezes. Mesmo com um começo encantador, logo passou a perder espaço para Willian Bigode e fechou a temporada 2016 no banco de reservas. Em 2017 alternando entre os 11 titulares e o banco de suplentes, ajudou a equipe conquistar o pentacampeonato da Copa do Brasil e foi negociado junto ao Boca Juniors em setembro.

Logo após chegar a equipe Xeneize foi emprestado ao Huracan para o restante da temporada. Marcando 4 gols em 9 jogos retornou ao Boca Juniors em 2018 onde vem sendo titular e fundamental para a equipe conquistar a vaga na final da Libertadores.

Confira agora alguns lances do atacante:

Lucas Pratto:

Natural de La Plata, Pratto começou a sua carreira nas categorias de base do Boca Juniors, clube no qual se declara torcedor desde a infância. Entretanto mesmo sendo um dos destaques no juvenil atuou em apenas duas oportunidades com a camisa dos xeneizes. Atleta do clube auri-anil até 2014, sua passagem ficou marcada pela quantidade de empréstimos.

O primeiro deles aconteceu em 2007, quando foi emprestado ao Tigre. Conquistando a vaga de titular ao longo da temporada marcou apenas um gol durante toda a sua passagem pelo clube.

Em agosto de 2008 Pratto chegou ao clube norueguês Lyn Oslo. Entre 2008 e 2009 fez 21 jogos pela equipe na liga norueguesa e marcou 4 gols. Retornou a Argentina para enfim atuar pelo Boca, entretanto sem espaço realizou apenas dois jogos e novamente teve um curto período de empréstimo, dessa vez no Unión de Santa Fé, então na segunda divisão nacional.

Com o destaque no Unión foi cedido — também por empréstimo — a Universidad Católica do Chile, onde começou a subir de patamar na carreira. Após se mostrar bom não só apenas como pivô e cabeceador, mas também um ótimo segundo atacante com muitas assistências, o Urso, apelido que ganhou pelo seu porte físico, chamou atenção do Genova (ITA) para a disputa da temporada 2011/2012.

Em solos italianos o centroavante não atingiu o que se esperava e durante toda a temporada passou no banco de suplentes, ao todo em 17 partidas contribuiu com apenas 3 gols.

Depois de não atingir as expectativas no velho continente retornou a Argentina com a missão de ajudar o Vélez Sarsfield realizar uma boa campanha na Copa Libertadores de 2012.

Sua passagem ao Vélez marca seu auge durante a carreira. Mesmo sem conseguir a tão sonhada Libertadores, o Urso acumulou três troféus importantes pela equipe alvi-azul (Torneo Inicial 2012; Campeonato da Primera Division 2012/13 e a Supercopa Argentina 2013). Além das conquistas coletivas somou também diversos prêmios individuais, como por exemplo o Olimpia de Plata, que elege pelo Círculo de Periodistas Deportivos o melhor jogador do ano na Argentina.

Pratto atuando com camisa do Vélez (Foto: O Tempo)

Assim como Ábila, Pratto chegou ao Brasil sendo esperança de gols do Atlético Mineiro. Artilheiro nato, não decepcionou e logo conquistou o seu único título pelo Galo. Capitão em varias oportunidades o experiente argentino trocou o Horto pelo Morumbi em 2017, após mais de 100 partidas com a camisa atleticana. Pelo São Paulo participou de 47 jogos, em um ano de altos e baixos para a equipe tricolor. Muitas vezes contestado pelo torcedor por não fazer gols, o atacante ajudou junto com Hernanes a equipe se livrar do rebaixamento.

No início de 2018 foi contratado pelo River Plate para ser mais uma das opções ofensivas do forte elenco comandado por Marcelo Gallardo. Até agora vem sendo fundamental para a funcionalidade ofensiva dos Milionários, na Libertadores o atacante soma 3 gols até agora.

Pela seleção argentina, Pratto soma apenas cinco jogos e dois gols.

Confira agora alguns lances do atacante:

E ai, quem levará a melhor no duelo desse sábado?