Mentoria é um compromisso, não um playground.

Já estamos chegando em um ponto dos ecossistemas de empreendedorismo no qual “empreendedor palestrante”, ou o famoso “empreendedor de palco”, é visto como algo pejorativo. Parece que o Brasil começa a entender melhor que os empreendedores que cresceram sob esforços de holofotes, capas de notícias, palcos motivacionais e números inflados têm tempo de vida curto e impacto quase nulo — o que já é um grande avanço e direciona melhor o recurso dos que querem investir no desenvolvimento de ecossistemas. Mas há ainda um elemento que navega em águas cinzentas nos programas de empreendedorismo brasileiro: as atividades de mentoria. Já criticamos bastante a figura dos mentores de startup brasileiros nesse post aqui, então pouparemos esforços nessa contextualização. O post de hoje será sobre boas práticas que temos conhecido com nossas pesquisas e imersões em ecossistemas nacionais e internacionais, então vamos ao mergulho!

Photo by Mike Arney on Unsplash

É preciso compreender figuras e papéis em programas de mentoria

Como já falamos no outro post sobre mentores, o termo “mentor” vem da mitologia grega — Atena se personificava na figura humana de Mentor para direcionar Telêmaco em sua jornada. O significado original do termo aqui carrega consigo uma provocação importante: mentoria é um compromisso com uma longa jornada de alguém que está começando. E, infelizmente, seja por falta de recursos ou compreensão dos papéis, o que mais se faz em muitos programas de desenvolvimento de startups e enxer um balde de mentores e sair oferecendo curtas interações de direcionamento (muitas vezes contraditório ou puramente maluco mesmo) e reina o caos disfarçado de epifania que só faz as startups patinarem mais. O papel dos mentores é importante e muitas vezes os conselhos são úteis, mas o que chamamos a atenção aqui é a necessidade de uma melhor organização. Vimos alguns programas nos Estados Unidos com uma divisão interessante:

(a) Mentores: são experts da indústria que “adotam” poucas startups para acompanhar por um longo período de tempo. O grande propósito deles é oferecer direcionamento estratégico, ensinamentos comportamentais, contatos sólidos e abrir portas. O indicado é que o mentor já tenha uma relação com o mentorado e que a reunião tenha sempre uma pauta definida previamente para que não haja desperdício de tempo de ambas as partes. 
(b) Staff/fellow/monitor/agente de aceleração: especialistas no processo do desenvolvimento da startup (geralmente domina a metodologia do programa em que participa), acompanha um maior número de equipes e dá direcionamento mais ligado ao ferramental, com regras clássicas e conteúdos relevantes comumente utilizados.
(c) Especialista: é o que geralmente se pratica em todos os programas no Brasil com o nome de mentor. Esse possui alguma vivência e especialidade em tema específico, oferecendo direcionamentos pontuais e fazendo algumas pontes estratégicas. Não possui um compromisso de acompanhar a longo prazo e, por isso, atende a diversas startups sem problemas maiores (uma abordagem legal para essa figura é o uso de suporte via skype ou office hours, parece funcionar bastante).

Com essa estrutura, percebemos que os programas ficam melhor organizados e o direcionamento mais sólido, gerando menos confusão e tirando o melhor de cada figurinha envolvida.

Os mentores precisam entender a regra do jogo

Além das regras básicas, que deveriam ter sido ensinadas em casa, envolvendo respeito, pontualidade, ausência de interesses e pouco ego, alguns tópicos são úteis para guiar mentores — e o Mentor Manifesto da techstars é um excelente guia. Quando falamos desse Manifesto para algumas pessoas da rede Wylinka, recebemos a sugestão de traduzir os pontos principais para aumentar a acessibilidade dos mesmos, então segue aí um apanhado geral:

  • Seja socrático.
  • Não espere nada em retorno (você ficará encantado com o que receberá de volta)
  • Seja autêntico, pratique o que prega.
  • Seja direto. Fale a verdade, embora seja dura.
  • Escute também.
  • A melhor relação de mentoria eventualmente se torna de via dupla.
  • Seja responsivo.
  • Adote pelo menos uma empresa por ano. Experiência importa.
  • Separe claramente opiniões e fatos.
  • Guarde as informações com confidencialidade.
  • Se comprometa firmemente com o ato de mentorar ou não se comprometa.
  • Saiba o que você não sabe. Diga “eu não sei” quando você não sabe. “Eu não sei” é melhor que contar histórias.
  • Guie, não controle. Nunca fale o que fazer. Os times que devem tomar suas próprias decisões — a empresa é deles, e não sua.
  • Aceite e comunique-se com outros mentores que estão se envolvendo.
  • Seja otimista.
  • Ofereça conselhos específicos e acionáveis, não seja vago.
  • Seja desafiador e provocador, mas nunca destrutivo.
  • Tenha empatia. Lembre-se que empreender não é fácil.

Esse guia é suficiente para boa parte dos mentores, e nós sempre utilizamos nos programas de desenvolvimento de startups que estamos envolvidos. É natural que alguns mentores cometam seus erros, mas é um processo de formação contínua. E uma dica Wylinka (que possivelmente quem nos acompanha no facebook já viu): o Brad Feld, grande nome quando o assunto é ecossistemas/startups, está aprofundando com detalhes específicos para cada tópico do manifesto — confira aqui.

E quais os novos horizontes?

Temos estudado alguns modelos bem legais de programas de mentoria — e nesse tópico vamos apresentar algumas descobertas legais que nós, da Wylinka, encontramos por aí.

(i) O modelo do MIT Venture Mentoring Service (MIT VMS): um braço super interessante do MIT que tem umas práticas super legais para dar mentoria aos empreendedores ligados à Universidade. Alguns destaques são um trabalho com mentoria em grupo em vez de individual (o direcionamento é por consenso e a discussão enriquece o processo), uma estrutura de reuniões bem definida — 90 minutos, com um lead mentor que orienta as atividades e uma obrigatoriedade de definir um “dever de casa” no fim de toda reunião. O mais legal: organizações interessadas podem contratar o serviço de outreach do VMS para receber a capacitação do programa no Brasil! 
(ii) O modelo do autor Mike Pegg (livro: The Art of Mentoring, de 20 anos atŕas!), que defende os 5 C’s do processo de mentoria (challenges, choices,
consequenses, creative solutions and conclusions). Nele, o autor propõe um processo de fases que se dá na seguinte forma: apresentar os desafios, explorar as opções possíveis, refletir sobre as consequências, imaginar soluções criativas, concluir a melhor saída e definir um plano de ação. O modelo já foi tema de alguns artigos acadêmicos e está presente em um excelente guia de mentoria (que mostraremos abaixo). 
(iii) Alguns materiais úteis com boas reflexões são o Mentor Handbook do Startup Direct e o livro Nurturing Innovation: Venture Acceleration Networks. A review of existing models. O handbook traz ótimos caminhos e processos para mentoria e o livro provoca mais questões sobre os programas de desenvolvimento que envolvem mentores, com uma análise bem profunda de cada um (sendo que o MIT VMS é um dos analisados).

Because when you rock…

Nós realmente acreditamos no papel dos mentores, mas consideramos que muitos programas estão prejudicando não só as startups, como também gastando o tempo de mentores de maneira ineficiente. A capacidade de construir programas interessantes que explorem o melhor do potencial de alguém com experiência é chave para o desenvolvimento dos ecossistemas de empreendedorismo no Brasil — e como esse desenvolvimento é a nossa missão central na Wylinka, nada melhor que um post sobre isso. Esperamos que vocês tenham gostado e que o conteúdo seja rico, because when you rock, #wyrock!

p.s.: Quer saber mais os projetos que a Wylinka realiza? Então confere alguns cases bacanas do nosso trabalho desenvolvendo tecnologias pelo Brasil clicando aqui!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.