Mesmo com gestão aprovada, pesquisa indica que Haddad perderia para Erundina

Foto: Reinaldo Meneguim/Democratize

Mesmo aprovado por mais da metade, que consideram a gestão petista ótima ou boa, pesquisa também indica favoritismo da candidata Luiza Erundina, do PSOL, com mais da metade dos votos que Fernando Haddad: 64,4% contra 28,7% do atual prefeito da capital.


A Agência Democratize entrevistou cerca de 1.163 pessoas nas redes sociais no período entre os dias 28 e 30 de junho, para descobrir qual a opinião das pessoas sobre a eleição para prefeito(a) de São Paulo neste ano.

Na pesquisa, os seguidores foram também questionados sobre qual nota deveria ser dada para a administração de Fernando Haddad na prefeitura da capital, desde 2013.

No caso, a gestão comandada pelo petista recebeu a aprovação de mais da metade dos entrevistados.

Gráfico: Democratize

Cerca de 40,2% consideram a gestão de Fernando Haddad em São Paulo como boa, enquanto outros 11,2% aprovam totalmente. Do lado negativo, somando os dois números, 25% dos entrevistados desaprovam a atual prefeitura da capital: 14,8% ruim, e outros 10,2% como péssimo o trabalho feito pelo prefeito petista em São Paulo.

No meio, outros 23,7% acreditam que Haddad fez um trabalho regular na cidade.

Mesmo com a aprovação entre os entrevistados, o petista não conseguiu alcançar nem mesmo a metade dos votos que a deputada federal pelo PSOL, Luiza Erundina, teria na votação e liderando a pesquisa.

Com 64,4% dos votos, a deputada é a favorita da esquerda para ocupar o cargo hoje ocupado por Fernando Haddad.

Gráfico: Democratize

Em segundo lugar, o petista e atual prefeito somou a preferência de 28,7% dos entrevistados.

A pesquisa mostra a força da esquerda na capital, mesmo diante do atual cenário político, desfavorável aos partidos citados em nível nacional — principalmente o Partido dos Trabalhadores. Porém, tanto PT quanto PSOL monopolizaram a pesquisa nas redes sociais, demonstrando sua capacidade de articulação e mobilização com o eleitorado.

Em terceiro lugar, o ex-tucano Andrea Matarazzo, com 1,5% — na frente de Ricardo Young, da Rede, que ficou com 1,2%.

Os demais candidatos citados na pesquisa — Major Olimpio (SD), Marco Feliciano (PSC), João Dória (PSDB) e Celso Russomanno (PRB) — não somaram 1%.

Foto: Alice V/Democratize

Uma pesquisa realizada pelo instituto Ibope, no dia 21 de junho, já demonstrava o favoritismo de Luiza Erundina contra o petista, ocupando o terceiro lugar e disputando voto por voto com a segunda colocada, senadora Marta Suplicy (PMDB) — que não foi citada na pesquisa por conta de sua pré-candidatura não ter mais apoio interno em seu partido.

Ainda podemos levar em consideração a possibilidade de Russomanno não ter a sua candidatura aprovada pela Justiça, o que automaticamente deixaria a disputa entre a deputada do PSOL e o atual prefeito petista.

Outra pesquisa realizada pela plataforma Dizgoo na internet, mostra Haddad como favorito entre os eleitores, com 35,4%. Já Erundina, ocupa a terceira colocação, com 16,1% — apenas dois porcento a menos que o segundo colocado, João Doria (PSDB).

As três pesquisas mostram claramente que a briga pela prefeitura de São Paulo vai ser acirrada, e que desta vez, a participação do PSOL deve ser decisiva na capital paulista, com uma possibilidade real de chegar ao segundo turno.

A Agência Democratize realizou outros questionamentos durante a pesquisa, que serão publicados durante esta sexta-feira (01).