Pesquisa mostra que Feliciano é o nome mais rejeitado para ocupar prefeitura de São Paulo

Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados

O deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC) é pré-candidato pelo seu partido para a prefeitura de São Paulo neste ano. Porém, segundo indica pesquisa, seu nome é o mais rejeitado pela população. Pelo menos 52% dos entrevistados “jamais votariam” em Feliciano para prefeito da capital.


A Agência Democratize realizou entre os dias 28 e 30 de junho uma pesquisa sobre as eleições municipais deste ano na cidade de São Paulo. Cerca de 1.163 responderam ao questionário.

Uma das perguntas era:

“Dos candidatos acima, em qual você jamais votaria?”

Os números surpreendem: mais da metade dos entrevistados escolheram o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC) como a pessoa em quem jamais votariam para prefeito de São Paulo, com 52% dos entrevistados.

O deputado, que é pré-candidato pelo mesmo partido de Jair Bolsonaro, ainda não afirmou publicamente se deverá continuar com a sua pré-campanha pela prefeitura de São Paulo. Seu partido, o PSC, mostra cada vez mais proximidade com o candidato escolhido pelos tucanos — João Doria.

O segundo mais rejeitado pela pesquisa é o também deputado federal Celso Russomanno (PRB), com 20% dos entrevistados. Atualmente, questões na Justiça colocam a candidatura de Russomanno em risco. Seu partido garantiu recentemente que o deputado deve sair mais uma vez candidato — a última vez foi em 2012, quando não conseguiu chegar ao segundo turno, ficando em terceiro lugar com 21,6% dos votos.

O deputado estadual Major Olimpio (SD) é o terceiro mais rejeitado pela pesquisa: 12% dos entrevistados citaram o nome do militar como opção em quem jamais votariam para a prefeitura de São Paulo. Sua pré-candidatura também sofre risco de não ir pra frente, devido ao possível apoio de seu partido ao candidato tucano.

E é o próprio João Doria, escolhido pelo governador Geraldo Alckmin para ser o nome do PSDB nas eleições deste ano em São Paulo, o quarto mais rejeitado pelos entrevistados. Pelo menos 10% afirmaram que jamais votariam no empresário.

Logo depois, vem o ex-tucano e atual PSD, Andrea Matarazzo, com 6%, e o atual prefeito Fernando Haddad (PT) com rejeição de 5%.

Os “menos rejeitados” pela pesquisa foram Luiza Erundina (PSOL) com 0,6% e Ricardo Young (Rede) com 1,5%.


Foto: Alice V/Democratize

Rejeição de Feliciano e Erundina em primeiro lugar mostra que “onda conservadora” não fez efeito em São Paulo

Segundo a pesquisa da Agência Democratize, a deputada federal Luiza Erundina seria eleita com 64,4% — mais da metade que o segundo colocado, Fernando Haddad, com 28,7%.

A rejeição de candidatos como o pastor Marco Feliciano demonstra que a chamada “onda conservadora” não parece surtir muito efeito quando o assunto é eleição municipal em São Paulo.

Além da possível vitória da candidata do PSOL, a administração de Fernando Haddad em São Paulo é motivo de elogios, segundo indica a pesquisa. Cerca de 40,2% dos entrevistados consideraram como boa a gestão petista na capital, enquanto 11,2% acreditam que foi feito um ótimo trabalho na administração de São Paulo. Apenas 25% dos entrevistados consideram a gestão de Haddad na capital como ruim ou péssima.