Crise da meia noite

Você quer saber por que não durmo a noite? Eu sei que não, mas quero dizer.

Chego em casa tarde, depois de um longo dia de trabalho e estudo, depois de um longo dia de pensamentos ruins e medos. Depois de um longo dia que temia que passasse e ao mesmo tempo torcia para que se fosse.

Ou seja, um cansaço não só físico, mas psicológico e emocional. Um desgaste enorme e tudo o que eu mais quero é me deitar, fechar meus olhos e descansar.

Mas isso não acontece.

Tudo começa quando percebo que minha mente não vai dar uma trégua e os pensamentos não vão parar. Penso em tudo que pode acontecer amanhã ou daqui cinco anos. Penso nos problemas de casa, dos meus pais, da família toda. Penso na vida financeira e no que preciso comprar ou economizar. Penso no meu relacionamento e tento descobrir o quanto posso ser irritante e uma péssima companhia. Penso que não vou conseguir alcançar tudo o que sonho e que sonhar pode ser perda de tempo. Penso muito e penso demais. Penso que estou pensando demais.

Ai você pode me perguntar “porque você é tão pessimista?” e eu te direi que a ansiedade faz isso comigo. Sinto o medo de tudo e o medo de ter medo. Cheguei a um ponto que não durmo porque fico preocupada com o quanto pode ser ruim se eu não conseguir dormir. Imagine só!

Vou pensando até tudo se embaralhar porque não é um pensamento de cada vez e quem dera se fosse. Tudo se junta e se embola. Quando me dou conta já não consigo me reorganizar e é tarde de mais para acalmar meu coração, correr da crise de choro, encher o pulmão de ar e então me entrego ao formigamento.

Lá estou eu em crise.

Sem saber o que fazer.

Devo pedir ajuda?

Não, vou incomodar.

Vou morrer.

Sinto que vou.

E depois de todo um caos interno e externo, depois de longos minutos vou me recompondo.

Consigo respirar de novo, meu coração volta ao lugar e sinto meu braço esquerdo novamente.

Lamento pelas horas de sono perdidas e tento outra vez dormir. Preciso conseguir.

A sensação de morte é horrível, mas se confunde com meu medo de continuar vivendo.