Permita-se ser questionado


O normal para a maioria de nós é procurar “professores” que partam do mesmo ponto de vista que o nosso, e levem a nossa visão para um degrau acima. Mas quantas vezes você se permite escutar alguém que fala sobre uma escada totalmente diferente?

Pessoas que te fazem se sentir desconfortável, que provocam, estimulam, te arrancam da sua zona de conforto, vão contribuir — e muito — para o seu crescimento, elas vão abrir novas possibilidades e caminhos que pelos quais você nunca imaginou andar.

Imagine um assunto no qual você se considera bom, que tem algum domínio. E então de repente se depara com um livro, um vídeo ou um post falando que “tudo que você sabe sobre … está errado!

É provável que você até desse uma chance para esse conteúdo, por curiosidade — esse tipo de título atrai nossa atenção, mas justamente porque esperamos descobrir que, na verdade, o que essa pessoa vai falar corresponde ao que já acreditamos.

Queremos nos sentir especiais por ter acesso a algo que é exposto como novidade e poder falar “ah, eu já sabia!”.

Mas e quando o autor do conteúdo entrega uma ideia totalmente oposta à suas crenças? E se ele falar que o céu é marrom? Você vai dar uma chance e olhar novamente para o céu, procurando alguma indicação de que ele seja mesmo marrom, ou vai chamar o autor de louco?

É difícil engolir esse tipo de disrupção, mas é fundamental para a nossa sobrevivência. Adaptabilidade é a maior arma do ser humano. Gigantes sumiram do mapa (ou quase) por não terem essa visão

Menções honrosas: Kodak, Atari, Orkut, Xerox, Blackberry.

Claro que você deve seguir uma certa linha de pensamento, e encontrar/escutar pessoas que tenham opiniões parecidas com a sua e te façam avançar nessa linha

Mas nada te impede de guardar um espaço, 10 ou 20% do seu tempo, para ouvir vozes divergentes; afinal são elas que irão te fazer questionar o que você tem como verdade absoluta, mas é apenas a sua opinião.

O mundo muda, e velocidade está cada vez mais rápida — hoje você passa boa parte do seu dia no Instagram e no Whatsapp, que não existiam oito anos atrás.

Ah, e se você discorda de mim, tudo bem, o espaço agora é seu!