A verdadeira crise do Brasil — A crise de VALORES!

Vejo muita gente falar em problemas da economia, corrupção, massa pública falida.

A crise está generalizada.

Eu acredito que a raiz disso é apenas uma: crise de valores.

A questão é que, por estarmos desconectados da essência humana, da lealdade com o cara que está do seu lado, do companheirismo, da noção de caráter, da honra, perdeu-se o bom senso.

E quando perdemos o bom senso, vem o sentimento de competição, de raiva, de rancor, de ódio ao lado “oponente”, sem falar na famigerada corrupção.

E isso é mais profundo do que parece. Pois o óbvio é começar a apontar o dedo pro outro dizendo: “veja, você não está certo!”

Será que o problema é o outro?

Amar ao próximo como amar a si mesmo está escrito em várias escrituras sagradas e de maneiras distintas, mas o core da mensagem é o mesmo.

Agora a pergunta: de que maneira podemos amar ao próximo como a si mesmo se não sabemos nem nos amar?

Se o que mais fazemos nas redes sociais é despertar a raiva, a amargura.

Sustentar um sentimento desses dentro de si é como segurar um carvão quente na mão querendo jogar no outro. O sentimento ruim é em relação ao outro, mas somos nós que nos queimamos.

Se, a cada dia que passa, surgem mais pessoas entrando em burnout no trabalho, mais pessoas endividadas, mais pessoas com excesso de peso e sedentárias. Será que essas pessoas têm amor próprio?

Onde está o amor a si mesmo? Que valores queremos passar ao próximo se mal damos valor a coisa mais importante nas nossas vidas?

Em que ponto das nossas vidas desaprendemos a amar a nós mesmos?

Inclusive, a corrupção vem daí, do latim corrupta, junção das palavras cor (coração) e rupta (rompimento).

Parece meio elementar, mas descobri que o mundo que está a nossa volta é criado por nós. Aquela velha história de que se plantarmos o bem vamos colher o bem também é óbvia.

Mas então por que é tão difícil praticar isso? Se tanto queremos mudar uma nação e “expurgar os corruptos e larápios que violam nossa Pátria”, por que nós não fazemos a nossa parte no dia a dia e não plantamos isso?

A natureza nos explica da maneira mais simples possível. Se plantarmos batata, vamos colher batata. Se plantarmos a arrogância e a prepotência com o próximo, adivinhe o que vamos colher?

A crise de valores começa por nós, de dentro pra fora, do que damos mais importância — aliás, esta é a definição de valor.

Quais os valores que queremos cultivar em nós? E no meio em que vivemos? E na nossa cidade? Estado? Nação?

A mudança começa de dentro pra fora… se não aceitarmos mudar a nós mesmos, jamais conseguiremos viver no país que tanto queremos.

Like what you read? Give Luiz André Birck Teixeira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.