Como medir a eficiência, eficácia e satisfação dos usuários

Entender o que funciona, o que não funciona e quão satisfeitos estão os usuários

Josias Oliveira
Aug 17, 2017 · 6 min read

Eficiência, eficácia e satisfação dos usuários. Mensurar e conhecer esses aspectos fazem parte do processo de compreender o que está dando certo, o que precisa ser melhorado e como o negócio está sendo impactado, principalmente quando medimos a satisfação dos nossos clientes.

Basicamente medimos a eficácia e eficiência nos testes de usabilidade através das tarefas. Esse termo tarefa é aplicado sempre a uma unidade de atividade, numa situação específica de trabalho. Ela tanto pode ser imposta ao usuário, como fazemos nos testes, ou pode ser realizada por sua própria vontade.

Segundo Agner (2006), a tarefa requer mais de uma operação para ser completada. Além de exigir o esforço mental a tarefa também requer algum esforço físico, normalmente é uma atividade não-trivial e em alguns casos complexa, tendo sempre um único objetivo.

Os testes usabilidade são técnicas nas quais usuários interagem com o nosso produto, em condições controladas, para realizar uma tarefa com objetivos definidos, em um cenário de utilização. São métodos para medir a performance dos usuários e sua satisfação subjetiva com produtos de tecnologia.

A nossa colega designer Diana Fournier, do portal VivaReal, escreveu um post aprofundando As 6 metas de usabilidade, aonde também aborda sobre eficácia e eficiência em relação às metas de usabilidade. Recomendo que você leia também.

Mas quantos usuários devo testar para começar?

Esta é uma pergunta que aparece com certa frequência. Nielsen (2001) defende que com apenas 5 usuários é possível levantar cerca de 75% dos problemas mais críticos de experiência do usuário (UX). Desta forma esse é o número que habitualmente trabalhamos nas rodadas de testes com usuários aqui na Resultados Digitais.

Um teste é bem sucedido quando ajuda a aprimorar o produto, assim como o processo. Nielsen (2007) defende que a navegação na web exige comportamento ativo, que demanda certo esforço intelectual para o aprendizado e o uso da interface. Ciente destes desafios, meu objetivo como UX designer é contribuir para a evolução do produto e satisfação dos clientes.

Eficácia

Objetivo

Identificar se a tarefa cumpre o objetivo proposto.

Como

Validar se o usuário consegue executar determinada tarefa.

Porque

O sistema deve ter o comportamento que o usuário espera dele.

Para um objetivo maior, o usuário precisa passar por uma série de pequenas tarefas que compõem a tarefa macro. O sucesso de cada uma dessas tarefas é essencial para para a composição do objetivo maior. Sem atingir o objetivo de cada uma dessas pequenas tarefas não será possível atingir o sucesso da tarefa maior.

Desta forma, o acompanhamento deste processo durante o teste de usabilidade é muito importante pois nos dá indícios sobre o atingimento do sucesso do objetivo proposto.

É uma escala binária: o usuário consegue ou não consegue atingir o objetivo.

Por exemplo, ao criar uma Landing Page no RD Station o usuário precisa realizar uma série de pequenas tarefas como: atribuir um modelo de template, escolher um nome para o modelo, criar um título, etc. O sucesso de cada um destes passos compõe todo o fluxo em direção ao objetivo maior que é criar uma Landing Page.

Eficiência

Objetivo

Identificar se o usuário consegue cumprir a tarefa dentro de uma determinada unidade de tempo.

Como

Medir a velocidade de execução da tarefa.

Porque

A velocidade em que uma tarefa é executada através do uso do sistema está relacionada diretamente com a sua eficiência.

Antes mesmo de rodar o primeiro teste é possível projetar um tempo adequado que o usuário vai ficar em cada uma das tarefas, atribuindo uma projeção. A partir da 2ª rodada de testes já é possível validar essa projeção e obter de forma prática um tempo médio de execução de cada uma das tarefas.

Assim, se o usuário sentir-se confuso, perdido ou ficar preso em algum ponto específico do fluxo de navegação, teremos como reflexo disto um maior tempo de execução. Podemos dizer então que a tarefa foi eficaz, mas não foi eficiente, pois o usuário ficou um tempo muito maior do que o previsto. De toda forma a culpa é nossa, projetistas da UX, não do usuário.

Por exemplo, ao criar o primeiro experimento identificamos que o tempo médio desde que o usuário recebe o pedido da tarefa até iniciar propriamente o fluxo é de 10 segundos. Se algum usuário ficar muito mais que 10 segundos até conseguir concluir a tarefa identificamos que ela foi eficaz, mas não foi eficiente o bastante. Quanto mais distante o tempo de execução for do tempo médio, menor será a eficiência da tarefa. É importante medir estes pontos de contato pois o somatório reflete na experiência como um todo, que pode ficar prejudicada.

Satisfação

Objetivo

Medir o grau de satisfação do usuário ao realizar determinada tarefa.

Como

Mensurar da satisfação através de uma escala linear.

Porque

Quanto maior a satisfação maior será a lealdade ao produto.

A satisfação é essencial para levantarmos pontos que as pessoas adoram ou detestam na realização de tarefas, pois se há algo que foge muito da curva este pode ser um bom indicador. Da nossa parte, como projetistas da UX, nossa expectativa é que os usuários tenham experiências agradáveis e sintam-se confortáveis e satisfeitos ao realizarem suas tarefas.

Existe uma correlação entre a satisfação dos clientes, a retenção no produto e a lucratividade das empresas. Assim como a qualidade do que estamos entregando, a satisfação dos clientes é capaz de afetar o resultado do produto final. Caso os usuários não consigam atingir seus objetivos ao utilizar produtos e serviços ou sintam-se frustrados, a tendência é o declínio em relação à demanda desses serviços.

Imagem: Exemplo de escala para a pergunta de satisfação.

É possível que o usuário venha a realizar essa tarefa uma vez na vida. Mas é importante pensar também em operadores que irão realizar determinada tarefa 20 ou 30 vezes no mesmo dia. O mínimo o que se espera é que seja agradável, concorda?

Se o desempenho não alcançar as expectativas, o cliente ficará insatisfeito. Se o desempenho alcançar as expectativas, o cliente ficará satisfeito. Se o desempenho for além das expectativas, o cliente ficará altamente satisfeito ou encantado. (KOTLER, 2000:58).

Talvez o mais importante seja compreender que os testes de usabilidade não devem ser limitados à um teste burocrático no final do processo. Eles devem permear todo o ciclo de desenvolvimento do projeto centrado no usuário.

E aí, que tal projetar algumas experiências incríveis para os usuários?

Vem trabalhar na Resultados Digitais:

Acesse: http://resultadosdigitais.com.br/trabalhe-conosco/


Bibliografia

AGNER, L. Ergodesign e arquitetura de informação: trabalhando com o usuário. Rio de Janeiro, Quartet, 2006.

KOTLER, P. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

NIELSEN, J.; TAHIR, M. Home page usability, 50 websites deconstructed. Indianapolis, News Riders, 2001.

NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na web, projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro, Elsevier, 2007.

UX Resultados Digitais

Experiências do time de design por trás do RD Station

Thanks to Ivam Bastos and Fabiano Meneghetti

Josias Oliveira

Written by

Head of Product and Design at @octadesk

UX Resultados Digitais

Experiências do time de design por trás do RD Station

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade