Minecraft Acid Interstate

Eu acho muito louco como a tecnologia de hoje expande os limites da arte e possibilita que a expressão de uma pessoa possa ser materializada de infinitas maneiras. Superficialmente, é fácil assistir ao vídeo abaixo e achar que o cara fez só uma versão glorificada do plugin de visualização do Windows Media Player, mas eu acho incrível pensar que alguém conseguiu criar uma experiência sensorial ilustrando as sensações e emoções de uma música, basicamente, jogando Minecraft.

Claro que o resultado final exigiu a utilização de algum software de edição de vídeo, mas a matéria prima do clipe não foi criada em um software de modelagem ou animação 3D. O grosso do (muito) trabalho foi construído com o gameplay da parada e fazendo apenas o que qualquer jogo “pede” que você faça: jogue-o (no caso, o objetivo primordial do Minecraft é simplesmente construir coisas). Além disso, os detalhes dos elementos de cenário passando pela tela em sincronia com as batidas da música ou com a melodia do vocal mostra que ele não só produziu um videoclipe, mas também adicionou toda uma nova camada de dificuldade ao jogo, já que precisou posicionar os elementos nos lugares específicos para que estivessem alinhados à música no vídeo.

Numa tacada só, o cara enriqueceu a expêriencia do Minecraft com sua narrativa pessoal e produziu uma obra audiovisual bem particular.

Olhando o canal do YouTube do maluco, percebe-se que ele faz vários desses vídeos e vem experimentando dentro da proposta, meio que consolidando sua “voz artística”. Aliás, voz artística mesmo. Sem aspas. Quem vai poder dizer que o fascinante resultado desse amálgama maluco entre música, videogame e “suor” não pode ser considerado uma forma de arte, afinal?