Dia 4: Escravos de Cristo.


“Paulo e Timóteo, escravos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos”
(Filipenses 1:1a)

Talvez você conheça essa passagem da carta de Paulo aos filipenses, mas pode ter estranhado a palavra escravo em destaque. O termo grego que é traduzido originalmente por servo (na NVI, versão do texto e em muitas outras versões) é δοῦλος (doulos) que significa literalmente escravo. O vocábulo δοῦλος nunca é usado em um sentido servil, de alguém que troque sua força de trabalho de maneira remunerada, mas sim no sentido de alguém que é literalmente posse de um terceiro, e é isso que somos, escravos de Cristo.

Isso pode soar um pouco duro em um primeiro momento, mas é infinitamente confortável tal afirmação. No século primeiro, época em que o texto foi escrito, a escravidão era totalmente diferente da escravidão nas eras coloniais. Um escravo não necessariamente trabalhava em serviços braçais de campo, na verdade ele fazia o que seu dono desejasse, podendo sim ser um trabalhador manual, mas também podendo ser o médico da família ou professor dos filhos de seu dono, ou até mesmo segurança pessoal de seu senhor. A vida do escravo era totalmente guiada e regida por seu dono, então caso o escravo tivesse um senhor gentil, sua vida seria boa e prospera, muitas vezes chegando a ser melhor do que muitos homens livres e ainda poderia ser considerado herdeiro, mas aí do escravo que possuía um senhor cruel, a morte era melhor que a vida de sofrimento que o aguardava.

Agora que você já sabe o que significava um escravo no contexto da carta, comesse a regozijar, pois o seu Senhor é DEUS! Nosso Senhor foi capaz de se rebaixar a estatura de escravo para nos livrar das terríveis amarras do pecado, enquanto ainda eramos seus inimigos. Cristo nos amou de maneira tão intensa que sofreu a ira de Deus em nosso lugar, para que fossemos vivos nele. Nosso dono é infinitamente melhor que o mais gentil dos senhores, e imensamente mais bondoso.

Fomos comprados por um alto preço, preço esse que nunca poderíamos retribuir de maneira adequada, sejamos então gratos e façamos sempre tudo para a glória de Deus, pois não existe nada na terra que seja comparável a tão grande amor!


Esse texto faz parte de uma serie de textos, se você se interessou (?) pode achar outros como esse aqui “Devocionais de um Tolo”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.