Dia 41: The last of us.


“Mas agora o seu reinado não permanecerá; o SENHOR procurou um homem segundo o seu coração e o designou líder de seu povo, pois você não obedeceu ao mandamento do SENHOR’.” (1 Samuel 13:14)

Esse texto é a palavra de Samuel ao rei Saul, quando lhe foi profetizado que seu reinado acabaria e então um homem segundo o coração de Deus tomaria seu lugar como rei. Esse homem foi Davi, que a despeito de seus muitos pecados, foi um homem que buscou seguir a Deus em todo o tempo, e a exemplo de Davi devemos fazer buscar a Deus a todo momento.

Hoje comecei a assistir uma série¹ que tem me feito pensar bastante. O trama é basicamente que durante reuniões que concentram um grande número de lideres dos Estados Unidos, uma pessoa da cúpula do governo é designada para ficar em um local seguro caso aconteça alguma coisa, como por exemplo um ataque terrorista, que mate todos os líderes reunidos essa pessoa assuma o cargo de presidente. Você já pode concluir que é isso que acontece na série, mas como esse texto é sobre teologia não uma analise crítica, vou direto ao ponto.

A série trata sobre uma situação catastrófica, que realmente não consideramos como possível, além é claro de acreditar que a solução proposta não seja realmente o que aconteceria. Estamos falando sobre a morte da maior parte dos representantes de um governo, deixando nas mãos de uma pessoa que não estava muito preparada a missão de continuar com o país. Assim como a série, eu gostaria agora de propor uma situação totalmente catastrófica e acredito eu que pela graça de Deus nunca virá acontecer, mas imagine que por alguma razão você se torne o único cristão na face da terra, como você se reagiria?

Eu sei, isso é impossível e eu também acredito que Deus em sua infinita misericórdia nunca deixaria que algo assim acontecesse. Mas pense por um instante, o evangelho que você professa estaria bem representado por você, o último cristão?

Existem alguns motivos que me façam acreditar que algo desse tipo não aconteceria de novo, mas existem histórias na bíblia que mostram situações muito parecidas com essas, como por exemplo a história de Ló², que foi o único homem fiel a Deus que foi encontrado em Sodoma e Gomorra, ele representava a totalidade de homens fieis a Deus naquelas cidades, e graças a Deus Ló não agiu como sua mulher e foi realmente fiel.

Talvez essas histórias não estejam tão distantes como imaginamos, não estou dizendo que eu ou você somos os últimos cristãos da terra, mas talvez sejamos os únicos cristãos no meio de nossos amigos, família ou no nosso trabalho/ambiente acadêmico. Sim, pode existir algum perímetro onde apenas você seja cristão. Quando eu perguntei antes se você seria capaz de representar a Cristo de maneira plena se fosse o último cristão na terra, sua resposta pode ter sido algo do tipo: “eu certamente me tornaria um cristão melhor”, o que você está esperando então para se tornar um cristão melhor?

Se você está falando em sua cabeça “mas são situações totalmente diferentes”, eu sei que são, uma é uma catástrofe imaginária, a outra é a aplicação prática que podemos extrair desse tipo de exercício. Se você não consegue ser um bom cristão em situações cotidianas, não espere um desastre para melhorar, busque uma vida genuinamente cristã agora. Não espere ser reconhecido por isso, espere justamente o contrário, pois uma vida cristã não é fácil, mas é melhor que uma eternidade no inferno.

Uma vida cristã começa com uma transformação profunda na forma como vemos, entendemos e interpretamos o mundo e talvez essa seja uma tarefa bem complicada. Primeiro temos de entender que pensamos diferente dos não cristãos e isso nos torna diferentes deles na forma como agimos. Uma transformação na maneira como vemos o mundo muda a forma como interagimos com ele. Isso é muito sério, não ter essa verdade enraizada nos corações é o que tem feito muitos jovens passarem suas vidas na igreja, mas sem terem suas perspectivas transformadas, o que uma real conversão traz, então quando envelhecem logo apostatam, pois obedeciam às leis de Deus por serem levados pelo meio a fazerem isso.

Ser o último cristão vivo me parece uma tarefa bem difícil e a parte mais complicada nessa situação talvez esteja em ser um cristão. Mas foi para isso que fomos chamados, não precisamos esperar uma situação extrema para cumprirmos nosso chamado.



Esse texto faz parte de uma serie de textos, se você se interessou (?) pode achar outros como esse aqui “Devocionais de um Tolo”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.