#entrevista | Benjah

Em 2010, o produtor indicado ao Grammy falou de segregação musical, do disco ”Introducing Lov’d Ones” e de seu amor pelo Brasil

Benjamin ‘Benjah’ Thom é um dos mais requisitados produtores do rap cristão e um artista com estilo próprio. Por suas produções, ele ganhou um Stellar Award, e dois Dove Awards; além de ser indicado ao GRAMMY por duas faixas do disco “Rehab” do rapper Lecrae. Ele também foi responsável por trabalhos de Trip Lee, Tedashii, Group 1 Crew, Sho Baraka e Dj Official.

Numa conversa aberta, clara e objetiva, Benjah fala sobre segregação musical, o disco ”Introducing Lov’d Ones”, feito em parceria com o cantor de reggae Dillavou, e declara o seu amor pelo Brasil.

Muitos cristãos aqui no Brasil curtem o seu trabalho, mas existe algumas dúvidas sobre sua posição religiosa, assim como ocorre com o P.O.D, por eles estarem também no meio secular. Indo direto ao assunto: Você é cristão?

Benjah: Sim, sou cristão… mas prefiro dizer que sou um servo de Jesus, o Rei dos reis.

Fiz essa pergunta porque aqui no Brasil ainda existe uma certa segregação da música urbana [Rap/Rock/Reggae] em algumas igrejas, e quando um artista cristão toca no secular as pessoas ficam surpresas. Nas igrejas americanas os estilos musicais contemporâneos também são “segregados”?

Ainda existe algum debate em muitas igrejas americanas, mas tenho visitado muitos países latinos onde a maioria das igrejas são da ‘velha escola’ e muito conservadoras. Algumas são legalistas e querem manter as leis de moisés, as leis levíticas, que nem mesmo elas conseguem seguir, para não mencionar que esta é a velha aliança, Cristo veio para fazer a nova aliança, então não necessitamos manter a velha. Nunca deve ser questão de estilo, a questão é o coração, ele tem que ser puro e justo… nunca devemos julgar pela aparência ou som.

Samuel 16.7 — “Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem. Pois o Homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha o coração”.

Tem planos de vir ao Brasil?

Gostaria muito de ir ao Brasil… eu amo muito esse país… anos atráz eu praticava capoeira. Realmente tenho um grande amor pela cultura brasileira.

Quando foi que você descobriu que além de cantar e tocar, também tinha o dom de produzir?

Sempre tive um bom ouvido, e sabia onde e como as coisas iriam soar nas músicas, então eu tive que aprender a colocar isso em ação.

Você já produziu artistas como Lecrae, Sho Baraka, Group1Crew e muitos outros. Cada trabalho finalizado é como um filho, único. Porém não poderia deixar de perguntar, qual foi a sua melhor produção?

A música “Children of the Light” que eu produzi para o Lecrae, e tem participação do Sonny Sandoval (P.O.D) e Dillavou. Essa é minha produção favorita porque tem um som diversificado, e esses caras são meus artistas favoritos.

Você está lançando o disco ”Introducing Lov’d Ones” em parceria com Dillavou, quando foi que essa parceria começou a ser construida?

Conheci o Dillavou quando fui trabalhar para a Reach Records na 116 “Unashamed” tour de 2008. Eu era o engenheiro de som, e Dillavou o guitarrista da banda. Em 2009, eu o convidei para fazer parte da música “Fly Away” do álbum Filtered. A música fez um grande sucesso, e até ganhou um vídeo que também fez muito ‘barulho’. Durante um ano conversei com Dillavou para que colaborasse em um novo projeto, então ele aceitou, e ai nasceu o The Lov’d Ones.

Então, está surgindo uma nova banda?

Sim! Tipo… Lov’d Ones é uma banda e um movimento… uma família unida atravéz de Cristo, uma família cuja a casa é a Nova Jerusalém, é por isso que temos em nossa bandeira o Leão de Judá e a Estrela de Davi.

Qual é o objetivo principal desse disco?

Amor e unidade em Cristo… reconhecimento em todo mundo… estar centrado na verdade do evangelho.

Neste disco tem alguma participação especial?

Sim! De um artista que você deve conhecer bem… Dominic Balli. Estaremos no top 10 de reggae do iTunes… precisamos do apoio de todos, com certeza muitas pessoas serão edificadas por esse disco.


_publicado em 2010

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.