Música X Tecnologia: Alex da Kid produz single com o auxílio de inteligência artificial

A inteligência artificial tem ajudado o homem a expandir sua capacidade de criação. E a música é o elemento principal desse experimento tecnológico. Presente na essência humana, ela, há tempos, é usada em estudos científicos relacionados ao desenvolvimento cognitivo.

Dando mais um passo no estudo do impacto da música na vida dos indivíduos, a IBM se juntou ao produtor Alex da Kid — responsável por hits vencedores do Grammy, como Airplanes, do B.o.B com Hayley Williams, e Love The Way You Lie, do Eminem com a Rihanna -, para mostrar como a tecnologia pode ajudar no desenvolvimento de ideias.

No processo de produção da música Not Easy, interpretada por X Ambassadors, Elle King e Wiz Khalifa, da Kid utilizou os insights do Watson, sistema de computação cognitiva da IBM que durante um ano aprendeu sobre os conceitos e teorias da música para entender de que forma ela age nas emoções e alterações de humor. Isso fez com que o programa relacionasse esses aspectos para indicar a Alex da Kid quais eram as características predominantes para se fazer uma música de sucesso.

“Normalmente, eu começo meu processo criativo com conversas — fazendo perguntas pessoais”, disse Alex à Roling Stone norte-americana. “O Watson me permitiu fazer isso em uma escala maior. Ele verifica toneladas de temas culturais e meios de comunicação social, compreende uma grande quantidade de conversas e, em seguida, fornece informações de uma forma que eu possa entender. Então, eu olhei para esses dados e a partir daí a inspiração fluiu”.

O experimento de Alex da Kid teve o auxílio de duas Interfaces de Programação de Aplicativos (API, na sigla em ingês) do Watson. Primeiro ele usou a Watson Alchemy Language, API que mensura a emoção humana, tendências sociais e estilos da língua. Na sequência, o Watson Tone Analyze examinou todo o sentimento existente nos textos colhidos. “A proposta foi identificar os temas mais persuasivos na sociedade, assim, o Watson leu e entendeu discursos do Nobel da Paz, artigos do New York Times, letras das músicas com mais destaque nas paradas da Billboard, sinopses de filmes”, diz Kelly Bassi, relações públicas da IBM Brasil. “O Watson também leu mais de 2 milhões de linhas de conteúdo em redes sociais para extrair o sentimento emocional em torno das conversas. Combinando essas duas APIs foi possível mapear a ‘temperatura emocional’ dos últimos cinco anos”.

Não bastasse a assistência das APIs, Alex também usou o Watson BEAT, ferramenta que interpreta a letra e estrutura a intenção emocional das canções expandindo a visão do artista para criar uma composição. Para compreender as tendências, Alex conversou por chat com a tecnologia. Ela analisou ritmo, afinação e instrumentação. Isso foi necessário para identificar a “impressão digital emocional de cada música com base em tons de nota, gênero e acordes”. A experiência não ficou limitada a arte musical. Alex da Kid recorreu às cores para descobrir quais são os efeitos psicológicos e a inter-relação entre as emoções e a imagem estética. Com o Cognitive Color Design , ele criou uma visualização interativa sobre a análise cultural e da música com base nas cores que o inspiram.

Os resultados da primeira experiência científica musical do produtor britânico foram positivos. Dados da Nielsen Music, divulgados pela Billboard, indicaram que Not Easy teve 18 mil downloads pagos na primeira semana de venda, atingindo a sexta posição no ranking Rock Digital Song Sales. E alcançou o 12 lugar no Hot Rock Songs (que soma os dados de vendas, streaming e execuções em rádio). No Spotify, a canção superou os 3 milhões de plays.


_ publicado em 15/11/16 no RAPresentando