E quando o branco vem

O mestrado e seus momentos de incerteza


Oi. Cá estou novamente, quase dois meses, ein? Pois é.

O tema do texto não é diretamente ligado ao tempo que fiquei sem escrever aqui. Tive muito pouco tempo para respirar ultimamente e isso vai de encontro ao que eu ando fazendo na minha pesquisa.

Primeiramente, ando escrevendo e adiantando a minha dissertação e artigos que estão diretamente ligados ao tema que estudo. Apenas isso já me toma um bom tempo. Outra coisa é que eu trabalho e tem sido uma época bem ativa (como sempre) não me dando nenhum tempinho livre para pensar fora disso — não recomendo trabalhar e fazer mestrado ao mesmo tempo, é bastante cansativo. E a outra é que o resto do meu tempo eu quero passar com as pessoas que eu gosto e principalmente minha noiva.

Mesmo com toda essa atividade, nestes últimos 10 dias me deparei com uma falta de foco nas pesquisas que tem me incomodado bastante. Não que eu tenha terminado a pesquisa, longe disso, mas andei um pouco perdido em relação ao grande amontoado de informações que tenho e o que de fato poderei usar em minha dissertação. Um problema de filtro, digamos assim.

— Como filtrar as informações para a dissertação?

Esta é uma grande questão que ficou na minha cabeça e que uma conversa com o orientador já pode ser o suficiente para sanar. No meu caso, ainda preciso marcar a reunião para saber quais são as técnicas plausíveis no meu caso. Pela minha pesquisa e leituras de outras dissertações, fazer uma estruturação prévia da própria dissertação e depois completar com dados e informações que surjam no decorrer do processo pode ser algo interessante. Lembrando, isto no meu caso, e isso vai depender muito do tipo de pesquisa que está fazendo. E lembro também que é baseado na minha experiência (assim como todo esse diário) e não em pesquisas sistemáticas sobre o tema.

Aqui uma estruturação prévia das ideias da minha dissertação

Essa estruturação pode ser diretamente pensada nos tópicos que você está fazendo ou apenas nas ideias que quer desenvolver ao longo de sua dissertação (recomendo mais este caso). Muita coisa pode entrar e pode sair dali, mas esta base pode te ajudar a não se perder nas próprias informações. Ou pior: não saber o que fazer com os dados.

Importantíssimo: sempre tenha em mente (escreva e cole na tela do seu computador) a sua pergunta de pesquisa e seu tema. Porque se você não tiver isso te cercando vai ser bem fácil de sair do escopo do seu trabalho e se perder em informações interessantes mas que não servem para nada no seu projeto. Não digo para você parar de pesquisar ou ler sobre outras coisas que não seja o seu tema, mas defina que no horário de estudo é o seu projeto que merece a atenção. Saber de áreas intersectantes à sua é importantíssimo para provocar inputs e relações que antes eram julgadas inexistentes. Nunca deixe de fazer isso também.

O que posso dizer é que usei o tempo não tão produtivo para realizar as tarefas das disciplinas do próprio curso, ou seja, de qualquer maneira foi bem produtivo. E pode ser uma dica para quem estiver passando por isso: fazer qualquer tarefa é melhor do que pensar em fazer.

Eu tenho evitado escrever sobre os estudos e projetos que ando fazendo na pesquisa pois ainda são sigilosos por terem participações de empresas e outras organizações, mas sobre o tema prometo que escreverei mais nos próximos textos e que essa época de "branco" tenha passado para sempre!