A importância de um time

Por que os times são responsáveis por sucesso ou fracasso em qualquer startup?


Você já assistiu o filme Cool Runnings?

O filme é a adaptação de uma história real de um bando de loucos jamaicanos que um dia acreditaram poder sair do calor escaldante num país tropical e competir nas olimpíadas de inverno na modalidade de bobsled.

Pode só parecer uma boa comédia, mas essa história tem tudo haver com a criação de times capazes de construir negócios de sucesso!

Esclarecimento: Não vou me prender a história real (que é bem diferente), vou focar no que é tratado no filme assim teremos uma melhor contextualização com o tema.


Quantas vezes as circunstâncias nos fizeram pensar que estávamos no lugar errado na hora errada?

Se você decidiu empreender a lição aprendida com esses 4 jamaicanos que estavam pretendendo fazer a coisa errada no lugar e hora errada — onde poderíamos imaginar aprender andar de trenó num país tropical que não tem neve. Felizmente eles não sabiam que era algo impossível de atingir, por isso, foram lá e fizeram.

Quem acreditaria que a Jamaica poderia participar de uma olimpíada de inverno? Quem acreditaria que jovens construiriam impérios bilionários antes dos 40 anos?

No caso do filme a fórmula de sucesso era composta por 3 corredores que não conseguiram índice olímpico e um piloto de carrinho com um ovo da sorte, com esse time convenceram um ex-atleta americano que perdeu suas medalhas por trapacear em sua última participação olímpica a mentora-los durante este processo.

Um time numa startup é um conjunto de habilidades [iniciamente] desconhecidas

Quer montar um time para iniciar um novo negócio? Este time pode ser a diferença entre sucesso e fracasso no seu ou em qualquer negócio. O que tenho visto aqui no Vale é que toda startup busca um time de composto por:

  1. Experiência — background teórico e prático.
  2. Motivação — o que você está disposto a perder pelo seu negócio.
  3. Foco — o que você quer atingir num futuro próximo

E os fundadores?

A junção de Experiência, Motivação e Foco é fundamental para a criação do maior diferencial das startups de sucesso, a CULTURA. Para você montar um A-Team que, e ter uma cultura bacana, precisará se preocupar com alguns pontos na hora de pensar nos seus sócios:

  1. Posições certas e fundamentais: A menos que você tenha alguns milhões no bolso, os recursos serão poucos e seu entendimento de solução superficial. Startup não é feita só pelos brothers, mas por quem cumpre essencialmente as necessidades para desenvolvimento do negócio.
  2. Sócio não é funcionário: Ser sócio fundador de uma startup é ter disposição de viver sem salário, sem garantias e provavelmente sem dinheiro. Não entre nessa achando que terá saldo positivo na sua conta no final do mês.
  3. O trabalho é full time: Resolveu largar tudo para empreender? Iniciar uma startup é como ter um filho, ele simplesmente não desliga após as 18h. Não entre nessa sem disposição para trabalhar no dia e hora que for necessário, empreendedor não é emprego, é estilo de vida.

Como por o time para funcionar?

No início tudo parece nebuloso, do seu conhecimento sobre o negócio até a capacidade dos demais fundadores em tirar a idéia do papel. São essas habilidades desconhecidas que podem gerar bons ou péssimos resultados.

Construir um time de fundadores é mais que "juntar a galera" para trabalhar, é preciso pensar além da amizade ou de experiências anteriores, busque:

(1) Pessoas que gostam de você: Sim, amigos podem ser bons sócios, mas isto não é uma regra. Ter amigos sócios pode ser muito bom se (e somente se) as afinidades dentro da empresa impulsionarem o negócio, como nos comportamos diferentes dentro da nossa empresa a amizade pode não ser a mesma quando o sucesso da empresa está na mesa.

(2) Pessoas que não gostam de você: Isso ai, muitas vezes os melhores sócios não são amigos fora da empresa. Por mais que isso seja estranho ao iniciar um novo negócio seu objetivo é ter as pessoas certas para o negócio. Comportamentos e visões diferentes (complementares) são a chave para negócios inovadores.

(3) Pessoas que já empreenderam: Uma das coisas mais valiosas no vale é o quanto você aprendeu errando. Sei que no Brasil temos a cultura de não poder errar, desta forma se aproximar de quem já empreendeu e quebrou trará um aprendizado essencial. O principal objetivo de qualquer startup é fazer com que você aprenda algo novo, mesmo que o negócio quebre.

(4) Pessoas dispostas e com o pé no chão: Uma startup tem que entregar algo rápido ao mercado, essa agilidade mostra o quão engajado está o time com o propósito do negócio. Veja o exemplo do Startup Weekend, em 54 horas você pode tirar uma idéia do papel ao lado de pessoas incríveis! Por outro lado mantenha distância das pessoas que pensam em ser o Google antes de identificar quem serão os clientes. Não empreenda porque está "todo mundo" empreendendo.

(5) Falhe rápido: O empreendedor está num processo de aprendizado. Da mesma forma que você não nasceu andando, você não começa a empreender sabendo tudo no seu mercado. Desta forma se permita errar, teste coisas simples e descubra se está andando na direção correta para o negócio.

Quem são as pessoas certas?

Quantas "euquipes" você conhece que conseguiram construir um negócio de sucesso? Este é um erro comum entre empreendedores que sabem demais sobre o que querem fazer, ninguém é melhor que eles mesmos para o negócio, bullshit!

Nos negócios, ninguém faz algo melhor sozinho do que em equipe.

Os primeiros passos são difíceis, o que se espera de um time é que ele seja:

  1. Complementar — porque você precisa fazer parte deste negócio?
  2. Proativo — você não tem chefe, então não se comporte como funcionário!
  3. Engajado — mesmo com visões diferentes, tenha o mesmo propósito.

Você tem pouco tempo para entrar no trenó, não perca tempo reclamando que seu sócio deveria fazer isso ou aqui, faça você! Os fundadores de qualquer startup são os pilares do negócio.

Estes pilares formarão a cultura da empresa, portanto nada pode ser deixado de lado, mesmo que sejam três desenvolvedores, um terá de vender, outro pensar nas estratégia de evolução e outro, claro, programar dia e noite!

Todo time precisa do "Sanka" e do ovo da sorte!

Sanka Coffie

No filme o Sanka Coffie não tem nenhuma habilidade para o time de trenó. Ele entrou na equipe por ser o melhor amigo do Derice Bannock, o piloto.

Mesmo sem nenhuma habilidade brilhante (nenhuma habilidade visível), ele é o principal agregador do time.

Quando tudo começar a ir mal ele está lá disposto para ajudar dando seu máximo ou simplesmente brincando com os demais para descontrair o ambiente. Toda startup precisa de um ou alguns Sanka(s), pessoas que mesmo sem habilidades extraordinárias estejam alí para manter todo mundo focado nos objetivos do negócio.

E o ovo? Não quer dizer nada, é só uma piada ☺

Você não é a Suíça!

Se você está empreendendo no Brasil não se comporte como se estivesse no Vale. No filme o Derice Bannock quer se comportar como os suíços, até a contagem antes da corrida ele faz em alemão. A discussão no vídeo é um dos momentos mais bacanas do filme, quando o Sanka mostra ao Derice que o sucesso não está em ser como os melhores, está em serem os melhores como jamaicanos.

Por mais que a história de Steve Jobs e Elon Musk sejam incríveis, a sua não será boa se for igual a deles, mas se na sua trajetória você fizer seu melhor como você mesmo.

O propósito vale mais que qualquer produto

Já imaginou o quão louco era esses caras treinarem debaixo de um sol de 40ºC para competir num frio de -20ºC? As vezes estamos no lugar errado para atingir os objetivos do negócio, quando isso acontece você tem sempre duas opções (1) desistir ou (2) colocar seu prorpósito a frente de qualquer dificuldade.

Quando optamos em não desistir conseguimos aprender a andar de trenó sem neve. Construir um negócio de escala global é semelhantes, quanto mais rápido aprendermos que somos capazes, mais cedo chegaremos ao lugar certo.

Fail fast and learn everything!

Uma das coisas que mais me chamaram atenção aqui no vale é o fato dos empreendedores não criarem limites ou dificuldades para empreender, nada é impossível.

Isso só é possível porque, como falei, a cultura do erro é vista como parte do processo. Mas além do erro, os empreendedores estão focados em conhece cada centímetro do seu mercado, assim conseguem entender como o cliente se comporta e quais as melhores oportunidades de sucesso.

Comece de algum forma, mas não deixe de por a mão na massa e a cara na rua para conhecer quem são as pessoas que colocarão as mãos nos bolsos para lhe pagar.

Treine o quanto puder e se dê ao máximo, seu time deve conhecer cada detalhe do negócio e do mercado para entregar soluções que efetivamente resolvam o problema.

Seu objetivo não é vencer, é completar a jornada

Ser líder de mercado e ter uma empresa unicórnio (termo usado para as empresas que valem mais de 1 bilhão de dólares) não é fácil. Por mais que não saibamos qual será o próximo facebook, sabemos que o importante é completar a jornada empreendedora.

No filme há um diálogo entre o Derice e seu treinador sobre a trapaça que este cometeu na sua última olimpíadas: "Quando sua vida depende da vitória você precisa fazer qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, para vencer".

Com sucesso ou fracasso, você terá adquirido conhecimento de negócio e reconhecimento do ecossistema para ou começar mais uma vez ou ajudar quem está começando. Independente do resultado aprenda o máximo ao longo do caminho, é empreendendo que se aprende a empreender.

Mas porque essa história representa bem o conceito de time?

Nem sempre nosso time chama atenção do mercado ou da comunidade. O exemplo apresentado no filme deixa claro, mesmo com adversidades e dificuldades no caminho ao nosso objetivo: Construir um negócio de sucesso. O mais importante é ter disposição de entregar seus valores. Empreender é uma ótima oportunidade de não ser apenas uma pessoa comum, seja a diferença!

Tudo pode mudar, menos o seu propósito

Conquistando sucesso ou fracasso, não deixe de acreditar no por que disto tudo. O time é tão importante quanto os resultados, o que você tem feito para deixar no mundo? Seu time faz parte deste legado.

A primeira imagem que coloquei no texto representa o poder deste time inicial em 1988 (ano que nasci, por sinal), até 2014 a Jamaica continuou tendo equipe presente nas olimpíadas de inverno.


Se esse texto lhe ajudou deixe um "joinha" ☺

Luiz Fernando Gomes: www.dicasdovale.com (luizgomes@luiz.tips)

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luiz Fernando Gomes’s story.